Como os pés podem influenciar na dança?

por Thalita Menezes

Acredita-se que o surgimento da dança, se deu ainda na Pré-História, quando os homens batiam os pés no chão. Com o passar do tempo, foram dando mais intensidade aos sons, descobrindo que seriam capazes de criar outros ritmos, conciliando os passos com as mãos, através das palmas.


“Alguns autores até mais precisos, diziam que as mulheres dançavam para obter maior fecundidade e que elas executavam uma dança em ritmo binário, com o tempo forte sobre o pé esquerdo...” – Extraído do livro História da dança no ociedente, Paul Borcier.

A Dança (1910). Henri Matisse
No último post relatei sobre a importância de o bailarino conhecer o corpo humano para potencializar a técnica de sua dança, evitar/amenizar lesões e expressar os gestos com mais verdade e criatividade. Ainda na mesma ideia foquei em apresentar um estudo anatômico dos  pés e suas possibilidades de movimento. Com base nisso, venho reforçar este componente tão importante para nosso equilíbrio numa temática mais subjetiva. Afinal, o que os pés podem expressar?

Você já parou para pensar na importância dos pés em nossa vida? São eles quem sustentam todo o nosso corpo e representam muito mais do que a habilidade de caminhar. Algumas pessoas, por exemplo, acreditam que eles representam a linha da vida de cada indivíduo. 

calcanhar > passado | planta (arco) > presente | dedos > futuro

“Quando o homem pisa no chão, da maneira que o faz, já diz quem é.” (Maíra Viana, extraído do blog Vergonha dos pés). A relação dos pés com o corpo mostra a personalidade da pessoa: pés para fora, peito aberto, nariz empinado, autoritarismo; pés para dentro, peito fechado, timidez, aquele que se faz vítima; pés retos/paralelos, corpo aprumado, equilibrado.


Os pés muitas vezes também são negligenciados, esquecidos. Com algumas exceções - incluindo aqueles que trabalham o corpo de forma inteira, a exemplo dos bailarinos, porém mesmo exercitando o corpo de maneira uniforme nem sempre os bailarinos atentam-se em perceber o que acontece com os pés a cada movimento realizado por eles ou por outras regiões do corpo.

Sentir o alinhamento dos pés aos joelhos e ao quadril requer sua inteira conscientização corporal. No início das aulas de dança, massagear os pés, pode-se tornar um bom recurso para acordar e mobilizar todo o corpo para os demais exercícios técnicos. A partir daí é possível compreender melhor os encaixes das articulações e diferentes possibilidades de movimentação antes não percebida. Quanto maior o número de movimentos, maiores serão as imagens físicas e as significações ligadas ao movimento (ARTAUD, 2006, P. 145). 


Originalmente, ao menos no Egito, a Dança do Ventre era dançada descalça e os pés da bailarina tinha uma forte simbologia, pois eles representavam acima de tudo o contato com a terra. Além de ponto de apoio e equilíbrio do ser, muitos consideraram os pés um forte símbolo do ser feminino e da força da alma, por ser ele o suporte do corpo na posição vertical.


Ao longo dos anos, estas marcas foram se esvaindo e a preocupação atual passou a ser na estética e conforto dos pés na hora de dançar para centenas de pessoas assistirem. Cuidar dos pés é importante sim, principalmente se irá exibi-los para outras pessoas e almeja longevidade em sua dança. Porém, muitas vezes nem se percebe que ao dançar descalço na Dança do Ventre e Tribal tem-se uma grande oportunidade de usufruir sensações reais de textura e temperatura diretamente nos pés, podendo influenciar na qualidade de movimentos de várias outras articulações. 


Os pés são a parte do corpo que toca primeiro no solo, atuando como principal intermediador do nosso ser com o espaço que dançamos. Do solo eles recebem energia, transferem massa para pontos mais convenientes, absorvem impactos, ditam o ritmo e a direção do caminhar.

