Montando coreografia para o Gothla Br 2012

Olá!

Começando(atrasada) a montar a coreografia para o Gothla...esse início de ano acabou me tomando tempo em função da minha faculdade e atribulações corriqueiras...enfim...agora é hora de correr contra o tempo (GOGO!).

Dessa vez estou determinada a fazer uma coreografia, pois eu sou muito ansiosa e esse nervosismo todo acaba me atrapalhando e dando um branco tremendo...principalmente se acontecer algum erro técnico por parte do evento...ainda não sei direito como contornar esse tipo de situação...então acho melhor me assegurar em uma coreografia para eu controlar meu nervosismo e possíveis imprevistos.

Como comentei no post anterior sobre o assunto...a minha coreografia terá três partes ou momentos...A primeira e segunda parte estão praticamente prontas...só lapidar um pouco...a terceira parte realmente vai me exigir mais...então vou ter que escutar bastante a música para encaixar os movimentos e tentar sincronizar o melhor possível. Se alguém tiver dicas de coreografia comentem por favor! Eu quase não coreógrafo...pois acho que perco um pouco da liberdade...mas ando pensando em coreografar justamente pelo nervosismo que me atrapalha.

Em relação  ao figurino, este já passou por algumas mudanças desde a idéia inicial, mas já estou com a idéia praticamente pronta...um figurino bem simples e que dê para observar melhor os movimentos.

E vocês, como estão se preparando para o a primeira edição do Gothla?

Beijos!!


Solos de percussão na dança tribal


Olá pessoas!

Hoje vou postar alguns vídeos de solo de percussão de bailarinas tribais, tanto internacionais quanto nacionais... no caso de Rachel Brice, Kami Liddle, Zoe Jakes e Sharon Kihara, estarei colocando dois vídeos, já que elas são grandes referências no universo tribal.

Observem como os passos nos solos de percussão no tribal são variados! Aqui a bailarina mostra sua desenvoltura e técnica extremamente detalhista e marcante, com uma leitura musical muito fina, mostrando ser possível explorar cada batida com a interpretação minuciosa do  corpo.Além de demonstrar a peculiaridade da mesma na dança, já que a bailarina seleciona movimentos bem característicos ao seu estilo.

[EUA]

- Rachel Brice:





- Kami Liddle:



- Zoe Jakes:





- Sharon Kihara:




- Moria Chappell:


- Samantha Emanuel:


- Mira Betz:


- Sabrina Fox:


- The Indigo:


[Brasil]

- Crys Eda(SP):




- Daniela Fairusa(SP):


- Fairuza(SP):


- Kilma Farias(PB):


- Bella Tribo (SP):

Ariellah atualizando o site! *.*



Gothla Brasil 2012 totalmente confirmado! Ariellah já colocou em seu site as informações sobre o evento! Ebaaaa \o\ Agora só esperar para poder assisti-la de pertinho *----* (pena que não vou poder fazer os workshops esse ano *chora-litros* T________T)


>

Destaque Tribal Abril 2012 pt4: Andréa Monteiro


Uma coreografia muito gostosa de se assistir! Andréa Monteiro compôs algo bem completo: com breaks, dança indiana, movimentos de chão e tantos outros que enchem os olhos de ver! Vale muito a pena^^

Destaque Tribal Abril 2012 pt3: Samantha Emanuel



Impossível não gostar das apresentações de Samantha Emanuel! Uma mais linda que a outra!! Nesta apresentação ela explora tão diversas facetas da dança...desde algo mais singelo e calmo a mais moderno e agitado. 

Homens na dança tribal

por Aerith





Esta publicação sofreu alterações no dia 28/05/2016.

Há um tempo venho querendo escrever sobre esse tema, mas precisava escolher as palavras certas para abordar o mesmo pois, apesar de se tratar de homens, o assunto ainda é meio delicado na dança do ventre. Diferente do que acontece em outras situações, na dança do ventre, o homem tem que lutar pelo seu espaço em uma dança que, tirando as danças folclóricas masculinas, é majoritariamente feminina e que, ainda se tem um certo estranhamento e/ou preconceito com a inserção dos homens na mesma.

