Clique na imagem acima para mais informações! Votação até de 25 de fevereiro!

O efeito da 2ª Guerra Mundial sobre a moda dos anos 40

por Dayana Silveira

 Os anos 40 foram anos difíceis, marcados por vários fatos históricos importantes que influenciaram a moda, a arte e a sociedade em geral.

Foram anos de muito sofrimento, marcados pela 2ª Guerra Mundial, pelo horror do holocausto e também pela Guerra Fria que viria acontecer mais para frente.

O marco inicial da 2ª Guerra Mundial aconteceu em 1939, com a invasão da Alemanha à Polônia. A Alemanha nazista almejava a “ zona do corredor polonês” e do porto de Danzig, pois Hitler havia perdido poder de seus territórios ultramarítimos e não concordava com a nova delimitação do leste do país imposta pelo Tratado de Versalhes. Porém, A Inglaterra e a França  se aliaram, declarando guerra a Alemanha e seus aliados.

Nessa época a moda teria tido um racionamento de matéria-prima (alguns materiais estéticos eram usados na fabricação de armamentos e sem falar que nem todo mundo poderia gastar dinheiro com tecidos caros) e por consequência disso, as roupas ficaram mais simples.

Muitas maisons parisienses fecharam por conta da pressão Alemã, outras se instalaram em outros países . A Alemanha queria enfraquecer o comércio da França( que era um dos países Aliados), todavia, graças ao presidente da Câmara,  Lucien Lelong, também estilista que lutou pelo direito da permanência da indústria de roupas parisiense, permaneceram muitos ateliês em funcionamento no país.

A escassez de tecidos, fizeram com que as mulheres substituíssem tecidos caros por alternativas mais baratas, tanto que nãos e viam no mercado meias finas de naillon, de certa forma as mulheres não usavam meias para esconder as pernas e se usavam era a soquete.

O corte das peças eram reto, nos ombros haviam um certo volume, as saias iam até ou abaixo do joelho, podiam ser retas ou franzidas, geralmente vinham com dois bolsos grandes laterais, nessa época as mulheres também usavam calças. Era um estilo masculino e militar.


Os cabelos das mulheres eram soltos ou presos por algum grampo com cachos, até porque não tinham o luxo de gastar dinheiro ou encontrar cabelereiros. Mas, as mulheres da época usam muitos chapéus, talvez para suprir a necessidade de sua vaidade, ferida pela simplicidade.



 Os Estados Unidos lideraram as vendas do que chamamos de “ready-to-wear”, mais conhecido pelos franceses como  “prêt- à –porter ( roupas a pronta entrega e com qualidade), aproveitando o hiato dos grandes ateliês de Paris e enfraquecendo a venda de roupas sob medida, até porque as pessoas viam as roupas no catálogo( já que elas já tinham um padrão de tamanho), faziam a encomenda e tinham preços mais acessíveis. Sem mencionar que as fábricas produziam em grande escala, enquanto um artesão demorava para confeccionar uma única peça.



 A mulher nessa época trabalhava em fábricas, enquanto seus maridos estavam na guerra. E como incentivo ao trabalho, houve a campanha “We Can Do It”, onde a mulher era retratada em propagandas como capaz de fazer qualquer serviço, inclusive os dos homens.

 A mulher já não era mais vista como frágil, sensível, não era mais vista somente a dona do lar, mãe. Agora, ela era vista como capaz de aquentar serviços pesados a longa jornada, gerando sentimento de liberdade e igualdade de gêneros, iniciando o Feminismo.

No fim da guerra, finalmente as maisons parisienses puderam voltar a todo vapor  e o esbaldar de luxo voltou bater na porta de compradoras consumistas perfumadas pelo Chanel nº5. 



Em 27 de março de 1945, os grandes estilistas parisienses fizeram uma grande exposição de bonecas de porcelana, vestidas com trajes luxuosos, a fim de juntar capital para confecção de suas obras primas, dando origem mais a frente ao New Look do Dior.



Como podemos perceber, muito do que aconteceu nessa época reflete na moda dos nossos tempos atuais. As grandes indústrias simplificaram as peças, produzindo produtos com qualidade mediana e cobrando um preço “acessível” à grande massa, enriquecendo no mercado da moda.

A mulher passou a ter mais autonomia e liberdade para tomar suas próprias decisões, embora ainda vemos em pleno século XXI pessoas completamente ultrapassadas e que reproduzem o machismo naturalmente.


Espero que tenham gostado  do tema abordado e do jeito a qual me expressei, particularmente sou apaixonada pela década de 40 .









Steam Clockwork
_______________________________________
Itaboraí, RJ

Introdução ao World Fusion

por Geisiane de Araújo

World music é uma categoria musical que abrange muitos estilos diferentes de músicas de todo o mundo, incluindo a música tradicional e música neotraditional, onde mais de uma tradição cultural se misturam.

A natureza inclusiva da música mundial e a flexibilidade com categoria musical colocam obstáculos a uma definição universal, mas sua ética de interesse culturalmente exótica é encapsulado na descrição da revista Roots do gênero como "música local de lá para fora".
O termo se originou no final do século 20 como uma categoria de marketing e classificação acadêmica para a música tradicional não-ocidental. A globalização tem facilitado a expansão do público de música no mundo. Este estilo tem crescido para incluir sub-gêneros híbridos como World Fusion, Global Fusion, Ethnic Fusion e Worldbeat.

