[Notícia Tribal] Leidi Kitai Fit



























O atelier Leidi Kitai (BA) lançou sua nova linha de roupas para dança tribal. A idéia é inovadora, pois trabalha com o tema fitness.

Abaixo você pode conferir o catálogo virtual do atelier com as peças confeccionadas para essa linha.



Informações:

[Notícia Tribal] Nomadic Tribal no Venga Venga - Tv Cultura

Matéria sobre a festa Venga Venga, com participação do Nomadic Tribal (SP), no programa Metrópolis da TV Cultura. Conheça mais sobre esta festa cultural que tem o propósito de englobar diversos movimentos étnicos e artísticos.

[Notícia Tribal] Novo Ensaio Fotográfico de Lukas Oliver


Recentemente o bailarino Lukas Oliver (SP) divulgou seu novo ensaio fotográfico, cuja temática é "Origens", reverenciando as raízes da dança tribal. A composição fotográfica é muito rica de elementos. Eu adorei a maquiagem e os adornos, os quais tornaram a proposta do bailarino ainda mais impactante, remetendo a imagem ritualística de um xamã.

Para acompanhar mais fotos do ensaio, acompanhe a sua fan page!


Abaixo, um vídeo promocional do ensaio:


|Site| Facebook|

Produção e Maquiagem:  
Gabriel Weng Maravalli


[Notícia Tribal] Pinterest:Old School Tribal Style Bellydance Timeline

Olá pessoal!

Recentemente eu criei um painel no Pinterest com fotos antigas da cena tribal americana, desde Jamila, Masha, Carolena e o FCBD ®, como as precursoras e principais ícones do tribal fusion. Ainda está em construção(talvez constantemente em construção rsrs =P), mas espero que apreciem =) 

Eu gosto muito dessas fotos antigas, pois nos fazem refletir sobre a história do Tribal,mostrando o quão rica e imponente ela é! Olhar tais fotos nos aproxima (um pouquinho) dos passos realizados por nossas queridas bailarinas para a construção de nossa tão amada dança tribal. Então, compartilho com vocês todas fotos que encontrar pela internet e que nos faça mergulhar ou imergir nessa História emocionante.



VII Festival Campo das Tribos

por Raphael Lopes



Olá Leitores,

Na nossa última postagem falávamos sobre as influências hindus na dança Tribal contemporânea, com a promessa de apontar esses elementos em dançarinas mais específicas (como a Zoe Jakes). Mas com a vinda de Caroleena Nericcio Bohlman ao Brasil para a certificação de dezenas de bailarinas e uma apresentação pocket ao lado de Megha Gavin no sétimo Festival Campo das Tribos (encabeçados pela Rebeca Piñeiro) me obrigam a pedir licença e permissão para uma pausa, e falar um pouco sobre tudo o que vi e ouvi desse evento tão marcante para a história da dança aqui no Brasil.

O Festival anunciado com grande pompa no final da sexta edição no ano passado causou um grande alvoroço no meio tribal. Muitas bailarinas iniciaram suas economias para participar dos cursos oferecidos e algumas professoras já certificadas com o título de Sister Studio ofereceram cursos preparatórios para as futuras Sisters; e registro aqui também o surgimento do projeto Pilares do Tribal (encabeçado pela Maria Badulaques) organizado como um diário (blog) onde entrevistas, videos e muitas matérias bem interessantes eram postadas diariamente numa contagem regressiva à vinda de Mamma C. 


General Skills pela primeira vez no Brasil, foto oficial da fanpage do FatChanceBellyDance

Essa expectativa era tão tátil entre as bailarinas que posso afirmar que o Festival começou assim que o sexto terminou. Não se falou em outra coisa ao longo de todo o ano!!! Acho importante frisar esse frison, porque ele ajudará a compor minha crítica como um todo ao projeto.

O Festival começou com os cursos General Skills iniciados ao longo da semana, e as redes sociais foram bombardeadas por declarações emocionadas das meninas que estavam tendo contato com a visionária bailarina que arrematou o ATS® e o tornou tão impactante e fundamental para o Tribal. No final de semana chegou o tão aguardado Show, que foi dividido entre os horários de Mostra e o Show de Gala. Esse ano em específico essa divisão criou uma celeuma mais clara entre as bailarinas. 

Shows de mostra costumam ter um público reduzido e, independente do nível apresentado, existe um preconceito de que o show de mostra seja menor em qualidade. O que é muito complicado de afirmar, uma vez que cada número provoque um efeito diferente na opinião de quem o assiste. Não existe unanimidade quanto à qualidade de um Show, de modo que a mostra acaba sendo uma forma de um número maior de participantes mostrarem seus trabalhos. É como uma vitrine, de onde surgem muitas pérolas. Vide o próprio Guigo Alves e sua Cia Exotique, que participaram dos shows de mostra do Festival Campo das Tribos e, em pouco tempo, chegaram a apresentar o mesmo e dançar no Show de Gala.
A Sister Studio Natália Espinosa, Maria Badulaques, Emi Victoria, em o Coletivo Amora no Show de Mostras

Algumas críticas foram mais ácidas, principalmente apontando números do Show de Gala como tendo sido inferiores a números das mostras. Galera, o Festival Campo das Tribos não é um festival competitivo, e esse tipo de crítica pode dissolver muito mais do que agregar o espírito de tribo. Lembrem-se sempre que no final das contas é a opinião da organizadora do evento que vai pesar nessa seletiva. Geralmente por afinidade, proximidade profissional, para algum tipo de promoção, ou até mesmo para agregar valor ao evento: não importa os motivos que a organização utilize para essa divisão, mas é preciso respeitar toda forma de arte que for levada ao palco. 