Com a dança tribal crescendo e se consolidando nos últimos tempos no Brasil, de uns dois anos para cá, vemos um grande aumento da figura masculina na dança tribal. Isso significa que a dança no Brasil já está se popularizando e ganhando força no meio da dança e, portanto, observa-se claramente a pluralidade da dança, a qual não se limita a estereótipos pré-formados, mas transcende a forma e expressa-se em pura emoção para além do corpo orgânico.

O homem por si só é característico pela desenvoltura do físico. Portanto, possui uma flexibilidade, resistência e força maior na execução dos movimentos. Sim, eles chegam quebrando com tudo em questão de técnica e você fica com a boca até no chão de pasma (“Como que ele faz isso?!”). Acho que movimentos mais precisos e marcantes, fortes e ousados, aumentam as qualidades natas masculinas, realçando seus atributos. Gosto muito de ver movimentos de hip hop, cambret  e ondulações de barriga nos homens pois acho que é o que eles mais se destacam (e bem melhores que as mulheres #PRONTOFALEI XD).


No tribal, podemos ver o início da apresentação masculina com John Compton, ex-diretor do Habbi’Ru, cujo grupo é uma mistura de dança de várias culturas, acabando não sendo considerado nem folclórico, nem tribal. Depois vemos largamente bailarinos se embrenhando no tribal fusion. A Fusão Tribal é mais aberta, livre,ousada e alternativa, então, aceita e enxerga melhor essa situação.Talvez seja por isso que se veja mais homens no tribal do que na dança do ventre, não só pela receptibilidade, mais pela liberdade em poder se expressar e a grande diversidade de combinações que a dança proporciona.O mais curioso é que agora vemos os homens não só se destacando no tribal fusion, mas chamando a atenção no ATS/ITS! Mostrando que é possível se adequar esta dança a eles sem nenhum problema.



No Brasil, o primeiro bailarino de tribal foi  o Ally Hauff, que também foi um dos primeiro bailarinos a começarem com a dança tribal no nosso país. Até uns dois anos atrás, os homens ainda eram tímidos nesta dança, pois quase não encontrava muitos que dançassem. Porém, no presente momento vemos um boom masculino, o que é bom não só para eles, mas para a dança tribal como um todo, já que demonstra o avanço do tribal no país.


Abaixo estarei listando alguns bailarinos de tribal que tenho conhecimento no exterior e no Brasil.


[EUA]

Arish Lam:

Você sabia?
Arish Lam é o bailarino do DVD Tales of Desire 1.





Bagoas:





Eliran Amar:





Frank Farinaro:


Paige Lawrence:



Sasha:



Steven Eggers:

 


The Uru Tribe:





[FRANÇA]
Illan Riviere:





[INTERNACIONAL]

Você sabia?
Grupo internacional de ATS® "The Sons Of Trimurti" é  composto só por homens. Os membros são: Yuska Lutfi Tuanakotta,em vermelho (Indonésia), Russ Martin, em azul e Rich Williams, em roxo (EUA) Valizan,em dourado (Canadá).

The Sons Of Trimurti:






[MÉXICO]

Kristophe al Tzigani:




[PORTUGAL]

Horus Mozarabe

Você sabia?
 O Horus é brasileiro, de São Paulo, mas mudou-se para Portugal.




[BRASIL]

Alan Keippert (RJ):





Ally Hauff(SP):




Breno Yowdy (MG)




Caio Pinheiro (PE)





Caíque Melo (BA):





Danilo Dannti (PE)



El Cesar(SP):





Guigo Alves (SP):




Hades Tribal Fusion (PE):




Jonathan Lana (MG):




Lukas Oliver (SP):



Luy Romero (SP):



Marcelo Justino(SP):



Satory Brier (MG):




E vocês, o que acham dos homens dançando tribal?
>

Destaque Tribal Abril 2012 pt2: Paula Braz


Lindo conjunto de expressões de Paula Braz, diretora da Cia Shaman (SP). Uma dança mais teatral para apreciarmos. Adorei principalmente a forma como ela  conseguiu transmitir as emoções.

Destaque Tribal Abril 2012: Zoe Jakes


Performance impressionante de Zoe Jakes! A qualidade não está muito boa, mas como achei tão inusitado que resolvi postar mesmo assim. Zoe sempre surpreendendo e chocando conceitos!

Entrevista #5: Kahina Spirit


Nossa primeira entrevistada internacional no blog é a Kahina Spirit, bailarina de Lisboa, Portugal. Conhecida principalmente por suas fusões com metal, gótico e medieval no Youtube, concedeu uma entrevista realmente inspiradora! Compartilhando muito misticismo, ritualismo e magia, próprios da dança oriental.