Existem várias definições conflitantes para a música mundial. Uma delas é que ele consiste em " todas as músicas do mundo" , embora uma definição tão ampla, torna a palavra praticamente sem sentido. O termo também é tido como uma classificação de música que combina estilos de música popular ocidental com um de muitos gêneros de música não-ocidental , que também são descritos como músicas folclóricas ou músicas étnicas . No entanto, a música no mundo não é música popular exclusivamente tradicional;pode incluir estilos de música pop também. Sucintamente , pode ser descrito como " música local de lá para fora ". É um termo muito nebuloso, com um número crescente de gêneros que se enquadram sob este estilo de música no mundo para captar as tendências musicais deste estilo e textura étnica combinado e incluindo os elementos ocidentais.

Tribal Fusion

A "Música Tribal Fusion" evoluiu com a colaboração dos gêneros musicas Eletrônica e de World Music . Os primeiros DJs que contribuíram foram: Cheb i Sabbah e Bassnectar .
A "Música Tribal Fusion" foi produzido especificamente para as bellydancers (Dançarinas de Dança do Ventre), também chamado de música asiática, dando origem à criação do gênero Oriental eletrônica . 

O artista Jeremias Soto do Solace e Eventide Musical Productions produziu alguns dos primeiros álbuns de Electronica orientais, rapidamente seguido por Turbo Tabla artista Karim Nagi, e campeão de beatboxing Pete Lista. 

Muitos mais nomes seguiram, criando uma saída musical que cresce rapidamente para se formar novos gêneros de dança. 

O produtor Miles Copland contribuiu muito para que o movimento oriental eletrônico gerasse vários músicos e dançarinos que se tornariam precursores do Movimento Tribal Fusion.

Sub-Gêneros

O Tribal Fusion e seus outros gêneros são descendentes do American Tribal Style (ATS), enquanto Dark Fusion existe entre Tribal Fusion e Gothic Bellydance .

Alguns dos gêneros do Tribal Fusion atualmente são: vaudeville bellydance,  burlesque fusion bellydance,  gothic fusion bellydance, ballet bellydance, folk dance, world fusion, theatrical bellydance, steampunk bellydance, industrial bellydance, hip-hop/jazz dance fusion, entre outros.

Os gêneros formados do Tribal Fusion são de infinitas possibilidades, pois é um estilo de fácil combinação entre danças e musicas de um modo geral.






Aguardem!
O próximo post, já teremos músicas e álbuns para download.




Desvendando o Tulle-bi-Telli

por Anamaria & Surrendra


Conhecido também como assuit devido ao local de sua fabricação, este tecido feito de linho, algodão e pedacinhos de metal é muito apreciado no mundo da moda e, é claro, no nosso querido mundo Tribal.


O bordado com fios de metal é uma forma antiga de ornamentação e pode ser encontrada no Oriente Médio, Bálcans, Índia, China, Japão e algumas partes da Europa. Atualmente é um produto de exportação da Índia, com grande aceitação por seu feitio industrializado tê-lo tornado mais acessível. Porém, em tempos anteriores, no Egito, era um produto único, acessível apenas a quem pudesse pagar pela exclusividade.



A invenção da máquina de tecer em Tulle, França, fez a popularidade deste tecido, conhecido agora como tulle, alavancar  e durante a presença francesa no Egito, a região de Assuit foi escolhida por ser mais propícia para desenvolver este tipo de produção.



Em 1893, o Orientalismo nos Estados Unidos era muito popular e a “dança do ventre” (e os produtos orientais como o assuit) foi apresentada ao público americano,  na Chicago World Fair.



O assuit tem sido usado desde então em produções hollywoodianas, como figurino em musicais, como turbantes na moda hype, em vestidos de casamento e como tecido de decoração.



Retalhos de assuits antigos vendidos no Ebay custam várias dezenas de dólares hoje em dia.



Na dança, vemos o assuit sendo usado há décadas e ele ganhou maoir visibilidade ao se tornar marca da trupe Bal Anat de Jamila Slimpourm, no fim da década de 60, quando esta levou o assuit aos palcos das feiras da Renascença. Os bailarinos se tonaram famosos por usar sempre este tecido em seus figurinos, ganhando uma aura exótica, romantizada e elegante, entretendo os visitantes com um show fascinante.



Devido ao seu charme, o assuit também ganhou os palcos do tribal fusion, agora adornando tops, cintos, tiaras ou pendendo nos quadris das bailarinas e bailarinos que decidiram investir neste glamour exótico.







Assuit na Moda

Vogue

Coleçao Jean Paul Gaultier primavera 2013

Marie Bishara

Marie Bishara Winter 2011

Jean Paul Gaultier

Etro Spring 2014 - Milan


Assuit na TV, cinema e artistas




Série britânica House of Eliot

Nina Dobrev vestindo Versace

Morgana da série Merlin

Lenny Kravitz vestindo Assuit no CMT Music Awards
Barbra Streissen no filme Nasce uma Estrela

Elizabeth Taylor


Assuit e a dança
 
Fifi Abdo

Nagwa Fouad

Jamila Salimpour

Habi'ru
Suhaila Salimpour


Kami Liddle

Ariellah

Rachel Brice

Sonia Ochoa









Estilo Tribal Ser
_______________________________________
Belo Horizonte/Divinópolis,MG


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...