Acredito que de repente uma organização mais inclusiva gerasse uma reação muito mais positiva num geral, mas essa é a minha opinião, assim como a de outras pessoas com quem pude conversar. Mas verdade seja dita, quem quiser algo diferente assim o faça!!! Esse é o formato do Festival, sempre foi assim. 


Mariana Quadros, primeira Sister Studio brasileira


O Show teve um pequeno contratempo com a equipe de iluminação e palco, mas nada que tenha prejudicado diretamente o show. A iluminação do próprio teatro (embora menos diversificada) esteve a nossa disposição, mas foi uma perda não termos o recurso da máquina de fumaça e do telão como era esperado. Sem maiores atrasos, e sob a euforia de uma platéia ansiosa, o show foi belamente introduzido com um número rico. Música ao vivo e um seleto número de bailarinas escolhidas por Rebeca Piñeiro dançando números "improvisados", ambientando em pleno Teatro Madre Cabrini todo o clima de festa das feiras tribais à la Bal Anat. Vale registrar que o primeiro solo ter sido o de Mariana Quadros foi uma bela homenagem à nossa primeira Sister Studio tupiniquim rs.

Daí em diante os Shows seguiram sem apresentação, o que sempre vejo como uma grande deficiência. Um festival desse calibre, assim como qualquer atividade cultural apresentada ao grande público necessita de um mestre de cerimônias que saiba não apenas introduzir os bailarinos e números apresentados de forma fluída, mas, acima de tudo, interagir com o público para que exista uma conexão entre palco e platéia. A impressão que tive em alguns momentos era estar assistindo um filme num grande telão, fora a curiosidade em saber o nome dessa ou daquela bailarina desconhecida que estava em cena. Acho que nesse ponto é importante lembrar que qualquer Festival precisa de uma direção artística, que consiga costurar tantos números tão únicos e especiais a favor de um tema, e prender de forma estética a elegância do evento para quem o assiste.

Raphael Lopes - Show de Gala
O modelo de agrupamento do grande número de convidadas dos números de ATS® dançando até quatro músicas seguidas se tornou cansativo para o público, e mais uma vez a falta de apresentação fez com que algumas bailarinas conhecidas passassem batidas pelo público. Nesse ponto houve uma redução considerável da animação da platéia, que apesar da importância do evento também não lotava a platéia... Talvez pelo preço do convite, ou pela falta de outras mídias de divulgação que não apenas as redes sociais, o evento acabou ficando mais uma vez restrito aos familiares e conhecidos das bailarinas que se apresentavam. Um Festival desse porte merecia uma cobertura mais ampla, uma nota junto aos órgãos de imprensa, e um convite à algumas personalidades da dança a nível acadêmico para contemplarem esse momento tão único, em que Rebeca Piñeiro assinava seu nome definitivamente na história do Tribal como pioneira.

Os bastidores do evento era um misto de camaradagem sempre presentes em eventos de tribal, pois geralmente são nesses momento que reencontramos amigos tão queridos, mas que moram em outras regiões. Existia uma tensão no ar, principalmente quanto a cruzarmos com Carolena pelos corredores, mas infelizmente não tivemos acesso à ela. A equipe de produção do evento as mantiveram isoladas (e isso é entendível), e eu me pergunto se elas puderam prestigiar o Show que estava acontecendo...


Raphael Lopes e Nomadic nos bastidores do Teatro Madre Cabrini

O dueto de Megha Gavin e Carolena Nericcio levantou a platéia, e reduziu a distância entre os admiradores da arte e sua idealizadora. Particularmente eu esperava um número mais explosivo, mas a emoção era tamanha que certamente todos aqueles que assistiram aquele show irão se lembrar sempre com um sorriso estampado no rosto. Com a presença de Kelsey Suedmeyer e Rebeca Piñeiro, as quatro dançaram um número onde era visível toda a emoção da organizadora do evento. Sinto apenas que o show poderia ter uma carga mais Tribal se mais bailarinas tivessem o privilégio de dividirem o palco com a Mãe do Tribal. 

Com o encerramento o público parecia esperar que Carolena retornasse ao palco, e trocasse algumas palavras... mas assim que todos os convidados do Show de Gala voltaram ao palco seguidas por Rebeca, as cortinas se fecharam sem muitas delongas. Espero que minha visão aqui partilhada não soe como uma crítica pesada, mas apenas um relato de quem participou de um Show gestado por um ano, e que esperava, assim como as demais bailarinas e públicos, um "algo" a mais. Rebeca terá sempre seu espaço no cenário da dança, conquistados por sua visão arrojada de mercado, mas é uma opinião geral de que é preciso uma direção mais clara em seus Festivais.

Kelsey Suedmeyer
Para todas as meninas que participaram dos cursos de General Skills e Teacher Training existia uma névoa de encantamento provocadas pela convivência direta ao longo de uma semana com a Mãe do Tribal, mas essa magia ficou inacessível para quem apenas assistiu ou participou dos shows. Espero com muita apreensão que todas as novas certificadas possam polissemizar o estilo Tribal, criar novas oportunidades de estudo, novos festivais, novas idéias.