BLOG: Conte-nos sobre sua trajetória na dança do ventre/tribal;como tudo começou para você?
Recordo-me que o meu primeiro contacto com a Dança Oriental foi em 2000, tinha eu 10 anos de idade. A escola que frequentava tinha organizado uma série de workshops para celebrar a semana das artes e, entre eles, um workshop de Dança Oriental. Foi nesse momento que algo dentro de mim se transformou e que me fez apaixonar por este tipo de arte.

No entanto, só em dezembro de 2004 é que comecei a ter aulas no Espaço Oriental, uma pequena academia de dança, yoga e terapias, situada na zona onde vivo. A minha primeira professora chama-se Alexandra Meira, à qual eu devo toda a minha estrutura da base da dança oriental. Tive vários workshops com ela e outros professores. Mais recentemente fui aluna de Íris Lican.

Tenho explorado imenso a Dança no Antigo Egipto, trazendo para a actualidade a Magia/Arte Milenar do passado. Comecei a dar aulas em 08/09 no Espaço Oriental e actualmente dou aulas no Mahasukha: Espaço de Lazer, Bem-Estar e Cultura do Centro de Estudos Tibetanos e Covil Bar em Almada (2012). Sou criadora do projecto pioneiro Occultis Rerum Naturæ, um projecto de Gothic/Dark/Metal Fusion e do grupo Ignis Fatuus Luna, onde coreografo e visualizo todas as performances em conjunto com minhas companheiras.

Neste momento tenho 8 anos de carreira, feitos em dezembro de 2011, aos quais espero juntar muitos mais. 



BLOG: Quais foram as professoras que mais marcaram no seu aprendizado e por quê?
Sem dúvida a professora que mais me marcou no percurso da Dança Oriental, foi a minha primeira professora: Alexandra Meira. Não só por ter sido a primeira mas também pelo seu profissionalismo, entusiasmo e paixão nas aulas que dava. É uma pessoa excelente que ainda hoje acompanha o meu percurso. Foi ela que me permitiu dar os primeiros passos como professora, no espaço onde eu própria comecei a ter aulas.

Outra professora que me marcou bastante também, foi a Íris Lican, uma bailarina exímia e com imensa sabedoria para partilhar.

Actualmente, tenho professores não muito dirigidos para dança, mas para a espiritualidade. 

Na dança, procuro estar sempre actualizada, participando em inúmeros workshops - quando há dinheiro.

BLOG: Além da dança do ventre você já fez ou faz mais algum tipo de dança? Há quanto tempo?
Sim, já fiz outros tipos de dança: desde danças renascentistas e medievais, salsa e merengue, ginástica acrobática, dança teatral, entre outras.

Há oito anos, dedico-me apenas à Dança Oriental e possíveis variações/fusões.


BLOG: Quais foram suas primeiras inspirações? Quais suas atuais inspirações?
Desde muito pequenina sempre me fascinei pelo Antigo Egipto e seus mistérios, e é, desde sempre uma das grandes inspirações que tenho.

As mulheres que mais me inspiram/inspiraram na Dança Oriental e na vida são a Mata Hari, Rachel Brice, Karina Iman, Susana Valadares, Iris Lican, Zoe Jakes, Samia Gamal e a minha avó, que não era bailarina de corpo, mas de alma.

Inspiram-me também as danças tradicionais e de transe do oriente, com um propósito espiritual e não de artes de espectáculo propriamente.

BLOG: O quê a dança acrescentou em sua vida?
A dança enriquece-me de uma forma que não consigo expressar em palavras. Desde que me conheço que a dança é um refúgio onde posso crescer e tornar-me melhor pessoa. A minha vida nunca foi fácil... e a dança traz-me essa estabilidade e bem estar, que muitas vezes é apenas a dançar que consigo encontrar esse abrigo e concentrar-me nas coisas boas.

Trouxe-me também melhor relação com o meu corpo e bastante saúde. A dança não é apenas uma arte, mas uma forma de exercitar o corpo e a mente de modo a ficarem saudáveis e em equilíbrio com o nosso próprio ser.

BLOG: O quê você mais aprecia nesta arte?
Antes de mais, o facto de ser uma das danças mais antigas do planeta. A linguagem corporal sempre foi uma forma de expressão primitiva e a dança faz parte dessa expressão, é inerente ao Ser Humano.