Desta forma, explorando o espaço, conhecendo nossos pés e reconhecendo as marcas históricas presentes neles, podemos receber diferentes estímulos e resignificar todo nosso trabalho corporal na dança, colocando em forma de movimentos a poesia que existe em lugares e momentos não antes percebidos. A essência dessas vivências prioriza o respeito pelo próprio corpo, o bem-estar, o prazer em sentir cada sentido.


Fontes:
Livro: “História da Dança no Ocidente”. Paul Bourcier




Consciência Musical

por Raphael Lopes
Orquesta de música odissi: Packawaj (percussão), Violino, Manjiras (snujs),  sítar, vocal e harmonium
Olá queridos leitores da minha coluna!!!

É sempre um desafio escolher a dedo um assunto que seja novo e útil ao público, propondo acima de tudo uma reflexão maior por parte de cada profissional da dança ao invés de apontar regras fixas.

Escrever para um blog é como falar para uma audiência de atentos amigos, e essa oportunidade não pode ser desperdiçada com assuntos pueris ou repetitivos. É preciso ser enfático já que essa é uma ferramenta de contato direto com a galera que está produzindo arte.

O tema que decidi abordar com vocês esse mês é sobre o uso e edição de músicas, e sobre a visibilidade que é dado ao processo de escolha e finalização da mesma.

Dançar é uma arte por si só, mas não é uma arte isolada. Por vir de uma base shástrica (Shastra = Tratados Hindus), gosto de usar as referências encontradas nas artes cênicas indianas para organizar o meu próprio entendimento da dança. Para os indianos uma apresentação artística está enraizada em quatro pilares centrais:


Raphael Lopes em performance enlevado pela música


1 - Corpo 

Técnica de expressão corporal, por meio da inteligência motora em expressar o ritmo com suavidade e vigor, isolando as diversas unidades de movimento, ao mesmo tempo em que as une em sua orquestra de possibilidades de movimento conjuntos;

2 - Ornamentação

Maquiagem, figurinos, e elementos cênicos que enfatizem os movimentos, revista o bailarino com as personagens ou até mesmo permita uma total desidentificação do bailarino com o seu eu ordinário, fundindo-o com as narrativas dançadas em cena;

3 - Música 

A música indiana é a tradução exata do movimento em forma de som, de modo que estruturalmente a dança seja em si uma manifestação clara do ritmo elaborado pela música. As músicas indianas - as Ragas - são reproduções melódicas dos padrões vibratórios do universo, de modo que cada composição seja uma tentativa de reproduzir no espaço cênico a energia que inspirou a música e o artista, provocando assim um impacto energético sobre a platéia.

4 - Emoção

Que é a capacidade artística do bailarino interpretar e, acima de tudo, compartilhar o que "sente" no palco com a sua platéia. A performance artística não pode ser reduzida numa exposição supérflua de movimentos, muitas vezes sem a ornamentação e música apropriadas, pois a finalidade dessa experiência deve ser a elevação da consciência de ambos - bailarino e expectador.



Vamos nos ater a música.

É quase indissociável a música da dança, de modo que praticamente 95% dos bailarinos pensem sua arte já delimitado pela música, ou então, busque adaptar seu trabalho "pronto" numa música que permita certo encaixe de movimentos e ritmos, ao mesmo tempo em que agrade o gosto peculiar do artista. Até ai não há nenhum problema...

Existe um costume interessante nas apresentações de dança indiana: geralmente os primeiros instantes da performance (podendo tomar até uns dois minutos) são destinadas unicamente à uma "apresentação" de cada instrumento que compõe a orquestra. Assim teremos os instrumentos de corda, de sopro e de percussão apresentados em isolado, com variações de velocidade e ritmo, e depois em uníssono com a voz do cantor. Essa é uma forma de cada artista participar do "centro da performance", lembrando que por mais que a dança seja o foco principal da atividade exercida em cena, cada músico e instrumento também está em cena e merece o primeiro plano, e não apenas ser um pano de fundo para a dança.