Um grande viva ao Campo das Tribos que uniu a tantas pessoas nessa conquista, mas acima de tudo: que ele possa ter plantado a sementinha de vida nova e próspera na dança tribal no Brasil.

Rebeca Piñeiro e Pashmina Tribal com Carolena Nericcio
Confio e torço por todas as novas Sisters, a Força está com vocês rs.

Um grande beijo, e até a próxima!!!

Namaskar



VII Festival Campo das Tribos - Visão Geral do Público

por Melissa Souza


Eu fui: 7º Festival Campo das Tribos, realizado por Rebeca Piñeiro – Carolena Nericcio: A mãe do Tribal pela primeira vez no Brasil! 

O evento foi tão bom que deu no que falar, então resolvi escrever minha própria resenha! Espero que gostem =D

Expositores

Ana Harff Artesanía no Festival Campo das Tribos
Os ateliers foram bem preparados e garanto que venderam bem. Havia estandes de variados produtos, desde trajes completos da Khalidah, xales de crochê pelo atelier Shaman Tribal, camisetinhas personalizadas da Shimmie, uma riqueza de acessórios, inclusive steampunks, e bolos caseiros deliciosos da Valfenda Doces que saciaram minha necessidade de açúcar durante o evento.

Show de Mostras

Anamaria Marques e alunas





O Show de Mostras surpreendeu pela qualidade das apresentações, onde alunos e professores deram seu melhor no palco. Minhas performances preferidas foram de Anamaria Marques, Nadja El Balady, Thalita Menezes e Laura Gutierrez. Destaque para as gracinhas do dançarino Brendo, professor de danças urbanas, que divertiu as tribalescas com sua sátira bem humorada.


Show de Gala

Shaman Tribal Co.

Uma introdução com música ao vivo e apresentações de improviso abriu o evento e encantou a plateia. Vale citar a participação especial de dançarinos de folclore árabe, as performances com bastão e a dança com jarro. Com enfoque nas danças folclóricas, o Show de Gala alternou um bom ATS® com dança cigana, flamenco, clássica indiana e folclore árabe, além da excelente apresentação de Tribal Brasil pelas especialistas no assunto, Shaman Tribal Co. 

As convidadas da noite deixaram todos muito emocionados pela empatia e profissionalismo. Contar com a presença de ícones como Carolena e Megha Gavin prova que estamos no caminho certo em nossos estudos tribais, tamanha a credibilidade de recebê-las em nosso país. E aguardem: com a finalização dos cursos oferecidos pela mãe do ATS®, a probabilidade é que esse estilo se propague ainda mais com a quantidade de professoras qualificadas e aprovadas no ensino da técnica.

Pontos Altos e Baixos

Com exceção do probleminha técnico com o som, que desde o Show de Mostras apresentou instabilidade, o evento foi delicioso. Confesso que senti falta da participação ativa e bem humorada de Guigo Alves como mestre de cerimônia, como no ano passado, todavia naquele momento sua intervenção se encaixou com a temática do evento e talvez neste ano não tivesse o mesmo efeito.

Fui para casa com os ouvidos tinindo depois de tantos snujs e uma baita dor de cabeça pelos males da sinusite que foi acionada com o ar condicionado do teatro, mas valeu a pena: uma produção como esta merece nossa atenção e, cá entre nós, não há muitos festivais na área que agreguem tanto para a cena tribal quanto o Festival Campo das Tribos. Expectativa alta para o que será preparado para nós no próximo ano! #lililili




Entrevista #32: Caíque Melo


Nossa entrevista de abril é com Caíque Melo, bailarino de Salvador -BA. Caíque foi "Destaque Tribal Masculino" aqui no blog em 2012 e 2014. Neste último ano, nossa Entrevista  Especial de Aniversário do Blog seria destinada à categoria em questão =D Vamos conferir a trajetória do nosso tribalesco?

  
BLOG: Conte-nos sobre sua trajetória na dança do ventre/tribal; como tudo começou para você? 

Comecei a estudar dança com 14 anos de idade, quase 15. Nasci em Vitória da Conquista,
Dabke
sudoeste da Bahia, onde uma das escolas de dança, a Arabesk, me abraçou. “Caí meio que de paraquedas”... Em 2009 fiz uma pergunta à uma amiga sobre as aulas de dança e ela me convidou. No dia combinado eu fui à Escola fazer aula de Balé Clássico. Me lembro do primeiro dia, onde conheci a professora e diretora da Escola, a Suzanni Rabelo, ou carinhosamente chamada de tia Suzi. Digo que ela abriu as portas da dança pra mim, pois, foi ela me concedeu aulas como bolsista e sempre que eu sugeria algo novo como trabalho, como a dança tribal, por exemplo, estava de braços abertos. E em meio às dores de alongar, as faltas de coordenação e direção, como todos que começam a mover o seu corpo que não somente do cotidiano, fui percebendo o quanto gostei de fazer “aquilo”. Me sentia vivo e estar vivo me levava à um outro ambiente, que me fazia bem e mais contente. Após esse primeiro contato, me apaixonei. E foi rápido demais. Mas sei que é um amor pra toda vida, porque partiu de dentro de mim. Só estava escondido. Dancei no meu primeiro espetáculo, em 2009, pela Arabesk, ainda envergonhado, mas com uma sensação INENARRÁVEL, que quem pisa nos palcos (e digo qualquer palco: italiano, a rua, na casa de um amigo, num restaurante, etc.) sabe como é.