Depois é toda a magia que transborda, toda aquela revolução interior que se sente enquanto se dança. Sinto que é como se incorporasse o meu Ser despido de máscaras, mostrando e expressando aquilo que realmente é, a cada momento.

BLOG:O quê prejudica a dança do ventre e como melhorar essa situação?
Penso que um dos grandes problemas actuais já não é a vulgaridade e má interpretação da Dança Oriental por parte da sociedade, embora ainda haja muitas arestas a limar.

Os actuais grandes problemas nesta área, passa pela massificação deste tipo de arte, que por variadíssimas razões se encontra no auge. Não é a massificação o real problema, mas sim o que advém dessa massificação. As bailarinas, com mais ou menos anos de carreira, com mais ou menos qualidade de performance, são cada vez mais desvalorizadas e mal pagas por quem contrata. E acredito que isto não seja um problema exclusivo de Portugal. A solução passa pela reestruturação de um código entre as bailarinas, já bastante discutido, mas com poucos ou nenhuns resultados. É preciso que haja uma união verdadeira e forte entre todas as bailarinas.

Mas esta questão traz outro grande problema, que é a errada posição das bailarinas em relação a esta dança e perante as outras bailarinas/estudantes que impede uma real união e confiança. Há uma errada e não saudável postura em não aceitar novas interpretações e fusões, em comparar bailarinas, estilos e músicas, em criticar sem conhecer ou questionar o porquê disto ou daquilo. Muitas vezes deparo-me com comentários a dizer que pareço imenso a Rachel Brice, apenas por fazer bellyrolls; ou que devia sorrir mais porque o sorriso traz "a tal" sensualidade "obrigatória" na dança oriental; ou que devia fazer mais trabalho de chão; ou que não devia fazer fusões quando também faço danças tradicionais... Um universo cheio de "se", de "pareces" e "devias", quando cada bailarina é única e cada olhar sobre ela também é único. Por mais que se encontrem semelhanças e por mais que achemos que deveria de ser de outra forma, a interpretação da dança pertence a bailarina, da forma que ela entender. A sensualidade e o sorriso não são obrigatórios, as mulheres não se sentem sempre lindas e com vontade de sorrir, as mulheres também podem e são violentas, ficam tristes e revoltadas. A dança também se pode tornar mais negra, menos sensual, menos composta e bonitinha correspondente às comuns expectativas.

A solução passa por cada uma de nós, mudarmos a nossa própria postura em relação a estas questões e todas as críticas a que possamos ser sujeitas. Quer se queira quer não, uma opinião é apenas isso - uma opinião, nunca uma verdade absoluta.

BLOG: Você já sofreu preconceitos na dança do ventre ou fusões? Como foi isso?
Já, bastantes. Existem várias pessoas contra as fusões e não entendo bem o porquê, uma vez que nem aquilo que consideramos mais tradicional também teve de sofrer algum tipo de fusão para ser incluído nas artes de performance de palco. E também, como é do conhecimento geral, a dança nunca se manteve estática, sempre se alterou e sofreu mudanças, como tudo. O segundo antes deste nunca vai voltar e nunca será igual, pergunto-me se a dança se consegue manter inalterável? Diria que, é impossível.


BLOG: Houve alguma indignação ou frustração durante seu percurso na dança?
Sim, penso que esse é um ponto que todas as bailarinas passam. Há sempre momentos de desmotivação ou não inspiração. Há sempre momentos de pausa e de retiro, para que possamos renovar-nos. Acredito até que há uma série de fases que quase todas experienciam: entusiasmo inicial, desmotivação, euforia, avalanche de criatividade, falta dela... por aí.

BLOG: E conquistas?Fale um pouco sobre elas.
Imensas. Acho que nunca tive tantas conquistas desde que me iniciei na Dança Oriental.

Inicialmente as minhas conquistas eram simples: como por exemplo, conseguir fazer um oito vertical de dentro para fora com o cóxis encaixado e sem balançar as ancas para os lados, ou manter-me num shimmie sem me cansar e tentar perceber qual era o verdadeiro truque para que este movimento servisse como forma de relaxar. Quando conseguia atingir algum movimento sem falhas, nem que fosse apenas uma vez numa aula inteira, eu chegava em casa a pensar que tinha conquistado meio mundo e o meu dia ficava mais feliz. =)

Depois há as conquistas maiores, como a cura, a descoberta a cada dia de nós mesmos, a paz, o refúgio... 

