Clique na imagem acima para mais informações! Votação até de 25 de fevereiro!

O tribal e o medieval


Há um tempo atrás estava a conversar com a Carol Schavarosk a respeito do casamento perfeito entre a dança tribal e a música medieval. O assunto surgira devido a performance do grupo Vlax no Tribes Brasil 3 com tal temática.
Não é de hoje que bailarinas do ventre dançam ao som de bandas como Corvus Corax ou Loreena Mckennitt entre outras bandas e cantores que tenham um toque medieval ou que faça você se transportar para outra era, outro mundo, um lugar que dê para escapar da realidade, um lugar em que você gostaria de estar. E quem não se empolga e se envolve com um filme medieval? Em todos os seus aspectos, o modelo medieval traz algo de raiz, algo que aos poucos o homem vai se distanciando. E é essa essência enraizada em nós que faz o medieval e o tribal se darem tão bem.
Ambos buscam uma essência que vem do âmago da raiz da árvore humana. Não há palavras que descrevam o que é sentindo com a música medieval, e o que se passa na mente e no coração humano ao ouvir tais sons. Mas com certeza é muita emoção e algo que nos fazem sentir livres e crianças novamente, pois só pensamos que somos um personagem medieval e queremos viver essa trama.
Jamila Salimpour, precursora do estilo tribal, já se apresentou em festivais medievais e em cada apresentação com seu grupo colocava aquele toque circense, com mágicas e coisas exóticas de cada tribo e povos de uma região do Oriente Médio, entre outras localidades. Tudo isso é hipnótico e envolvente como a serpente que delineia o espetáculo.

Assim como ela, as gerações posteriores também tinham gosto pelo exótico que as tribos traziam. Tribos que são consideradas medievais no presente em que estamos inseridos. E por causa dessa tradição, simplicidade, de ser algo rústico em todo o modo de vida delas, pelo espírito selvagem dos sentimentos e emoções é que nos apaixonamos por esse estilo de ser. Um sentimento que vamos nos esquecendo cada vez mais que nos tornamos adultos “responsáveis”.

E a simplicidade artesanal dos instrumentos, capazes de construir sonhos, construir imagens perfeitas da essência humana, daquilo que mais ansiamos e daquilo que palavra alguma seria capaz de descrever. Por isso nos emocionamos tanto com a fragilidade dos sons rústicos e enrustidos na areia do tempo de uma criança. A arte medieval nos leva para “A Terra do Nunca”.

A dança e a música casaram-se há séculos atrás. Talvez desde quando estávamos embalados no ventre do universo. Uma trilha sonora repleta de misticismos. A música ganha forma através da dança. Um vocabulário entendível apenas pela nossa percepção sentimental e emocional.

O estilo tribal de dança do ventre acabou se tornando um estilo de dança que remete tanta ancestralidade quando dançada ao som medieval. Tanto que a primeira vez que assisti a um vídeo no Youtube de ATS/ITS pensei que fosse uma dança medieval com alguns movimentos de dança do ventre. Essa imagem aconteceu por causa das vestimentas...o cinturão com pom-pons coloridos, as saias rodadas com uma calça bufante por baixo, o choli e o sutiã de moedas... lembrando os ciganos e uma essência tão rústica e aconchegante de se sentir. E também pelas seqüências de movimentos tão diferentes e que se adequavam tão bem a proposta de tais músicas.

O ATS, mais do que o “fusion” carrega o medieval de forma latente, pelos passos, pelo figurino e por ser dançada em grupo, algo que traz a imagem das mulheres e sua cultura tribais. Mas ambos conseguem encantar, cada uma de sua maneira, cada qual com sua proposta. No ATS se torna algo mais passivo, aquela sensação ritualística e campestre, de cultuar do feminino, a fertilidade e a vida. Uma emoção de raiz, que só quem assiste uma apresentação do tipo sabe do que estou falando.


No “fusion”, a visão que se dá para mim é que as bailarinas são uma espécie de guerreiras amazonas, talvez pelo enxutamento das roupas, pelos movimentos mais agressivos devido ao maior repertório de passos e maior diversidade de ritmos.

