Clique na imagem acima para mais informações! Votação até de 25 de fevereiro!

Entrevista # 15: Bruna Gomes

Nossa Entrevista Especial de Aniversário é com a bailarina de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Bruna Gomes. Ela nos conta sobre sua trajetória, sobre suas origens com Karina Iman, seu grupo Al-málgama, a cena no sul do país e muito mais! Vale a pena conferir ;)


BLOG: Conte-nos sobre sua trajetória na dança do ventre/tribal; como tudo começou para você? 
As danças do ventre e tribal surgem para mim quase que misturadas, embora eu não soubesse disso. Iniciei meus estudos na Dança do ventre em 2000, pois me apaixonei ao ver uma bailarina, chamada Karina Iman, a qual admiro e considero ainda uma referência na dança, dançar num bar alternativo de Porto Alegre. Achei inusitada e linda aquela apresentação. Comecei o meu estudo na dança do ventre clássica com a professora Alessandra Padilha, e continuei sempre buscando em mim aquele tipo de dança que eu vira pela primeira vez: uma dança bela, exótica e lúdica. Por cinco anos mantive os estudos na Dança do Ventre desconhecendo a Dança Tribal. Porém, nunca me achei enquadrada no estilo clássico de dança do ventre. Meus figurinos eram exóticos e elaborados por mim, minhas composições coreográficas partiam muito de um processo criativo e nunca usava músicas clássicas ou folclóricas nas minhas criações.
Grupo Iman


Em 2005, eu já participava do Grupo Iman (grupo da professora que inspirou o meu percurso), e surgiu a oportunidade de apresentarmos uma coreografia no show de 10 anos de carreira da bailarina Brysa Mahaila, representando o estilo de dança tribal. Fomos à busca desse novo estilo, que desconhecíamos. Na época, o que tínhamos de referência eram apenas alguns textos retirados da internet e o DVD Foulis Berger – Superstars (não existia ainda o youtube no Brasil, o qual hoje é uma das principais fontes de pesquisa no campo da dança). Desenvolvemos uma coreografia de tribal, trabalho dirigido por Karina Iman e interpretado por mim, Daiane Ribeiro, Niriane Neumann e a própria Karina. Identifiquei-me na hora com o estilo e busquei pesquisar mais sobre este e, desde então, mantenho os meus estudos. Percebi que a estética de dança que eu sempre busquei e fiz foi de dança tribal.
  
BLOG: Quais foram as professoras que mais marcaram no seu aprendizado e por quê?

Bruna e Karina Iman
Primeiramente, a Karina Iman, pois foi quem me trouxe a inspiração para iniciar meus estudos.
Sharon Kihara, pois foi o primeiro workshop internacional do estilo que participei e entendi a necessidade de um preparo físico para um bom desenvolvimento da dança.
Ariellah Aflalo, que trouxe bastante material para desenvolvimento corporal no workshop do Gothla Brasil.

BLOG: Além da dança tribal você já fez ou faz mais algum tipo de dança? Há quanto tempo?
Constantemente busco workshops ou estudos de curto prazo em outros estilos de dança.
Dentre tais estudos estão: Dança Indiana (bharatanatyam), Danças africanas, tango, street dance.

Na faculdade de Dança da Ulbra me deparei com distintos estilos, apesar de eu ter feito mais tempo cadeiras relacionadas à dança Contemporânea (em média dois anos).

Atualmente, estudo no Grupo Experimental de Dança da cidade de Porto Alegre/RS, que aborda diferentes linguagens de dança, como dança moderna, contato, improvisação e educação somática, entre outros diversos que se alternam constantemente.

BLOG: Quais foram suas primeiras inspirações? Quais suas atuais inspirações?
Minha primeira inspiração na Dança Tribal foi a Rachel Brice e o seu grupo, The Indigo. Hoje, com mais facilidade de acesso, me deparei com outras brilhantes referências, destacando aqui, além da Rachel Brice: Sera Solstice, Zoe Jakes, Olivia Kissel, Morgana, Desert Sin, Anasma; e minhas colegas Fernanda Razi e Daiane Ribeiro, Cia Lunay e Joline Andrade.

BLOG: O quê a dança acrescentou em sua vida?
A dança acrescentou autoestima, percepção corporal, liberdade criativa e uma boa dose de fantasia diária. Certamente sou uma pessoa melhor e mais feliz porque danço.  

BLOG: O quê você mais aprecia nesta arte?
Principalmente o processo criativo; a liberdade artística.  