Caíque e Stefanny Garcia
No mesmo ano, a minha amadíssima professora de danças folclóricas árabes, e professora da Escola na época, a Stefanny Garcia, me convidou para participar de uma coreografia de Dábke, no espetáculo de danças orientais que ela promove anualmente na cidade. NOOOOOSSAAAAA! Que energia é essa da dança oriental, meu povo?! Nos ensaios eu ficava alucinado pelas músicas e movimentações. Assistia vídeos e ficava admirando a dança e os dançarinos. Adoro muito os brasileiros dançando orientais. Temos uma autenticidade e respeito pela dança. O espetáculo lindo, com coreografias lindíssimas, de uma cultura que poucos conhecem e/ou já viram e quando viram pensam logo na dança do ventre, na sensualidade feminina e nos preconceitos que rodeiam sobre a dança. Ia além disso. São danças culturais, como as nossas, brasileiras, que conta a história de um povo. Que coisa linda de se ver! J

Encantadíssimo, continuei a estudar as danças orientais, o balé clássico e surge uma nova professora de dança oriental na minha vida, que admiro imensamente, onde me viu dançar no espetáculo da Stefanny (e ela também se apresentou), a Gal Novais. Num dia de aula de balé, ela me convida para participar de uma coreografia onde dançávamos balé clássico e dança do ventre misturado (até então, ainda pensava assim, rs). Achei bem interessante a proposta e fui fazer aulas de Dança do Ventre. Amei, amei. E não é que me dei até bem? (rsrs) Ali conheci minhas amigas Grazi Cardoso, May Cardoso, Samara Aguiar, Virgínia Rosa e Ane Carine, que SEMPRE me apoiaram à dançar, amigas de turma, juntamente com a Gal Novais sendo nossa professora. Era uma delícia ir às aulas, encontrá-las e dançarmos juntos. Formamos nosso primeiro grupo de danças orientais, o “Thuraya”, que significa “Estrelas ou Planetas”, em árabe. Nos divertíamos muito nas apresentações, viagens e ensaios. Saudades...

Caique e Gal Novais
No dia da apresentação com a professora Gal Novais, da “mistura” entre balé e ventre, conheci a Joline Andrade. Ela estava organizando a mostra de dança “EtnoTribes” em Vitória da Conquista, em 2010. E quando a vi dançar, fiquei encantado com as movimentações do corpo que ela realizava na coreografia, juntamente com a sonoridade da música, com aquela aura misteriosa por detrás. Fui logo pesquisar sobre a dança Tribal Fusion. Assisti logo de cara a Rachel Brice, o auge da dança tribal. Ia pesquisando em alguns blogs, vídeos, músicas, até conversei com alguns profissionais na época, como a Joline, a Bia Vasconcelos, a Bela Saffe, sobre a dança, pois realmente estava querendo entender melhor aquele universo. Também fiz algumas aulas com a Gal Novais. Ela me ensinou movimentações básicas do tribal, como postura, algumas movimentações, bem enfatizada no Belly Dance.

SOBRE O TRIBAL FUSION: Sempre fui autodidata quanto a dança tribal, mas tudo que me interessava eu lia, fazia, estudava os movimentos, assistia e sempre que possível, participava de workshops. Então, sempre estive pesquisando e estudando a dança. Lembro-me de uma frase que norteia a dança tribal e que eu ouvia bastante, mas não exatamente assim: “Procure a sua dança tribal”. Sempre busquei e busco essa autenticidade, essa minha dança, pois acredito que a dança é universal e cada um tem sua dança. A dança tribal foi e está sendo a minha escolha de buscar essa autenticidade que se muda constantemente e me apetece. Estudo a dança tribal fusion há 5 anos, e comecei estudar dança há 7 anos. Tenho 20 anos, completo 21 em julho. =)

Joline Andrade e Caíque Melo
BLOG: Quais foram as professoras que mais marcaram no seu aprendizado e por quê?
Com certeza todos os professores deixaram alguma informação importante para mim. Vivemos informando e adquirindo informação a todo instante. Mas alguns tem marcos maiores pelos seus conhecimentos e simpatia, como: a Stefany Garcia (Vitória da Conquista-BA), que me convidou a conhecer a cultura e as danças árabes, sempre sendo carinhosa.Tem um espaço de Dança Oriental, onde dá aulas. Já foi premiada no Mercado Persa, junto com a Gal Novais e tem uma beleza ao dançar. Ela é verdadeira. Por isso sempre chamou minha atenção e admiração. Gal Novais (Vitória da Conquista-BA), que me ensinou que a dança do ventre tem homens sim, mas que não por isso deixamos de desrespeitar os costumes da cultura. Obrigado por todos os ensinamentos. Sheyla Nascimento (Vitória da Conquista-BA), a discopédia (rs) – incentivando-me sempre; a Joline Andrade, pelo carinho e apoio; a Hilde Canoodt (UK), que no workshop no Dramofone I, me deu um start para pensar em estética de movimento e alinhamento, e isso me ajudou MUITO (thank you, Hilde) ; e a Antonia Ribeiro, que sempre tem as ideias mais deliciosas de se trabalhar, que sempre elabora coreografias incríveis e me incentiva a fusionar sempre.