BLOG: Quando e por que você começou a fazer fusões na dança do ventre?
Não me lembro ao certo quando nem porquê. Acho que foi um impulso natural e interior. Simplesmente ouvia as músicas e o corpo quase que começava com convulsões na cadeira, gritando para dançar. E assim fiz. Levantei-me e dancei.

BLOG: Como as pessoas reagiram com suas fusões com metal, medieval e gótico?Como é a cena alternativa inserida na dança oriental em Portugal?
Eu estava um pouco reticente quanto à reacção das pessoas no início. Fusão de Dança Oriental com o gótico ou metal não é algo que seja explorado, ou falado; aqui só começaram a haver aulas de fusão bastante recentemente, porque até há bem pouco tempo as aulas restrigiam-se ao estilo clássico, folclore, tribal american style, bollywood e pouco mais. 

Mas depois decidi aventurar-me. Há tanto bons e menos bons feedbacks, mas no geral as pessoas apoiam bastante e sentem-se curiosas em relação às fusões de gótico e metal. Começam a entender os paralelismos e a aderem com vontade.

As danças orientais inseridas no medieval, é bastante comum. Portugal é um país com imensa história e ao longo do ano realizam-se imensas feiras medievais que têm bastantes participações de bailarinas, é algo que já está inserido. Quando uma pessoa vai a uma feira medieval sabe que as performances das bailarinas fazem parte do programa das animações e vão ver sempre que podem.


BLOG: Como surgiu a idéia de criar um canal no YouTube para divulgar sua dança, principalmente o seu lado alternativo? Você acha que isso criou oportunidades? Por quê?
Bom, eu era um pouco tímida antes de começar a comentar seja do que for. Quem me incentivou para iniciar esta divulgação mais a nível virtual, incluíndo o YouTube, foi o meu namorado, amigo e companheiro, que a bem dizer me disse: "Deixa-te de merdas" e decidi abrir um canal de YouTube. Ele sempre foi responsável pela parte audiovisual e edição dos vídeos, uma vez que eu não entendo e nem sou muito compatível com tudo o que seja informática, embora tenha algum interesse no que diz respeito à filmagem em si e goste de acompanhar todos os passos de edição e publicação. Como já fazia fusões, bastante antes de abrir um canal no YouTube, apenas foi o passo de filmar e publicar. 

E sim, trouxe-me imensas oportunidades e abriu-me imensas portas que nunca teria posto a hipótese de existirem se não tivesse dado este passo de divulgar de uma forma tão abrangente e tão aberta o meu trabalho. É uma verdadeira honra para mim, receber mensagens e feedbacks de pessoas de todas as partes do planeta, que acompanham o meu trabalho e me apoiam, mesmo a quilômetros de distância. É inspirador todo o carinho que recebo e é uma magnífica oportunidade de melhorar a cada dia o que faço com todo gosto. Ainda tenho imenso para aprender, mas é óptimo ver que o trabalho que faço e valorizado.

BLOG: Vejo que sua dança tem uma óptica poética, envolvida em misticimos, ritualismo, magia, feminilidade;voltados a essência do ser, como algo tribal , e celebração da natureza e da vida , inseridos no medieval, gótico e metal. Conte-nos sobre essa forma de você encarar a dança e o quê contribuiu para você enxergá-la  dessa forma.
Bom, esta é uma pergunta especial que merece igualmente uma resposta especial.

Eu encaro a Dança Oriental não só como uma dança e uma arte, mas também como algo espiritual e que pode contribuir para a minha evolução e evolução dos outros enquanto pessoas.
E entenda-se espiritual não como algo etéreo/abstracto/não definido, mas como algo realmente prático e útil a todos os níveis.

Acredito que o Ser Humano, como ser que comunica através de palavras, gestos e imagens, precisa de ritualizar certas coisas para que as mesmas tenham um sentido mais forte. E o Ritual não é nada de muito transcendente, acho que todos nós ritualizamos o acordar com o abrir dos olhos e o esticar do corpo, ritualizamos o meio dia com o almoço e outras tantas actividades diárias que ritualizamos quase sem darmos conta. A diferença é que há rituais feitos com presença e intenção e outros que são feitos quase automaticamente e sem muita presença. O ritual da dança é estar presente. É estar no momento apenas atento aos movimentos, à brisa que nos passa pela pele, aos sons que nos circundam, a nossa respiração... tudo.