BLOG: O quê prejudica a dança do ventre e como melhorar essa situação? Você acha que o tribal
está livre disso?
Acho que a dança do ventre, por assumir uma estética pin-up e glamorosa, muitas vezes, pode pender para o fútil. É claro que há bailarinas que conseguem transcender tal mote e encantar, sensibilizar, emocionar o público com uma dança do ventre clássica, mostrando técnica e entrega à dança, mas percebo muitas vezes que o maior interesse de algumas está em ficar linda para subir num palco... E? Cadê a dança, a paixão? Não acho que o tribal esteja livre desse conceito, mesmo que a estética seja diferente, vejo uma galera se vestindo de tribal, se enchendo de tattoo, fazendo “cara de mau” e dançando de qualquer jeito, sem a menor entrega. Como melhorar? Vivenciar, se entregar para o corpo, internalizar para então poder externar (não há possibilidade de inverter esse processo).   

BLOG: Você já sofreu preconceitos na dança do ventre ou no tribal? Como foi isso?
Sim. Principalmente na Dança do Ventre, por ter todo aquele imaginário oriental que chegou deturpado até nós, ocidentais. Além dos assédios, o que toda bailarina de dança do ventre sofre constantemente. Uma vez eu fui convidada, por um vizinho meu que descobriu que eu era bailarina de dança do ventre, para fazer strip-tease em uma casa noturna de Porto Alegre; outra vez, estava dançando voluntariamente em um evento comunitário para crianças quando fui barrada de continuar dançando porque o diretor do local, que era um centro espírita, entendia que a Dança do Ventre era vulgar; em 2005 participei do meu primeiro concurso de dança, o Bento em Dança, e tive premiação de destaque na categoria dança do ventre. A universidade na qual eu cursava Dança (curso que ainda não concluí) estava apresentando uma divulgação do curso, e a professora de dança contemporânea me convidou para apresentar a minha coreografia vencedora na divulgação, mas a diretora do curso vetou a minha participação com a justificativa preconceituosa de que dança do ventre é uma “dancinha”, o que não pegaria bem para um curso sério; com a dança tribal não sofri nenhum preconceito até agora, mas percebo que existe certa resistência de algumas bailarinas de dança do ventre com o tribal.
                                                                        
BLOG: Houve alguma indignação ou frustração durante seu percurso na dança?
Frustro-me com a desvalorização da arte de uma forma geral. E acho que a dança tem um espaço ainda menor nesse meio.

Antes de 2005, eu basicamente dançava em restaurantes, lojas de artigos árabes e eventos de escolas de dança do ventre. Foi um período de muito investimento e pouquíssimo lucro. Foi aí que sofri muito assédio de alguns donos de lojas que vendiam artigos árabes e que me contrataram para divulgar as suas lojas através da dança. Depois do serviço feito, eles, via de regra, marcavam um encontro para acertar o pagamento e, aí, tentavam me convencer a ter um “casinho” com eles, pois eles poderiam me ajudar a crescer no meio, argumentavam que era assim mesmo, que várias outras meninas, como fulana, beltrana e sicrana já tinham “passado” por eles, e, por isso, tinham o prestígio que tinham (hoje nem sei mais o paradeiro delas, mas há época realmente eram, dentro do possível, conhecidas no cenário de dança do ventre do sul do Brasil). Tais acontecimentos me fizeram duvidar que eu pudesse crescer pelo meu trabalho, suor e talento, o que me deixou muito frustrada e indignada. Cheguei a pensar em desistir da dança. Mas fui e sou perseverante. Hoje, acho que comecei a colher os frutos do meu esforço.

BLOG: E conquistas?Fale um pouco sobre elas.
Fico feliz por minhas realizações pessoais dentro desse meio. Em todos os festivais de dança dos quais eu participei levei grandes premiações e aos poucos tenho recebido um reconhecimento dentro do universo da dança na minha cidade e no estado, principalmente. Ano passado, o espetáculo Movie-mento, do Grupo Masala, conquistou a premiação maior de arte do município, que é o Prêmio Açorianos. O meu grupo individual, Al-málgama, por vias de festivais conseguiu visibilidade na Secretaria Municipal de Cultura e estamos conquistando um espaço na agenda dos programas culturais da cidade.

Prêmio Açorianos

BLOG: Como é o cenário da dança tribal no Rio Grande do Sul? Pontos positivos, negativos, apoio da cidade, repercussão por parte do público bem como pela comunidade de dança do ventre/tribal?
O cenário da Dança Tribal no Rio Grande do Sul está engatinhando. O primeiro trabalho de estudo dentro do estilo Tribal aqui no estado partiu do Grupo Iman, do qual eu era uma das integrantes, e as pesquisas iniciais eram autodidatas. Daí surgiram novas vertentes e algumas bailarinas que buscaram esse estudo paralelamente. Eu fundei o Grupo Al-málgama, a primeira escola de Dança Tribal de Porto Alegre (e talvez do RS), em 2008. Lá ministro eu e alunas minhas que seguem os estudos e os ensinamentos desde então; em 2010, eu, Fernanda Razi e Daiane Ribeiro (três das alunas de tribal mais antigas da Karina Iman), fundamos o Grupo Masala, o qual ministrou por dois anos um curso anual de Dança Tribal, com o objetivo de aprofundar os estudos no estilo teórico e prático. Este curso movimentou muitas bailarinas de todo o estado e daí surgiram novos professores que estão movimentando o cenário do estilo.
 
