Clique na imagem acima para mais informações! Votação até de 25 de fevereiro!

Destaque Tribal Junho 2013:Ego Umbra


 Uma interpretação muito bem elaborada pelas bailarina Raven Ebner e Erin Harper, mostrando a dualidade entre  bem x mal, e a interação entre eles através de rituais de mediação entre o plano terreno e espirito maligno,por meio da dança.

Notícia Tribal: Samantha Emanuel lançará seu primeiro DVD!



 A bailarina Samantha Emanuel (UK), ex-membro do BDSS, lançará dia 01 de agosto seu primeiro dvd instrucional. O dvd vem com dois discos, tendo exercícios para nível iniciante e intermediário, trabalhando elementos de dança contemporânea, ballet, flamenca, indiana e hip hop; há coreografia e performance bônus.

A pré-venda pode ser realizada em seu site:

http://vagabondprincess.bigcartel.com/product/tribal-fusion-belly-dance-a-workshop-companion





Confra o teaser do dvd:

Notícia Tribal: Fat Chance Belly Dance e Jeremiah Soto (Solace)




Participação do Fat Chance Belly Dance, de uma forma bem descontraída, para promoção do novo álbum do Solace, projeto do músico Jeremiah Soto. A música em questão é Anathema.

Confira mais sobre o novo álbum no link abaixo:

http://www.soundsofsolace.com/album_anathema.html

Notícia Tribal: Entrevista com Beats Antique ao Fuse TV


Uma breve entrevista com a banda Beats Antique (EUA), mostrando os bastidores, figurinos de Zoe Jakes, momentos de descontração da banda, trechos de workshop de Zoe, entre outros ;)

Notícia Tribal:Kristine Adams(FCBD) no Brasil!


Em 2013, duas cidades brasileiras estarão recebendo Kristine Adams, membro do Fat Chance Belly Dance (EUA).


Primeiro a bailarina estará em São Paulo,dias 31 de agosto e 01 de setembro, na  Escola Campo das Tribos, realização de Rebeca Piñeiro.


Sua segunda rota é o Rio de Janeiro, dias  13 e 14 de setembro, na Escola de Artes Orientais Asmahan realização de Aline Muhana.


A bailarina também estará ministrando workshops pela América do Sul, na Argentina, Chile e Uruguai.

Notícia Tribal:The ATS® Vocabulary Flowcharts


Fat Chance Belly Dance em conjunto com Project Shimmy lançam The ATS® Vocabulary Flowcharts, uma espécie de catálogo do vocabulário do ATS® em fluxogramas bem ilustrativos.

Mais detalhes:

http://www.fcbd.com/catalog/index.php?main_page=product_info&cPath=78_79&products_id=886

Entrevista #17:Kilma Farias (PARTE2)



 Nossa segunda parte da entrevista com a bailarina de João Pessoa, Paraíba: Kilma Farias! Nossa bailarina conta-nos sobre o desenvolvimento da Caravana Tribal Nordeste,os 10 anos da Cia Lunay através do espetáculo Axial, esclarece o Dark Fusion Brasil,sobre seus projetos atuais e muito mais! Corra e leia para saber ;)
BLOG: O evento Caravana Tribal Nordeste(CTNE), sob direção e produção sua , de Bela Saffe, Cibelle Souza e Aquarius Tribal Fusion (ATF), é um dos eventos que se destaca no país, unindo quatro cidades nordestinas durante o ano. Conte-nos como surgiu a idéia do evento, sua proposta e objetivos, organização e elaboração deste,bem como a repercussão do mesmo para a comunidade tribal quanto para seu público no Nordeste Brasileiro. Vocês tem pretensão em ampliar o alcance dos estados do nordeste que se envolvem com o evento? 
A Caravana veio com tudo em 2010, e o objetivo principal sempre foi difundir e fomentar a pesquisa do Tribal Brasil. Sendo um evento itinerante, a Caravana estava a cada dois meses em uma cidade diferente, entre João Pessoa, Natal, Salvador e Recife. Os eventos continham workshops de tribal, oficinas de danças populares e show.