Não por isso, agradeço a todos professores que passaram, passam e passarão por mim. Com certeza, em qualquer circunstância, o aprendizado e o conhecimento são certos.

BLOG: Além da dança tribal você já fez ou faz mais algum tipo de dança? Há quanto tempo?
Sempre procuro fazer aulas que não somente a dança tribal, pois são novos aprendizados e possibilidade de fusão. Mas, quase que diariamente eu paro um tempo e pesquiso ou danço a dança tribal.

1)     Balé Clássico (2009-2012 – Arabesk) (2015 – FUNCEB)
2)     Dança do Ventre (2010-2012 – Arabesk)
3)     Danças Folclóricas Árabes (2009-2012-Stefany Garcia)

Atualmente faço o curso técnico profissionalizante da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), onde tenho estudos de cinesiologia, balé clássico, dança moderna, dança contemporânea, dança afro-brasileira, danças populares brasileiras, etc., conjuntamente com a graduação superior de licenciatura em dança da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Estudos Independentes: Waack Fusion, Tribal Fusion, Dança Fusão, Tribal Ragga Jam, Improvisação, Experimentações, Intervenções Urbanas  e o que mais for atraente para mim.

BLOG: Quais foram suas primeiras inspirações? Quais suas atuais inspirações?
Sem dúvida, na dança tribal, a Joline Andrade é uma das minhas referências. Foi um incentivo para fazer a faculdade e estudar a dança tribal a partir desse viés acadêmico também.

A Zoe Jakes e a banda Beats Antique. Acho que não tem esse que quando escuta e a vê dançar, não admire o trabalho deles. A Zoe pelas propostas de dança dela, as movimentações, o enredo, as novidades, tudo... Ela é uma artista que, para mim, será sempre um referencial para meus trabalhos.

A Rachel Brice, como não, né?! (rs) Aquela fluidez, aquele controlo corporal, aquele beleza de vê-la dançar. Não tem outra... É a Rachel Brice.

Muitas (os) por mim foram inspirações nas épocas, mas ainda assim, admiro os trabalhos de todos...

Me inspiro por andar na rua, por abaixar e arrumar o tênis, por olhar um objeto e pensar ser outro... Acho que artista não para de pensar e criar. Pode muitas vezes não ter tempo ou vontade para continuar com alguns, mas, o artista auto se inspira. E eu me inspiro e expiro diariamente com os aprendizados diários de minha vida. Pois viver é dançar, dançar é viver e eu sou os dois. Eu sou dança e vivo.

BLOG: O quê a dança acrescentou em sua vida?
Além de alegria e felicidade...?

A dança é um dos regentes da minha vida. Muitas situações resolvi a partir da minha relação com essa arte. Tive coragem para seguir com meios desejos; conheci e continuo conhecendo pessoas amadas; além de adquirir respeito por muitos que vivenciaram meu pequeno trajeto até aqui. São muitas coisas boas que acontece quando estamos de coração aberto para sermos nós mesmos. E para continuar tendo todas essas boas vibrações, danço.

BLOG: O quê você mais aprecia nesta arte?
Dançar não é só expressar um sentimento, um acontecimento, uma história. Dançar é política, é crítica, é pensamento, é observação. Tenho estudado muitas danças, muitos contextos, principalmente contemporâneos, que me mostram outras formas de se dançar, de se trabalhar com o seu corpo e de movimentos capazes para o (meu) corpo. Dança com fundamentos técnicos, dança improvisação, dança contemporânea, dança teatro, etc. Mover o meu corpo ao som da música me apetita. Ver como o outro se mexe me instiga. É muito bom ver as formas que as pessoas se movem e perceber diversas questões corporais. Entender e perceber o corpo, em meio a questões sociais, ambientais e transpô-las, através de nossas experimentações, essas percepções.

BLOG: O que prejudica a dança do ventre e como melhorar essa situação? Você acha que o tribal está livre disso?
Acredito que em todo e qualquer ambiente, também nos da dança, há situações que desagradem, bem como pessoas (sim, ainda existem pessoas más). O auto ego, a rivalidade, a traição, as trocas de alfinetadas, o prejudicar o outro para conquistar algo, são, por mim, abominadas. Há espaço para todo mundo e, com certeza, se formos mais companheiros com nossos colegas de trabalho, nossos alunos, nossa plateia, as conquistas serão muito maiores e gratificantes.

BLOG: Você já sofreu preconceitos na dança do ventre ou no tribal? Como foi isso?
Somos preconceituosos sem ao mesmo perceber, devido a nossa cultura, situação social e muitos fatores que influenciam para isso. Com certeza, alguém já deve ter me olhado torto, ou sussurrado para outra pessoa sobre minha sexualidade, por exemplo, somente por dançar. Quando isso chegava até a mim, e foram poucas as vezes, eu simplesmente escutava, balançava os ombros em sinal de interrogação, como que querendo dizer “Posso fazer o quê?” e continuava. Se houvesse alguma forma de eu poder mudar essa concepção, fazia, mas, nem sempre isso acontece.