Grupo Massala - Espetáculo Especiarias
Apesar de estarem surgindo novas fontes de Dança Tribal constantemente, sinto que falta um espaço maior de visibilidade, faltando criar um público próprio para o estilo. As demonstrações tem sido feitas principalmente em teatros e eventualmente em eventos de Dança do Ventre, portanto, limitada à um público que já conhece o estilo. Esse ano, como disse anteriormente, o meu grupo, Al-málgama, alcançou um espaço na agenda cultural da cidade, o que está sendo muito bom para divulgar o tribal por aqui. Mas retorno a dizer que estamos engatinhando nesse processo.

   

BLOG: Conte-nos como surgiu o grupo Al-málgama, a etimologia da palavra, seus integrantes, qual estilo marcante do mesmo e se ele sofreu alguma mudança estrutural ou de estilo desde quando foi criado até agora.
O grupo Al-málgama representa a minha trajetória como bailarina e professora de dança. O meu primeiro trabalho coreográfico de dança tribal em grupo com as minhas alunas batizei de “Al-málgama”, que é o resultado da fusão da palavra portuguesa “amálgama” com a árabe “al-madjmaHa”. O Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, entre outras definições da palavra “amálgama”, dá a seguinte:
Grupo Al-málgama

“4 fig. Mistura, reunião ou ajuntamento de elementos diferentes ou heterogêneos, que formam um todo (...) ETIM pelo lat. dos alquimistas amalgama, este prov. do ár. al-madjmaHa ‘fusão’ ”




 
Todos os trabalhos, a partir deste, mantiveram o caráter hibridizado, fusionado, que representa a Dança Tribal. Senti a necessidade de criar uma identidade de grupo, do qual batizei como Al-málgama. Os integrantes do Grupo são flutuantes, e estamos em processo de fixação deste. Hoje contamos com 24 integrantes na escola com um bom nível de dança, que se apresentam como Grupo Al-málgama, sendo algumas destas os pilares do nosso grupo, por serem mais antigas, e/ou mais ativas nos projetos do grupo: Áurea Becker, Claudia Goulart, Diedry Ludwig, Estela Santos, Iasodara Ruiz-Tagle, Karine Neves, Kriscyelle Sant, Letícia Gomes, Mayara Ahlan, Pátia Mihr, Patrícia Nardelli, Priscilla Leppich e Taís Cunha.
BLOG: O espetáculo Movie-Mento, sob direção e produção sua e de Fernanda Zahira Razi, teve uma boa repercussão no meio da dança, contando com duas edições em 2012. Conte-nos o quê a inspirou para a formulação da parte conceitual e do roteiro do espetáculo. Como foi o processo de elaboração das coreografias e figurinos, bem como a repercussão do mesmo.
Na verdade foram três edições ao longo do ano. A idéia surgiu com a parceria minha entre as colegas Daiane Ribeiro e Fernanda Razi. Desde 2010, desenvolvemos um projeto de cursos juntas: o Curso Anual de Dança Tribal Masala. Neste ministramos aulas e o finalizamos com um espetáculo. 

O primeiro foi o “Especiarias”, que teve uma repercussão bem bacana.  Pensamos um tema para o curso seguinte e achamos que seria interessante unir as ferramentas do audiovisual à dança. A montagem, direção e coordenação foram feitas por mim e pela Fernanda Razi. A proposta foi criar leituras baseadas em filmes consagrados que pudessem se adequar aos estilos da dança tribal de forma que as danças interagissem com as projeções e alcançamos um lindo resultado. Esse espetáculo recebeu indicação ao Prêmio Açorianos (o maior para a arte no município de Porto Alegre) e o conquistou, além de lançar eu e a bailarina Fernanda Razi com a indicação de melhor bailarina da categoria. 


O processo de construção durou mais de um ano. Neste, assistimos a alguns filmes juntamente com o elenco e direcionamos todos os trabalhos coreográficos para construções de acordo com a intenção de cada filme. Queríamos manter presente as emoções mais intensas de cada filme estudado através das performances de dança. Além do curso que acontecia uma vez ao mês, tínhamos as audições dos ensaios que também eram mensais. 

O roteiro das coreografias em grupo foi estabelecido em aulas, incluindo movimentações e interações com as cenas dos filmes que queríamos desenvolver. Para os solos foram abertos alguns para livre interpretação, apesar de estarmos sempre ajudando e participando da construção de alguma forma. Fizemos um concurso de solo criativo relacionado a cinema, de escolha livre, do qual um dos trabalhos foi selecionado para entrar no espetáculo. 