A ideia surgiu quando estávamos eu e Bela conversando na recepção da Bele Fusco em São Paulo. Na ocasião eu estava ministrando um workshop de Tribal Fusion e antes de começar, troquei uma ideia com a Bela que me contou que também amava as fusões com danças afro-brasileiras. Daí então, pensamos na possibilidade de um festival onde pudéssemos convidar as pessoas a produzirem seus trabalhos nesse contexto. E de muitas conversas surgiu a Caravana Tribal Nordeste. Outro dia, em minha casa, em João Pessoa, a Alê Carvalho, do Aquarius, se propôs a escrever o projeto e daí com ele pronto colocamos em prática. Convidamos a Shaman, que aceitou o convite, e começamos a trabalhar.

O primeiro ano foi dureza porque fomos aprendendo com os erros e, mesmo assim, realizamos 4 edições e uma especial com a presença de Sharon Kihara e Bele Fusco. Também produzimos documentários para que as praticantes de outras regiões do Brasil tomassem conhecimento do que estávamos realizando aqui por essas bandas.

O segundo ano foi bem mais tranquilo, inclusive aqui em João Pessoa, consegui aprovar projeto pelo Fundo Municipal de Cultura (FMC), o que possibilitou pagar excelente cachê a cada professor, ao documentarista, iluminador, arte e divulgação, etc.

Em 2012 tivemos uma mudança. A Shaman se despede da Caravana e passa a realizar o Shaman’s Fest. A Bela Saffe, em Salvador, também passou a trazer convidadas internacionais. Em Recife e João Pessoa continuamos com a mesma proposta de pesquisa do Tribal Brasil e sempre que possível participamos da edição de Salvador, a exemplo da edição com Mira Betz.

Todas as colaborações são muito bem-vindas. Ano passado a Nadja El Balady esteve na edição de Recife ministrando aulas e contribuindo com a pesquisa do Tribal Brasil. Ou seja, basta querer fazer parte :)

Não estamos buscando ampliar, envolver outros estados do Nordeste nem de outras regiões do Brasil. Mas se isso acontecer espontaneamente será muito bom. Em Fortaleza temos parceiras, no Maranhão também, mas não chegaram ainda a proporem sediar uma Caravana. Por enquanto seguimos sem pressa, curtindo os estudos e descobertas do caminho. 
BLOG: O espetáculo Axial, sob direção e produção sua, teve uma boa repercussão no meio da dança, em 2012. Conte-nos o quê a inspirou para a formulação da parte conceitual e do roteiro do espetáculo. Como foi o processo de elaboração das coreografias e figurinos, bem como a repercussão do mesmo?


Quando pensei em Axial, queria trabalhar com essa ideia de que no Tribal Brasil da Lunay o eixo central são nossas danças populares e afro-brasileiras. Ao mesmo tempo, por ser os 10 anos do grupo, queria algo diferente, inovador. Para tanto convidei o professor Guilherme Schulze da UFPB, PHD em Estudos da Dança, para trabalhar conosco. A vida nos traz doces surpresas. E para minha surpresa, ele aceitou. A linha de pesquisa de Guilherme está centrada em Laban. Ele iniciou conosco o estudo dos Fatores de Movimento e todo o corpo da Lunay foi se trabalhando de uma maneira nova. Paralelamente, as oficinas de danças populares e dos Orixás acontecia para nos dar matéria-prima para a construção. Abordamos Iansã, tempestade, jongo, zumbi de palmares, rainha Nzinga, o maracatu, a capoeira, as danças afro e o próprio Tribal Brasil.

O figurino é sempre uma tarefa para Jaqueline Lima, que pesquisa e estuda cada influência do que estamos nos propondo a falar sobre e transforma em arte.

BLOG: Como surgiu o estilo Dark Fusion Brasil?A união entre a fusão obscura e introspectiva do dark fusion com o dinamismo e alegria festiva das danças populares brasileiras que, aparentemente parecem ser antagonistas?Estas danças podem coexistir de forma harmoniosa? Como alcançar tal equilíbrio? Sob sua óptica, o quê é dark fusion?