Preconceitos agressivos verbais e/ou físicos nunca sofri, pelo menos não tão agressivamente. No colégio ou em qualquer outro ambiente em que eu falava sobre meu trabalho, me respeitaram, muitas vezes me chamando para parcerias. Além disso, sempre fui respeitoso com os outros para eles poderem respeitar minhas escolhas e quem eu sou.

BLOG: Houve alguma indignação ou frustração durante seu percurso na dança?
Houveram algumas poucas desavenças com pessoas por conta de falsidade, lealdade e outras situações constrangedoras que ocorre na dança (infelizmente), como a inveja e os falsos julgamentos e levantamentos. Quando isso ocorre, procuro ter tranquilidade e paciência para poder passar. Depois se esquece e se for de boa valia, porque não retomar o contato?!

BLOG: E conquistas? Fale um pouco sobre elas.
Em premiações, já fui selecionado como “DESTAQUE TRIBAL MASCULINO” nos anos de 2012 e 2014 aqui pelo blog. (Yeeep)
Em 2012 fui selecionado por votação online para participar da abertura do show de Gala do GOTHLA BR, no Rio de Janeiro. No mesmo ano fui premiado em Vitória da Conquista como a 2ª melhor apresentação no IV Mini Fest, organizado pela Cia Dançart.

Com o decorrer da carreira, alguns trabalhos surgiram, como, por exemplo, assistência no show SIMBIOSE da Joline e até mesmo intercâmbios com alunas regulares dela.
Outras conquistas, essas mais acadêmicas, como os cursos técnico e superior, me surgiram pelo meu desejo de profissionalização na área.

BLOG: Como é o cenário da dança tribal na Bahia? Pontos positivos, negativos, apoio da cidade/estado, repercussão por parte do público bem como pela comunidade de dança do ventre/tribal?
Nos meios acadêmicos, poucos ainda conhecem a dança na sua história, bem como em estudos de movimentações. Na Escola de Dança da UFBa, por exemplo, o tribal fusion é conhecido através de apresentações que realizo, bem como de colegas que também estudam e praticam a dança. A mesma situação se repete na Escola de Dança da FUNCEB. Os que se interessam a conhecer mais profundamente costumam participar de aulas e workshops ministrados pela cidade.

Nos eventos específicos de dança tribal, costuma-se ter uma quantidade consideravelmente boa de público nos teatros. Muitos familiares, outros curiosos, outros convidados por alguém. Em eventos de dança num contexto mais amplo, ou pequenas apresentações, o público também é participativo, admira e passa a acompanhar os trabalhos. Muitos já me adicionaram nas redes sociais após eventos, a fim de conhecer meus trabalhos e trocar informações. Em suma, conhecem como uma derivação da dança do ventre, como é comum para quem não conhece. Depois de explicar, eles mudam os pensamentos sobre a dança.


São produzidos poucos eventos destinados à dança tribal, devido à dificuldade que é para conseguir apoios e patrocínios. E para a produção cultural é preciso de renda.

A Bahia é muito grande comparado com outros estados e tem muitas pessoas que não tenho informações que pratica, estuda e/ou conhece a dança tribal. Tenho uma vasta noção da cena tribal baiana através do blog com os “Destaques” e outras informações que pesquiso. Tão pouco não somos, rs.

Outros campos que estamos sendo bem recebidos são nos eventos e haflas orientais. Tanto as bellydancers quanto o público são bem receptivos.

BLOG: Em 2012, você participou do show de abertura do Gothla Brasil. Gostaria que comentasse como surgiu esta oportunidade e sobre a experiência de dançar no palco mais obscuro das fusões tribais.
Após minha participação na votação online para poder participar do show no Gothla Brasil, na qual fui premiado, dancei no palco mais obscuro das fusões tribais...Foi minha primeira viagem para fora da Bahia e minha primeira participação juntamente com artistas da cena tribal que são referenciais no Brasil e adjacentes. No primeiro dia de workshops já fui me encantando ao ver artistas que você admira ao seu lado, tendo aulas com eles, podendo ter uma conversa cabeça ou mais descontraída e até uma dança improvisação em meio a boate, como foi com a Ariellah (me lembro até hoje dessa noite.


Alan, Marcelo e Caíque


Além do meu solo, fui convidado pela Jhade Sharif a dançar com mais dois bailarinos queridíssimos: o Alan Keippert (RJ) e o Marcelo Justino (SP). Foi lindo poder dançar com eles.


Quando fui dançar o meu solo, o nervosismo era grande. Mantive a calma e ao realizar o primeiro movimento, só me deixei ser conduzido por mim mesmo, ao som de Beats Antique (fã não tem jeito, rs). Saí do palco contente e espero logo voltar. Quem sabe até dançando no show de gala e ministrando workshop? #FicaDica




BLOG: Em 2014, você participou do EtnoTribes Festival (Salvador – BA), como assistente de produção. Gostaria que comentasse sobre essa faceta e também seu envolvimento com o evento.
Fazer parte de uma equipe de produção de um evento de dança nos traz um olhar diferenciado para nossa vivência. É estar do outro lado do palco, orientando, ajudando, procurando e informando a respeito de tudo sobre o evento.