Essa desatenção com os músicos e instrumentos é tamanha que atualmente é praticamente impossível encontrarmos um evento que comporte essa introdução para cada número. As explicações são diversas (falta de tempo, excesso de bailarinos na grade do evento, evitar a dispersão da platéia), mas elas todas refletem uma única coisa: a falta de comprometimento real com a Arte!!!

A bailarina Revital Carol simbolizando o instrumento de cordas (Veena)

Um número de dança deveria ser assistido como uma grande celebração da alegria, ou como um grande ritual. E em ambas as perspectivas parece que vivenciamos um hiato de tempo. Uma imersão tão profunda no que vemos e ouvimos que ficamos como sob encanto hipnótico. Introduzir a música de forma adequada e respeitosa irá preparar a mente do expectador para o movimentos a seguir, assim como as alternâncias de padrões rítmicos que culminam num clímax reverberam sobre os centros emocionais (vale lembrar que a audição é um dos veículos mais rápidos para arrebatar a consciência, perdendo provavelmente apenas para o olfato - sistema límbico).

Uma dica para os produtores de eventos é justamente pesarem o número de informação sonora e a forma como esse cardápio será administrado à plateia. A principio em quantidade. Não adianta reduzir o número de cada participante para poucos minutos no intuito de ter muitos bailarinos em cena, pois o cansaço é o mesmo para quem assiste, e de quebra nenhum número terá o tempo hábil para desenvolver uma comunicação empática com quem o assiste.

O revezamento de estilos, ou de velocidades rítmicas podem ser calculadas de modo a prenderem a atenção do público, alternando com momentos onde é possível relaxar e digerir os números já apresentados.

Outro ponto importante é a questão dos direitos autorais. Nem todas as músicas estão livremente disponíveis para reprodução. Da mesma forma que não podemos plagiar uma coreografia, não deveríamos copiar as músicas de nossos amigos. Ou ainda mais: não deveríamos utiliza-las sem a devida autorização do músico que a gravou! 



 A partir dos 3 minutos é possível ver o Guru Gangadhar Pradhan (in memorian) saudando os instrumentistas, e por consequência, a Música que irá dar forma à sua performance

Ao que parece, essa preocupação é nula em nosso país, justamente pela grande maioria das músicas utilizadas serem músicas mais populares e destinadas realmente  ao entretenimento. Mas por favor: citem os nomes das músicas e bandas!!! Além de você mostrar respeito à uma parte essencial de sua performance, vocês estará permitindo que seu público depois possa ir procurar mais material do artista. Eu particularmente aprecio muito os festivais de dança pela possibilidade mágica de ser introduzido a novos mundos musicais (e quantas bandas marcantes entraram na minha vida unicamente por ter escutado um pedaço de uma música num show de final de ano!!!).

Se seu estilo for mais contemporâneo e arrojado, e uma edição de música for necessária, lembre-se sempre das harmonizações necessárias para que a edição não se torne uma quimera. Saiba respeitar o público, levando qualidade e informação, e acima de tudo um bom entretenimento.

Nas danças clássicas indianas nos utilizamos das Talas, que são os padrões rítmicos coreografados por gurus legendários. É um costume do bailarino informar à platéia não apenas o nome da música, mas também sua Tala, e o Guru que a compôs para a peça de dança. Essas músicas se tornaram como um repertório mundial para qualquer estudioso, mas sua disseminação é feita seguindo um critério muito específico: é preciso que o bailarino se dedique ao aprendizado da coreografia, e a domine com perfeição para poder "ganhar" a música. As músicas mais populares das danças indianas são partilhadas internamente entre a própria comunidade global de dança. As exceções ficam quanto à certos números específicos, normalmente composições restritas de certas companhias, ou que tiveram uma grande demanda por parte da orquestra e do estúdio que a gravou. Nesses casos um valor é cobrado pela música, e ainda assim a mesma é transmitida no momento em que poderá ser fielmente executada pelo bailarino. No ocidente criou-se uma pequena rota paralela de vendas de músicas de dança indiana, onde bailarinas que viajam há mais tempo se aproveitam da dificuldade que é conseguir esse material, e vendem à preços impraticáveis. Vejo como abominação esse comércio clandestino feito sobre obras que não tem preço, ainda que concorde que é preciso sim reconhecer algum valor sobre tudo o que consumimos.