É que nem toda dança popular ou afro é festiva e alegre. Existem muitas danças ritualísticas, sombrias, que se assemelham ao estilo Dark: torés, juremas, danças de cura, de incorporação, até a capoeira pode trazer um ar sombrio.

A primeira vez que parei pra pensar nisso foi quando Ariellah me viu dançar na Flórida e disse: “Nossa! Você trabalha o Dark muito bem!!”. E no meu entendimento aquilo que apresentei não era dark, era Tribal Brasil. Foi quando passei a investigar as intenções do corpo que dança e facilmente percebi que há espaço para celebrar, chorar, sonhar, odiar, amar.Ttudo vai depender da proposta. Numa tentativa de diferenciar, trouxemos o termo Dark Fusion Brasil. São as “sombras” brasileiras retratadas à luz do Tribal.


Como exemplo cito essa coreografia “Fio do Tempo”, onde as 3 parcas que tecem o fio da vida são traduzidas pela poesia de Clarice Lispector num jeitinho bem Dark Fusion Brasil:


BLOG: Você é uma das bailarinas do corpo inicial de tribaldancerse coreógrafa da Cia Dancers South America(DSA),formado em 2010, dirigida por Adriana Bele Fusco. Como surgiu a oportunidade de fazer parte do DSA ? Comente como foi coreografar um grupo tão amplo e diversificado como este. Qual é o processo de criação para as coreografias de Tribal Brasil neste grupo ?
Coreografei até 2011, desde então não estou mais no DSA. Foi uma experiência maravilhosa onde pude lidar com diversas profissionais do nosso país e da América Latina. O convite veio em 2009 da Adriana Bele Fusco, pessoa muito querida por quem tenho muito respeito e carinho. Após o evento Tribal y Fusion em São Paulo, ela me convidou para coreografar o grupo que então surgia. Eu indiquei cada participante da equipe de Tribal e me dediquei a coreografar, juntamente com Mariana Quadros.
Tivemos lá nossas dificuldades justamente por estarmos trabalhando com personalidades tão diferentes; com sonhos e necessidades tão diferentes; estilos de dança diferentes. Mas acredito que tenhamos feito um bom trabalho juntas, pois todas se doaram bastante.

As minhas coreografias eram feitas no meu Studio, filmadas e enviados os links e arquivos por e-mail. As integrantes estudavam, se filmavam e me enviavam de volta. Eu ia orientando e a coisa ia tomando forma. Ao final do processo, ficamos 20 dias concentradas na Bele Fusco para os últimos ajustes.

BLOG: Em 2010 ,você participou do evento internacional Spirit of theTribes, na Flórida, nos Estados Unidos. Conte-nos como surgiu a oportunidade para dançar lá e qual foi a experiência em levar sua dança no país berço do Tribal e um dos principais eventos de lá.Qual retorno e repercussão você teve pelo público norte-americano? Quais aprendizados e/ou vivências você adquiriu dançando, lecionando e estudando nos EUA?
O convite veio pela produtora Maja Nile, onde ela enviou uma carta convite para que eu participasse do evento levando o estilo Tribal Brasil, no qual ela havia se encantado. Na ocasião, o convite tinha sido para mim e João Cassiano, para que nós pudéssemos também abordar os ritmos brasileiros e nossa pesquisa comparativa de Ritmos do Oriente Médio e Afro-Brasileiros. Porém, o Cassiano não podia ir, pois tinha outra agenda, mas eu aceitei o desafio. Foi nessa época que comecei a estudar pandeiro, pela necessidade de demonstrar cada ritmo aos alunos do evento.

A experiência foi nova e maravilhosa. Dividi o quarto com a Nanda Najla, que já estava indo ao evento pelo segundo ano, e pudemos compartilhar nossos estudos de modo intenso. Lá, tive a oportunidade de ministrar duas aulas de Tribal Brasil: uma focada nos ritmos afro-brasileiros e outra no estudo de uma coreografia no estilo. Foi uma alegria muito grande ter tido a Anasma em uma das aulas, se mostrando tão interessada sobre o Tribal Brasil. Sabe aquele momento onde você pára tudo e pensa: “Nossa! Essa profissional que admiro tanto está aqui em minha sala de aula, querendo saber da minha proposta de movimento, sobre mim!! É sonho?”.