Minha participação no Etnotribes foi como assistente da produção do show SIMBIOSE, estando junto da produção por um dia. Porém, foi crazy, porque são muitos detalhes para realizar, cumprindo horários, para que dê tudo certo. Estive nessa tarefa ao lado da Samile Dias. Fomos buscar a banda “Pedra Branca” no aeroporto, transportar os convidados, buscar elementos cênicos, da produção, do próprio evento... UFA!! Além de nós, a Priscila Sodré e a Trupe Mandhala também estavam na produção e esse conjunto ajudou o evento na sua melhoria e totalidade.


Bastidores: Caíque Melo e Samile Dias

Apesar de cansativo (e fazer produção de evento é bem desgastante), foi uma experiência muito enriquecedora, onde,pude perceber com maior clareza os processos para fazer com que um evento seja realizado.  


BLOG: Neste mesmo ano você participou do festival Bailares, em Feira de Santana – BA, ministrando workshop de “Waack Fusion” e também dançando como solista e com a Trupe Mandhala. Conte-nos um pouco sobre o tema do seu workshop. Como surgiu esta oportunidade e como foi a experiência de dançar em grupo com a Trupe?
Trupe Mandhala e Caíque Melo
O Bailares é uma produção da Trupe Mandhala que consiste basicamente em workshops e shows gratuitos. Participei das duas edições realizadas (2012 e 2014) e no último fui convidado para ministrar um workshop e participar do show de gala. Quando eu recebi o convite estava estudando sobre as danças Waacking, Vogue, Stilletto, Pop, Street Jazz e me interessei logo de cara, pois, a partir do convite, desenvolvi uma pesquisa de fusão entre as danças mencionadas ao tribal fusion belly dance. O Waack Fusion é um estilo que ainda estou pesquisando, mas que tem um caráter diferenciado do que tem-se visto da dança tribal. O caráter de hibridação de estilos de dança é difícil de se trabalhar, pois exige de estudos dos estilos para poder ser coerente com o caráter que é de fusionar. E misturar elementos de ambos e dar uma nova roupagem é trabalhoso. Pesquiso movimentações quase que diariamente, em meios de improvisação para possuir maior repertório e conhecimento do que eu tenho produzido.




O workshop foi bem recebido, com participação alta e ativamente. Todas minhas aulas e workshops eu disponibilizo uma apostila/programação da aula, com todos os movimentos estudados. São materiais importantes para se estudar e até relembrar depois de algum tempo sem contato com o mesmo.

BLOG: Em 2015, você está ministrando, juntamente com Antonia Ribeiro da Trupe Mandhala, o “Cozy Work”. Como surgiu a idéia? Qual a proposta do curso? Como chegaram ao número ideal e limitado de três alunos.
O Cozy Work foi uma idealização minha e convidei a Antonia para participar, parceria essa que consiste há um tempo e também somos colegas de casa. A primeira edição foi realizada em março e foi muito interessante como o acontecer da aula foi se dando. O projeto, que pensamos em realizá-lo mensalmente, consiste em estudar sobre o corpo e a dança de forma teórico-prática, com um número de alunos bem reduzido, para que assim tenhamos um olhar mais apurado para os ensinamentos e as observações. Fizemos algumas experimentações de disposição no espaço para podermos chegar ao número de 3 participantes.

Além disso, por ser realizado em uma casa, traz uma ideia de conforto, de bem-estar, de aconchego. Não somente isso, almoçamos juntos... uma refeição saborosa, leve e energética para continuar com os estudos. O nome, de tradução, “Trabalho Aconchegante”, foi pensado para informar diretamente essa ideia.

Muitas ideias estão sendo estudadas por nós dois para poder ir avante com o projeto que pode ser bem interessante para difundir.

BLOG: Conte-nos um pouco sobre suas principais coreografias. O quê o inspirou para a formulação da parte conceitual e técnica das suas coreografias, assim como o processo de elaboração dos figurinos e maquiagens. Como essas coreografias repercutiram na cena tribal? 
Alguns vídeos que tenho disponível na internet são improvisos. Mas, por ser improviso, não quer dizer ser feito de qualquer maneira. Sempre há uma pesquisa por trás, com processos de improvisação para investigação de movimentos, cênica, de figurino e etc. Tenho trabalhado muito com improvisação-investigação, sendo muitas vezes estudados em casa para depois ser apresentado. Esse processo que dá norte ao que será a coreografia, a ideia, ao figurino. Algumas vezes me vejo um pouco frágil em relação ao compor figurinos e maquiagens. Apesar de todos os adereços que se usa, há uma concepção por detrás da coreografia, há um gênero que está dançando, há renda, há o ambiente, etc. Tenho amigos que me ajudam sempre com esses dois quesitos. São uns anjos  – e pesquiso sobre.

BLOG: Apesar de estar cada vez mais se consolidando e ganhando força, a dança tribal ainda é recente no universo da Dança no país. Como a dança tribal está ganhando espaço na cena acadêmica? E o quê você considera importante ainda ser trabalhado no âmbito acadêmico para a dança ser mais valoriza e reconhecida?
Mesmo nas academias de dança, bem como de profissionalização, é preciso explicar os caráteres da dança. Pelo desconhecimento, muitos não procuram aprender a dança tribal e poucos já viram ao menos uma apresentação. Acredito que quanto mais produção e divulgação dos trabalhos, da história e das pesquisas houver, mais atraentes para a dança vamos ter. Os trabalhos devem ser contidos de identidade, de autenticidade. A contemporaneidade nos embarca em pesquisar a nossa dança, novas maneiras de mover. A beleza que tem a dança tribal com sua técnica, com suas movimentações e seus figurinos belíssimos também chama muita atenção, pois é uma dança diferente, parecida com... –como alguns já me descreveram-, mas diferente. E essas diferenças que cada tribalista leva, e acredito eu, que se deve procurar sempre, nos dá mais espaço para apreciadores, participantes e público.