Abaixo deixo vocês com alguns vídeos de dança do ventre, ATS/ITS e fusion com a temática medieval. Observem que o figurino do tribal se adéqua muito bem ao estilo medieval! Há alguns figurinos que estão bem a caráter, o que potencializa a dança em uma apresentação; principalmente se for em um evento/festival medieval. Em alguns deixarei breves comentários
Beijos!
Aerith
A dança em festivais medievais:











O ATS combina muito com feiras, eventos e festivais medievais, vocês não acham?*.*




Um dos meus vídeos favoritos no estilo medieval com o vocabulário ITS:



Música medieval ao vivo e dança:









Algumas bailarinas interessantes no estilo medieval dentro das fusões:

Grupo Swara Armunn(ALEMANHA):



Aepril Schaile(EUA):




Kristinne Folly(BRASIL):



Minha professora adepta aos estilos undergrounds dentro da dança do ventre. Ela é uma das bailarinas que mais me encantam no estilo medieval/celta/etc

Asena(MÉXICO):




Roxanne(EUA):



Além de dançar, ela canta e toca alguns instrumentos na banda "Wine & Alchemy". Além dos figurinos dela estarem bem a caráter com a proposta medieval.


Autumn Ward(EUA):



Uma pena que não se encontre no Youtube os vídeos das performances contidas nos dvds em que ela participou, pois são muito boas!

Morgana(ESPANHA):



Sem comentários, né? A Morgana é tudo de bom! rsrs Sério, tudo que é legal ela faz! Adoro quando ela dança com armas simulando lutas. Além das apresentações em estilo piratas.

Kahina Spirit(PORTUGAL):


A Kahina é uma das mais criativas, competentes, talentosas e belas bailarinas da dança alternativa. Vale muito a pena conferir os outros vídeos dela.

Divulgando nossas riquezas PARTE 4

Olá pessoas!

Hoje é dia de divulgar mais três grupos de dança que tem muito futuro no tribal! Eu particularmente admiro muito o trabalho deles e espero que vocês apreciem os vídeos que aqui irei postar.


Vlax (RJ):


Direção Carol Schavarosk

Ulan Daban (SP):


Direção Rebeca Piñeiro

Falak Fusion (MG):


Direção Thalita Menezes

Seleção Brasileira

Olá meninas!

A copa acabou mas as nossas estrelas ganham cada vez mais espaço e destaque internacional! Não estou falando de futebol, mas sobre o tribal. Em outras palavras, hoje venho aqui divulgar( e também incentivar!!) a nossa seleção brasileira de tribalistas!

Nossas atacantes são: Mariana Quadros (SP), Nanda Najla (MG), Kilma Farias (PB), Bela Saffe (BA) e Jhade Sharif (RJ).


O vídeo acima é uma apresentação da Mariana Quadros no Tribal Fest, oitava edição(2008)! Sim, o maior evento do estilo tribal do mundo. Além desse ano, a Mariana já tinha participado do mesmo evento em 2006, mas ainda não tinha se apresentado.

Nesse ano, a sua amiga Ana Lua, que também participou de edições anteriores do Tribal Fest, apresentou-se no grande palco:


Na minha opinião, ela é um grande incentivo para que mais brasileiras se aventurem a conhecer o além das nossas fronteiras e mostrar a diversidade e potencial que nós possuímos. Meninas, let's go!

Os próximos vídeos são da talentosa Nanda Najla, que em 2009 foi convidada a ministrar e se apresentar em um dos maiores eventos de tribal dos EUA, o Spirit of the Tribes.


Com a paixão latente em seus passos de tribal tango ela conquista os EUA e mais uma vez se apresenta neste evento em 2010:



Porém, junto a ela, mais uma pequena grande mulher brilhou ministrando workshop de tribal brasileiro regional e se apresentando no palco do Spirit of The Tribes 2010: Kilma Farias. E com essa nordestina arretada de brasileira com certeza o circo pegou fogo.





Agora imagina as duas juntas? Pois é...bagunça e alegria na certa!





Para verem os bastidores dessa viagem acessem os canais da Nanda Najla e Kilma Farias no Youtube.


Outra nordestina que marcou presença no Spirit of the Tribes 2010 foi Bela Saffe que, junto de Kilma, é uma das maiores pesquisadoras e divulgadoras da cultura afro-brasileira. Em 2009 ela participou do San Francisco Mecca Immercion, onde fez workshops com grandes bailarinas da cena tribal.



Agora Kilma +Bela Saffe no Spirit of the Tribes 2010=

Mais uma grande guerreira brasileira a se destacar é a carioca Jhade Sharif. Este ano ela representou o país na Argentina! E seu figurino inspirado nas cores de nossa terra e sua dança envolvente tem muito a que conquistar além do mar.



Apresentadas a nossa seleção de amazonas tribais brasileiras, espero que cresça ainda mais esse time e que o nosso trabalho seja cada vez mais divulgado, valorizado, principalmente dentro do país, e reconhecido como merece pelo mundo a fora.

Beijos!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...