O misticismo também pertence à Natureza Humana, todos nós temos segredos, pensamentos que nunca desvendamos, máscaras... e a dança para mim é como que um virar do avesso; é mostrar toda essa natureza que temos contida. A Dança, se vem do nosso interior, deve vir verdadeiramente. Eu não sou apenas cor, brilho e sorrisos, também sou tristeza, revolta e mistério. É daí que vem essa minha visão acerca da Dança Oriental.

BLOG: Como você encara a fusão entre metal e dança do ventre?
Bem, eu desde há uns bons anos que me sinto muito atraída por variados tipos de metal. A fusão entre a Dança Oriental e o metal, acho que é quase como uma tendência natural. Tal como as bandas de metal provenientes de países do médio oriente têm tendência em misturar sonoridades tradicionais do país e o metal, o mesmo acontece com as bailarinas.

Como eu já tinha ambos os backgrounds, e gosto imenso de ambos, só podia convergir para uma união de ambos. E acredito que muitas das bailarinas que fazem o mesmo tipo de fusão, também é o que sentem. É natural.

BLOG: Qual a sua relação com o gothic bellydance? Como você encara  a cena gótica inserida na dança do ventre?
É quase a mesma resposta que à pergunta anterior. É uma tendência natural quando as pessoas têm ambas as influências.
Se tudo converge a um equílibrio, é natural que uma pessoa com um background gótico e um background na Dança Oriental, tudo converge para que essas duas coisas se misturem e se unam.

BLOG:Como você aplica o medievalismo em sua dança e como você se envolve com o mesmo na dança oriental?Conte-nos sobre sua experiência com danças medievais fora da dança oriental.
Na verdade eu não tive formação de danças medievais, mas sim de danças renascentistas. Mas dá para adaptar sem grandes dificuldades.

Quando fiz danças renascentistas tinha vestidos enormes feitos em veludo, pérolas e rendas; tínhamos saiotes e ceroulas (daquelas que vão até ao joelho); os penteados eram extremamente trabalhados e muito românticos. Todo esse mundo me fascinava. As danças eram muito pensadas, sincronizadas, a pares ou em conjunto.

BLOG: Você acha interessante bailarinas de dança do ventre se apresentarem com bandas de metal, como no caso de bandas como Epica e Therion que têm participações das mesmas com certa freqüência?
Acho que pode ser positivo quando é feito da forma correcta. Mas em geral acho que embeleza os concertos e traz um certo carisma a todo o espectáculo.

BLOG: Como surgiu a oportunidade de você participar com seu grupo de dança no concerto da banda de metal Moonspell, de Portugal? Conte-nos como foi essa experiência de apresentar-se junto com a banda.
Foi curioso. O Fernando Ribeiro, vocalista do Moonspell, foi quem descobriu o meu grupo Ignis Fatuus Luna via internet e  falou com umas quantas referências - pessoas que já tinham tido a experiência de trabalhar conosco - encontrou o meu e-mail e mandou-me uma mensagem a dizer que tinha achado o nosso trabalho muito original e que gostava de nos ter juntamente com eles no seu próximo concerto.
O concerto chamava-se Incrível Halloween - Wolfheart. Nós dançamos a introdução e o meio da música Tenebrarum Oratorium,do álbum Under Satanae. A experiência foi a mais forte até hoje, a nível de nervosismo, feedback e foi muito gratificante no final. Estavam quase 2000 pessoas dentro do espaço do concerto. Estava tanto barulho, as pessoas gritavam tanto, que particularmente estava com medo de não conseguir ouvir a banda no palco. É uma perspectiva única estar em cima do palco. O chão vibrava de tanta energia.


BLOG: Como surgiu o grupo Ignis Fatuus Luna?  Qual o significado nome do mesmo? Qual a filosofia que vocês seguem na dança?
O grupo Ignis Fatuus Luna foi criado por mim após ter tido a ideia de criar um grande projecto de dança. As Ignis Fatuus Luna são um grupo de Dança Oriental, especializado em fusões alternativas, suportado por três bailarinas principais: Kahina Spirit (eu), Soraya Moon e Mary Nemain e tem a participação de várias bailarinas ao longo do percurso; é um grupo que à partida começou por ser apenas uma forma de angariar fundos para o projecto maior, mas que acabou por se consolidar, ter uma estrutura e um nome.