Fiz muitos amigos, inclusive brasileiros que moram lá há certo tempo trabalhando com dança.E também tive a oportunidade de fazer aulas com diversos profissionais, a exemplo de Unmata, Tjarda, Ariellah, a própria Anasma, Aepril Schaile, a grande mestra Dalia Carella, Megah Gavin e o saudoso e inesquecível John Compton. Os shows também foram inesquecíveis. Dancei no palco principal os três dias de show. Na primeira noite, ao som ao vivo da banda californiana Danyavaad:



E nas noites que se seguiram, no Show de Gala com solo de Tribal Brasil, e um duo com a amiga Bela
Saffe. No último dia, fui convidada para ser jurada da mostra competitiva, uma honra! As after parties, os bastidores, as aulas, os passeios, o palco, as pessoas – foi tudo perfeito!

Voltando ao Brasil, claro que o retorno foi o esperado: muitos convites para ministrar aulas e repassar as “novidades” trazidas na bagagem. Eternamente grata a Maja pelo convite.

BLOG: Como surgiu a oportunidade de ser colunista da Revista Nacional Shimmie e da internacional Fuse Magazine? Como você seleciona os temas a serem abordados em ambas revistas e  os desenvolve? Há diferença de público entre elas? Caso ocorra isso, sua linguagem, temas a serem abordados, enfoques e objetivos dos artigos mudam de um veículo de informação para outro?
A Shimmie lançou em 2011 um concurso de redação, participei e ganhei. Foi concurso público mesmo. Muitas vezes o tema nos é dado, outras vezes sugerimos. O público da Shimmie é mais focado na dança do ventre, apesar de estarmos falando em maioria para quem simpatiza e entende o Tribal, mas ainda é um público leitor a cativar.

Já com a Fuse, a editoria da revista tinha meu contato, pois em 2010 eu dei uma entrevista para a Yallah Magazine (EUA), que assim como a Shimmie, é uma revista de Ventre que abre espaço também para o Tribal. Daí entraram em contato perguntando do interesse em escrever sobre um panorama da Dança Tribal no Brasil e claro que aceitei. A diferença é que o público da Fuse é totalmente voltado para o Tribal. A linguagem muda, claro. Pois já não há a necessidade de explicar nomenclaturas, estilos, uma vez que o público dessa última já vivencia o Tribal.

BLOG: Em 2012, você lança seu segundo DVD didático de Tribal Fusion e Brasil, através da Revista Shimmie e seu projeto Ventreoteca, que possui outros títulos com bailarinas renomadas da dança do ventre nacional.Contudo, este não foi seu primeiro DVD didático, o qual fora lançado em 2009. Há diferenças entre um e outro?Quais?Como foi fazer parte do projeto Ventreoteca? Você acha que a introdução de um DVD de tribal, que ainda é minoria dentre os de ventre nacionais, pode possibilitar uma abertura para que outros DVD’s de tribal sejam produzidos pela revista, até mesmo com outras bailarinas de tribal do país? Seria um sonho muito distante termos um Box da Ventreoteca somente de tribal ou um DVD performático só de tribal com nossas bailarinas brasileiras?
Há muita diferença entre os dois DVDs didáticos. O primeiro, de 2009, Tribal Fusion com Kilma Farias,

que teve a participação ao vivo do DJ Chico Correa e do percussionista João Cassiano, foi resultado das minhas primeiras formatações de técnicas do popping para o Tribal Fusion, também dediquei alguns minutos para trabalhar o Tribal Brasil nele. O Tribal: Brasil &Fusion, da Ventreoteca Shimmie, marca o início da sistematização do método de improviso coordenado no Tribal Brasil. Nele também abordo o estudo do espaço em relação ao bailarino, dos planos e níveis. Esse entendimento é resultado dos estudos do método Laban aplicados ao Tribal Fusion que vem sendo desenvolvido desde 2011 como resultado das aulas que tenho participado a partir de então com Guilherme Schulze (UFPB).