A criação dos figurinos foi baseada nos filmes escolhidos, porém, sempre buscando características de vestimentas do estilo tribal de dança. E as escolhas destes partiam de propostas e votações em grupo. 
        
BLOG: Como  e quando você descobriu o tribal fusion e porquê se identificou com esse estilo?Quando começou a praticar o tribal fusion? 
Descobri com o DVD Foulis Berger que comprei numa feira de dança do ventre e conheci o grupo The Indigo, da Rachel Brice, em 2005. Neste mesmo período eu estava participando de um projeto coreográfico junto ao Grupo Iman, onde deveríamos representar a dança tribal num evento e o trabalho do The Indigo, juntamente com pesquisas literárias sobre o assunto, foram o ponto de partida do meu estudo. Identifiquei-me na hora com o estilo devido à estética e criatividade nas leituras coreográficas.
  
BLOG: O quê você mais gosta no tribal fusion? 
Gosto de tudo: da leitura musical, dos movimentos, dos isolamentos, das emendas, do hibridismo. Mas o que mais me atrai, sem dúvida, é o espaço para a criatividade.


BLOG: O quê você acha que falta à comunidade tribal?
Mais mídia, talvez. Mais visibilidade para conhecer os trabalhos que estão sendo desenvolvidos.

 BLOG: Como você descreveria seu estilo?
Difícil essa! Meu estilo... parto às minhas coreografias de momentos internos, aproveitando a peculiaridade de cada situação. Sempre que estou pensando muito em alguma coisa, encucada, feliz, ou talvez inspirada por uma leitura, filme , teatro ou mesmo dança, começo o meu processo de experimentação, e destes normalmente surgem coreografias, e esse processo de diversidade é visível na versatilidade de meus trabalhos.

BLOG: Como você se expressa na dança?
 Em termos técnicos, minha movimentação (de uma forma geral) parte do centro para expressar para fora. Gosto de vivenciar os movimentos e a dramaticidade das minhas questões que proponho nas coreografias. Preciso sentir para expressar. Busco a dança, ainda, como uma aproximação expressiva e visceral entre o público e minhas vivências.
 

BLOG: Quais seus projetos para 2013? E mais futuramente?
Para 2013 estamos com o projeto Al-málgama Tribal - 13 Anos, que consiste na realização de pequenos, porém impactantes trabalhos ao longo do ano, culminando na apresentação de um espetáculo que conta a trajetória de dança tribal no Estado do Rio Grande do Sul ao longo desses anos, sob a perspectiva do Grupo Al-málgama na busca de identidade e de visibilidade junto ao público e ao campo artístico. Sobre o projeto como um todo, ainda não é possível revelar muitas coisas, só o que posso dizer é que será surpreendente! Posso adiantar que o espetáculo contará com releituras de trabalhos consagrados em festivais e eventos importantes para nosso cenário, além de contar com participação de bailarinos convidados que representam o estilo ou usam de experimentações na dança do ventre e algumas cositas más.

BLOG: Improvisar ou coreografar?E por quê?
Ambos. Acho que o improviso é uma boa ferramenta de entrega e um bom termômetro para perceber como anda a técnica. A coreografia é ótima, pois é um trabalho estudado, elaborado, construído, gosto muito desse processo.


BLOG:  Você trabalha somente com dança?
Atualmente, eu trabalho também como tatuadora. 


BLOG: Deixe um recado para os leitores do blog.
A linguagem corporal é a forma mais intensa e tocante de exercitar a interação, a dança é uma ferramenta para essa leitura. Seja interessado para poder ser interessante, só é possível emocionar se partir de dentro. Fica a dica! ;)



Contato
Tel/cel:(51) 3207.5784 / 8403.4254
                     E-mail: almalgama@yahoo.com.br              



      







Para conhecer mais o trabalho desta bailarina, acesse seu canal no Youtube!
Comentários
5 Comentários

5 comentários:

  1. Show!!! -
    Bety Damballah

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito! "seja interessado para poder ser interessante..." Concordo plenamente! Lindo trabalho, parabéns!

    ResponderExcluir
  3. MESTRA! QUE BOM PODERMOS CONTAR COM GENTE COMO VOCÊS!!!!

    Fico muito feliz em saber que todo este trabalho que vem sendo feito está dando frutos.

    ResponderExcluir
  4. AMEI a entrevista, Bruunaaa!!!!! Parabéns!!! BORA continuar Tribalizando!!!! \T/

    ResponderExcluir
  5. Muito bacana, ela é visceral, autêntica, parabéns pelo trabalho Bruna.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...