A bailarina Magda Sa'id dançando Daff, a dança do pandeiro - numa clara demonstração do quanto a dança é em sua essência uma leitura do ritmo musical

No mais gostaria de fazer um último alerta: se você gosta de extrair áudio de vídeos da internet, gosta de fazer colagens sobre composições já existentes, ou ainda faz edições sobre músicas para que elas percam sua identidade original para servir ao seu próprio trabalho, repense em como pode introduzir Ética na sua arte. Opte por música ao vivo quando for possível, contate músicos, visite orquestras e, se possível, experimente durante um ano se dedicar ao estudo de um instrumento. Aprenda a respeitar a música como o esteio de sua dança, como uma das partes mais importantes de seu trabalho.

Cite os nomes dos músicos, ou ao menos o nome da música. Saiba ouvir cada instrumento "dançando" em cena, e expanda sua forma de consumir arte. Aplauda não apenas o bailarino, mas a toda equipe que torna possível a magia do palco!!!

Até a próxima,

Namaskar



Up Up Fest 2014

por  Thalita Menezes & Surrendra



Uma das mais belas segundas-feiras. 

Um dia para sentir e relembrar o final de semana maravilhoso que presenciei.

O Up Up Fest 2014, I Encontro de Tribal de Minas Gerais, aconteceu de forma aberta, leve, saudável, intensa... Digno de ficar na memória e no coração como num primeiro encontro de amor.

Um dos principais objetivos do Up Up Fest foi reunir os artistas e profissionais do estilo tribal à apresentarem seus trabalhos, compartilharem experiências, se atualizarem, ampliarem seus conhecimentos e refletirem sobre questões pertinentes que envolvem a nossa arte de dançar.

Olho para o Davi neste momento e penso em sua semelhança com o Tribal em Minas Gerais: há muito que crescer e desfrutar dessa vida, mas vive cada momento com intensidade, absorve rapidamente novos conhecimentos, intensifica sua personalidade a cada dia e, mesmo precisando e gostando de cuidados dos mais maduros, demonstra brilho nos olhos e alegria no que faz.

Nos workshops e seminários, Rebeca Piñeiro, Guigo Alves Exotique Tribal, Surrendra Bellydance e Priscila Patta, foram nossos primeiros padrinhos que, presentes de corpo e alma, auxiliaram vários alunos a redescobrirem seu potencial, além de abrir portas para novos caminhos. 

A entrega dos participantes era uma das coisas que mais me fascinava. Perguntas, opiniões, anotações que nos alimentam para a construção do próximo Up Up Fest. 

A energia ali estava tão gostosa que Lulu Brasil e Letícia Soares, que estavam em outro ambiente ministrando suas aulas, não resistiram e subitamente apareceram na “diagonal” (metodologia comum nas aulas de dança) prontas para executarem o próximo passo. Arrasaram!

Já a noite de apresentações reafirmou aquilo que sempre alimentei: a alta qualidade de bailarinos do estilo presentes em nosso estado. Pode ter certeza, meu povo, quem não foi, perdeu! 

Mas, talvez esta qualidade toda nem seria o mais glorioso se não fosse o PROCESSO, algo que não se pode desprezar e que vem sendo construído através de apoio mútuo. Nas mesmas coxias todos os bailarinos, estavam lá com olhos arregalados, corações disparados admirando o artista em cena. Isso não mostra, necessariamente, amizades ilusórias, mas RESPEITO pela própria dança. 