Achei muito importante sim essa conquista do Tribal, através dessa oportunidade oferecida pela Shimmie e acredito que, através dela, muitas bellydancers passarão a conhecer o Tribal, ou a melhor entendê-lo e, porque não, praticá-lo.

Aprendi ao longo do tempo que tudo na vida é possível. Por que não um projeto da Shimmie especialmente voltado para o Tribal? Elas já demonstraram que têm um respeito imenso e um carinho enorme pelo estilo. Já tivemos até uma edição Especial Tribal da revista!


BLOG: Apesar de estar cada vez mais se consolidando e ganhando força, a dança tribal ainda é recente no universo da Dança no país. Como a dança tribal está ganhando espaço na cena acadêmica? E o quê você considera importante ainda ser trabalhado no âmbito acadêmico para a dança ser mais valoriza e reconhecida?
Com certeza é crescente o número de trabalhos acadêmicos tendo como tema o Tribal. Acredito que justamente por ser uma expressão cultural recente, de vanguarda. Em média, por mês, duas ou três pessoas entram em contato comigo para entrevista, pedindo que eu fale algo sobre o surgimento do tribal aqui no Brasil, ou na cena internacional, ou nos fundamentos do estilo, ou ainda sobre o Tribal Brasil. Aqui em João Pessoa já presenciei diversos TCC’s e trabalhos acadêmicos sobre o Tribal; alunas como Thâmara Roque, Andréa Gisele, Isabela Almeida, Mônica Letícia, entre outras. E recentemente o professor Guilherme Schulze apresentou uma comunicação na ANDA em Salvador com o tema “Hibridançando”, sobre o Tribal. Além de que no ContemDança, grupo de estudo sobre videodança do NEPCênico-UFPB, já produzimos duas videodanças tendo o Tribal Brasil como tema. Uma delas, Lua Nova, foi selecionada para o Dança em Foco de 2013; ainda estamos comemorando.

Acredito que quanto mais se discuta o Tribal no meio acadêmico, mais se fortaleça o estilo e mais se difunda também. Acredito que estudos comparativos de outras técnicas e estilos de dança com o Tribal Fusion seja um bom tema a ser desenvolvido, assim como a análise de coreografias, visando identificar os elementos contidos na fusão.

BLOG: O quê você mais gosta no tribal fusion?
 A possibilidade de reinventar o estilo a cada novo trabalho. Poder adentrar em técnicas diversas para gerar o novo. A pesquisa, a experimentação, a construção. Perceber que não há fim em si mesmo, que quanto mais produzimos, mais descobrimos novos rumos. As fusões tribais são apaixonantes, múltiplas. Isso me pegou desde o primeiro instante.


BLOG: O quê você acha que falta à comunidade tribal?
 Para alguns que moram longe dos grandes centros urbanos, falta professores e praticantes para trocar informação. Para isso existe a internet e hoje até grandes bailarinas como Rachel Brice oferecem aulas online.

Faltam lojas especializadas na cultura Tribal, mas para isso existem os ateliês virtuais que fazem figurinos por encomendas. Também podemos encontrar figurinos a preços maravilhosos no eBay.

Muitas vezes falta respeito e tolerância entre membros da comunidade tribal, mas infelizmente isso acontece em todo meio social. Contra isso existe a união sincera entre profissionais que se respeitam e que se alegram com a conquista do outro porque estão vacinados contra a inveja que destrói; se alegram imensamente com a conquista do estilo Tribal através da profissional A, B ou C. E que essa postura acabe por contaminar a todos, gerando lindos frutos.

Como já deu pra perceber, em minha opinião não falta nada. Tudo é possível para aquele que quer.

BLOG: Como você descreveria seu estilo?
O estilo que mais pesquiso é o Tribal Brasil, justamente por entender que seja uma contribuição mais valiosa dentro do que posso proporcionar, por aliar meu trabalho anterior com danças populares e afro-brasileiras. Isso aplicado à Lunay.

Meu estilo solo é múltiplo, vai desde o dark fusion ao vintage; e ultimamente tenho estudado bastante o Tribal Contemporâneo. Ou simplesmente deixar a dança acontecer sem me preocupar em definir estilos. A expressão, a intensão e o sentimento são o estilo.
 