Ignis Fatuus Luna é latim e significa "Fogo Fátuo da Lua". Nós exploramos a essência feminina através da dança, a forma como lidamos com a morte, com a perda, com a raiva, o amor... resumidamente transpomos e transformamos as emoções em dança, o que torna tudo ainda mais mágico.


BLOG: Como surgiu a composição do evento Alquimia Nocturna -  O Corvo e a Coruja?
Este evento surgiu logo após a minha idéia do projecto de dança. Inspirei-me no significado e no poder dos pássaros no Antigo Egipto e utilizei essa simbologia para transpor o que sentia em relação a uma perda muito grande que tive na minha vida.

O corvo tem uma carga masculina, a coruja uma carga feminina - foi como que um explorar o ying e o yang de uma visão pós-perda, vazio, morte e misticismo.

BLOG: Conte-nos sobre seu projeto de espetáculo voltado às fusões com metal e gótica.
O projecto maior, que já tem nome: Occultis Rerum Naturæ (latim) - que significa "A Natureza Oculta das Coisas" - tem como objectivo contar uma história temporal, desde os primórdios da dança até aos dias de hoje e, ao mesmo tempo, uma história de mulheres ao longo desse mesmo tempo durante essa mesma história, de um ponto de vista a desvendar o que, durante anos e anos, ficou guardado no mais íntimo das mulheres - todo o espartilhamento que passaram (e ainda passam). 

De momento este projecto maior está em stand by, devido a falta de espaço para ensaios e também disponibilidade de bailarinas. Penso que para isto andar para a frente é preciso muita responsabilidade, assiduidade mas, acima de tudo, disponibilidade, que não há de momento.

No entanto as Ignis Fatuus Luna continuarão a crescer. Daqui a um tempo espero agarrar neste projecto de novo, com unhas e dentes, pois acho que tem bastante potencial.

BLOG: O quê você mais gosta no tribal fusion?
Principalmente o feeling. Transmite tensão, um género de suspense e encantamento que nos transporta para uma outra realidade.

Os isolamentos lentos misturando depois movimentos/deslocações rápidos/as, é outra das características que me seduz. O contraste de movimentos é apaixonante.

BLOG: Como você descreveria seu estilo?
Hm... Acho que não tenho "um estilo". Vou dançando o que o corpo me manda e consoante aquilo que sinto.

BLOG: Como você se expressa na dança?
De todas as formas que consiga. Penso que ainda tenho muito que aprender; sinto que ainda sou uma iniciada e quanto mais vou aprendendo, mais formas vou tendo para me conseguir expressar.


BLOG: Quais seus projetos para 2012? E mais futuramente?
Não gosto muito de planear muito além. Mas o meu grande objectivo futuramente é abrir um espaço multi- actividades, onde tenha dança, música e espiritualidade. Para este ano, espero apenas evoluir um pouco mais, conseguir formar (ou ajudar) melhores bailarinas, que eu espero conseguir transmitir e dar o melhor de mim, a todos os níveis.

BLOG: Improvisar ou coreografar?E por quê?
Ambos.

Adoro improvisar. Dá-me muita liberdade de enlouquecer e descobrir movimentos que nem conhecia em mim.

Também adoro coreografar, dá-nos uma visão mais estruturada da música e dos movimentos conjugados, mas também nos permite saber mais, tanto sobre a música como sobre nós mesmas, de uma outra forma.

BLOG:  Você trabalha somente com dança?
Não. Actualmente estou também a trabalhar com a fotografia, como modelo. Sou uma curiosa acerca da arte da maquilhagem e desenho. Sou estudante.

BLOG: Deixe um recado para os leitores do blog.
Libertem-se. Não há nada como nos libertarmos, conhecermo-nos cada vez mais a cada dia. Cair na loucura que prendemos cá dentro. Criar e recriar a paixão contida.

Beijinhos e obrigada por esta maravilhosa entrevista,
Ka.

Contato

 E-mail:
 
razikahina@gmail.com

Website:
 

http://kahinaspirit.blogspot.com












Para conhecer mais o trabalho desta bailarina, acesse seu canal no Youtube!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...