Hoje, tenho mais orgulho do que ontem do Tribal em MG e sinto que amanhã terei mais orgulho que hoje. Esta confiança se faz diante da satisfação e carinho de todos envolvidos que estavam presentes dando um UP UP em nossa FESTa!

Obrigada a todos que direta e indiretamente contribuíram para o excelente andamento do evento. À todos os bailarinos que ilustraram tão bem o nosso estilo. Às “Espaçetes” que enchem meu coração de orgulho. À Letícia Soares e equipe pelo espaço e carinho. Aos mestres que conduziram tão bem as aulas e conversas. Aos alunos pela entrega e dedicação. Obrigada Deus pelas oportunidades e momentos alegres que me dá através da dança e amigos. 

 Para finalizar o texto, inspiro fundo neste momento desejando que todos de nossa tribo possam colher os melhores frutos deste final de semana maravilhoso! Que venha o Up Up Fest 2015!








_________________________________________________________________________________________

Novembro chegou em com ele o Up Up Fest Tribal de Minas Gerais, realizado pelo Espaço de Danças Thalita Menezes,  nos dias 01 e 02.


No sábado tivemos o Pré-show e Show de Gala e foi realizado no Teatro da Biblioteca. O Pré-show foi uma mostra com artistas da região. Fomos agraciados com belas performance e fiquei contente de ver tanto talento em Minas. O Show de Gala contou com a presença dos mestres que dariam workshops e seminários no domingo, além de outros convidados. Repetindo o que a Thalita disse: "quem não foi perdeu". Show regado a muito talento e profissionalismo. Estou super feliz de ter feito parte de um casting tão brilhante.


Começamos o domingo com o workshop da Rebeca Pinero. Para muita gente em Belo Horizonte, ATS® ainda é novidade. Vi a galera com sede de aprender e super animado com a aula. Rebeca é excelente professora e de alto astral. Deixo todos confortáveis para experimentar, sem medo, um novo estilo.






Pausa para o almoço e depois eu dei um breve seminário falando sobre música. Pena que o tempo foi corrido e não consegui aprofundar no tema, mas foi uma conversa legal e espero ter ajudado a galera.


  


Em seguida, tivemos a aula da Thalita. Acreditem se quiser, mas nunca tinha feito um curso com ela e ainda me espanta de ver alguém tão jovem ser dotado de tanto talento e seriedade. O tema foi "Postura e presença cênica". Aula bem diferente e cheia de atividades.







Logo depois, tivemos a aula do Guigo Alves, que foi de profunda energia. Fiquei com um profundo pesar por não ter feito toda aula mas quem mora longe tem este problemas. A coisa estava tão boa que até a Lulu Hatenbach, que estava ministrando curso em outra sala, acabou participando um pouco. Pura descontração.






Por último, tivemos o seminário da Priscila Patta, mas não pude participar. Priscila já conhecida na área, sua reputação como bailarina a precede, extenso currículo que envolver dança do ventre, fusão, dança contemporânea e outros.



Foi um fim de semana memorável e espero que se repita. Quem me conhece sabe o tanto que trabalho em prol da estilo tribal em Minas. Sempre foi meu desejo mostrar ao resto do Brasil e também ao mundo como temos talentos ímpares em nosso estado. Estou super satisfeita por ter feito parte deste projeto e agradeço a Thalita Menezes e Leandro Brito por confiarem em mim para carregar esta bandeira.


Simbora dançar!!!!!


Confira fotos e vídeos do Pré-Show & Show de Gala:


Espaço de Dança Thalita Menezes

Espaço de Dança Thalita Menezes

Jéssica Nunes

Espaço de Dança Thalita Menezes


Priscila Patta

Carla Michelle Coelho

Jéssica Nunes

Lailah Garbero

Espaço de Dança Thalita Menezes

Ivis Teles & Paula Telles
Marina Mourão

Rebeca Piñeiro
 
Anamaria
Surrendra

Anamaria & Surrendra


Vídeos:


















LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...