BLOG: Como você se expressa na dança?
Utilizando a técnica anteriormente aprendida para expressar minha emoção, ideia ou conceito. E assim vou pintando essa tela em 3D, equilibrando cada movimento, pontuando, traçando linhas e me divertindo com tudo isso. Assim, busco materializar minha verdade dentro de determinado tema abordado, aliando técnica e emoção.

BLOG: Quais seus projetos para 2013? E mais futuramente? 
O grande projeto desse ano é o SIX, da Shimmie. Poder estar entre uma das seis maiores expressões do bellydance da atualidade é um reconhecimento sem igual. E tem sido um sonho trabalhar com uma equipe tão profissional, de produção, músicos e colegas de palco. Teremos uma visibilidade maravilhosa para o Tribal que ainda não posso contar em detalhes.


Paralelamente escrevo meu livro “Tribal Brasil: Identidade no corpo” e participo de dois cursos de extensão na UFPB enquanto as aulas de licenciatura em Dança não iniciam. São eles: Técnicas da Dança e Composição Coreográfica; e vídeodança.

BLOG: Improvisar ou coreografar?E por quê?
Os dois!Coreografar é maravilhoso, inclusive didaticamente, pois aprimora os fazeres do corpo, limpa a técnica. Improvisar é uma descoberta de nós mesmos. Quantos gestos maravilhosos surgem do improviso, além de que nos deixam à vontade para curtir o melhor da dança. Sempre que possível, mesmo coreografando, deixo espaços para um bom improviso dentro do solo.

No Tribal Brasil, desenvolvemos o improviso coordenado e passamos a absorver o improviso como técnica para dançarmos em grupo.

As duas técnicas são complementares e devem ser praticadas diariamente.

BLOG:  Você trabalha somente com dança?
Hoje sim. Posso dizer que a dança me escolheu para servi-la. Se escrevo, é sobre dança. Se pesquiso, é sobre dança. Se busco estudar algo novo, é dentro do universo da dança, do movimento, da arte. Vejo dança em tudo: num filme de ação, numa paisagem, em um sorriso, nos movimentos de um bebê, nos carros, nas luzes da cidade. Até a afetividade, para mim, é uma dança. Você se entrega ao outro, se retrai, ri, chora, e tudo isso compõe uma belíssima dança.

Claro que também sou produtora cultural, secretária, diretora da minha escola, faxineira. Mas isso tem um único propósito: proporcionar organização para que a dança aconteça.

BLOG: Deixe um recado para os leitores do blog.
Dance, não como se fosse o seu último gesto no mundo, mas como se fosse sempre o primeiro. Buscando descobrir um caminho novo para o braço, para o quadril, escutando o que vem de dentro, percebendo suas reais possibilidades e transformando tudo isso em comunicação. Sinta com todo o corpo; sinta com os pés, com os seios, com as costas, com os cabelos e deixe que cada parte comunique ao todo sua verdade. A dança que me emociona é aquela que transcende a estética, transcende a matéria, porque começa primeiro na nossa alma. E esta, por sua vez, se comunica com o mundo exterior através do corpo que se utiliza, ou não, da técnica. Dancemos a vida!


Contato 
Tel/cel: (83)8814-3502
E-mail kilmita@gmail.com

Website:

 http://cialunay.blogspot.com 
http://kilmita.wix.com/studiolunay





Para conhecer mais o trabalho desta bailarina, acesse seu canal no Youtube!

Notícia Tribal: Entrevista com Nadja El Balady no Blog Nilza Leão





Entrevista com Nadja El Balady (RJ) ao Blog  da bailarina Nilza Leão esclarecendo alguns conceitos básicos sobre o estilo tribal , com o enfoque principal na sua base, o ATS®. Uma entrevista muito bem embasada e rica em argumentos. Vale a pena conferir!!

Notícia Tribal: Mini Documentário sobre Rachel Brice



Pequeno documentário em inglês sobre a carreira e rotina de Rachel Brice. Também é uma divulgação de sua participação no Belly Dance China Conference.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...