BLOG: O quê você mais gosta no tribal fusion?
A estética, o místico, as roupas, os movimentos...

Tudo me atrai na dança tribal. Fico vendo vídeos e percebendo as diferenças e semelhanças de cada um, o como está lidando as novas coreografia e pensamentos dos artistas. A dança tribal deve ser pesquisada nas academias, deve ser aprofundada. Quando vou fazer isso, em uma movimentação que faço, já me vem “n” questionamentos para entender a execução e como é no meu corpo, por exemplo. Faço muito isso quando produzo os workshops e as aulas. Me ajuda bastante. 


BLOG: O quê você acha que falta à comunidade tribal?
Pensar na dança como teoria-prática, com pesquisas de cinesiologia, psicologia, sociologia, etc. Acredito que a dança tribal é muito enriquecedora nos meios de pesquisa de movimento, consciência corporal, bem-estar e demais campos de estudo. Isso vai muito do interesse de cada um, claro, mas, quando pensamos a dança não somente e puramente numa estética, numa execução/repetição de movimentos (e vejo isso necessário, pois, é uma dança que possui técnica), percebemos nosso corpo e nossas possibilidades de trabalho muito mais amplamente.

BLOG: Como você descreveria seu estilo?
Digo que estudo dança tribal fusion e dança fusão. Apesar de procurar não rotular tudo, sendo às vezes necessário, vejo que meus trabalhos e pesquisas estão de abrangendo e tomando outros caminhos que não somente a dança tribal. Procuro mantê-la sempre, pois gosto do estilo, mas não me fecho somente ao estudo do mesmo. Vou procurando fusionar o que me interessa e que eu ache interessante. 

BLOG: Como você se expressa na dança?
Me vejo diferente nos palcos, como se fosse um outro Caíque. Ao dançar eu me sinto aberto, me expressando através das movimentações que realizo. Mas, se faz necessário também, invocar uma outra persona, um personagem, para que se possa passar as impressões desejadas. A depender da apresentação, a forma de se mover, o olhar, o figurino, etc., se diferencia.

BLOG: Quais seus projetos para 2015? E mais futuramente?
Estou com um projeto de espetáculo solo que está em construção. O espetáculo tem sido pensado há alguns anos, sendo retomado a ideia no final do ano passado, com os trabalhos de Waack Fusion e tenho trabalho nele agora. Se trata de hibridações (sexual, movimentação corporal, religiosa, tecnológica). Ainda está engatinhando, mas pretendo apresentá-lo na sua totalidade até o final desse ano.

Tenho outras ideias, alguns planos ainda no papel (ou Word, rs), mas que com certeza serão realizados. Projetos como eventos de dança, workshops, aulas, exposições e escritas (quem sabe não passo a escrever para o blog, rsrs) estão dentre projetos futuros.

BLOG: Improvisar ou coreografar? E por quê?
Os dois!

Meus trabalhos são partidos muito de improvisação e até sendo apresentados em improvisação. Mas se faz necessário, para o entendimento e também criação de movimentações, o estudo coreográfico. Além do que, coreografar também nos permite fazer as ditas “limpezas coreográficas”, que são modificações realizadas na coreografia para uma melhor estética, por exemplo.

A improvisação tem seu papel também. Improvisar em uma música não é fácil e exige de um conhecimento sobre espaço, repertório de movimentos, musicalidade, etc., que faz com que a dança improvisada seja bela, sem muitos erros técnicos.

BLOG:  Você trabalha somente com dança?
Sim. Sou bolsista do Pibid/Dança (Programa da CAPES), onde dou aulas de dança para crianças, além dos meus trabalhos autônomos.

BLOG: Deixe um recado para os leitores do blog.
Agradeço por ter lido tudo isso até o final (rsrs). São muitas coisas que gostaria de falar, mas tentei resumir ao que achei mais importante de se dizer aqui e agora. Espero, logo mais, poder escrever, conversar e papear mais sobre a dança, anseios, receios e vontades, a fim de compartilhar conhecimento com quem se interessar.
E para conhecer os meus trabalhos, acompanhar os futuros e se quiser, conversar, é só me seguir nas redes sociais. :D

Para finalizar, deixarei uma frase que descreve um pouco sobre o que procuro e o que devemos procurar para nossa vida ser bem melhor.

“Não me interessa o que você faz da vida. Quero saber os seus desejos – e se você ousa sonhar em sucumbir aos anseios do seu coração. Não me interessa a sua idade. Quero saber se você irá arriscar parecer um tolo – por amor – pelos seus sonhos – pela aventura de estar vivo.”
Oriah Mountain Dreamer
  
E que aventura é a vida... =)

BEIJOS bem tribalescos pra todos!
Gratidão. :D


Contato

Tel/cel: 
(71) 9383-6054 / (77) 9813-6401 [WhatsApp]

E-mail:
 caique-melo@live.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...