[Passo a Passo] Yoga

por Natália Espinosa


Em primeiro lugar, gostaria de pedir desculpas pelo meu sumiço nesses últimos meses. Mas estou de volta para compartilhar com vocês algo que mudou minha dança e minha vida nos últimos meses! Como vocês já devem ter percebido, estou falando da prática do Yoga.

Quem dança tribal já sabe a importância do Yoga para nossa dança e, provavelmente, já fez pelo menos alguns asanas em algum aquecimento/alongamento em aulas ou workshops. Meu contato com o Yoga se resumia a esses momentos, também. Mas resolvi adotar a prática depois que comecei a ter aulas particulares com a Mariana Quadros, que é instrutora de Hatha Yoga também, e com quem aprendi um treino bem legal que tem me trazido muitos resultados excelentes em pouco tempo. Outra experiência que tive com Yoga nesses últimos meses foi o workshop de Floorwork de Yoli Mendez e Gabriela Miranda, onde aprendi mais algumas posturas para praticar. Por isso, resolvi colocar aqui algumas sugestões de material para quem não tem como estudar com algum professor.



DVDs da Rachel Brice, que dispensa apresentações, e que também é instrutora de Yoga (Vinyasa)

Eu conheço o Tribal Fusion Bellydance e o Serpentine, pois tenho ambos em casa. Tanto em um quanto em outro você encontra treinos de yoga que você pode acompanhar tranquilamente. Eu gosto bastante do DVD Serpentine, ele te dá uma opção organizada de cronograma para treinar. O Tribal Fusion Bellydance está no Youtube – eu particularmente não gosto dessa prática, de disponibilizar material no youtube sem autorização. Por isso, eu não vou colar o link aqui. Mas é só digitar o nome do DVD e Rachel Brice no Youtube que vocês encontram. Apesar de ser um DVD antigo (Rachel Brice novinha e fofa, Carolena falando na introdução com franjinha e tudo), eu ainda uso para treino tanto de Fusion quanto de Yoga!






DVD do FCBD® volume 8 – Floorwork

Este DVD contém uma das práticas de Yoga que eu mais gosto. A Anita Lalwani, que também é instrutora de Yoga, ensina uns 40 minutos de posturas especialmente para ajudar com a execução do trabalho de chão para ATS®. Eu AMO Floorwork, e esse treino é bem gostoso de fazer. Recomendo muito  =)



Datura Online

Eu nunca me canso de dizer o quão maravilhoso é ter uma assinatura do Datura Online. Temos acesso a tanto material de qualidade por um preço tão justo que eu me sinto na obrigação de divulgar sempre que tenho a oportunidade. Diversas práticas com variadas finalidades, ensinadas por diversas professoras. Vale muito a pena, já fiz algumas, amo as da Ashley Lopez  (L)



 Pinterest

Você pode encontrar muitas boards no Pinterest com imagens explicativas para a prática de Yoga. Não tenho muito tempo para ficar no Pinterest, infelizmente, porque eu AMO! Mas tenho uma tímida board de Yoga que me ajuda bastante:


Explorando a tag “yoga” no Pinterest, você certamente encontrará muitas coisas interessantes.


Livros

Eu não vou indicar nenhum livro específico, pois existem muitas linhas de yoga e muitos níveis também. Eu costumo ir a sebos e procurar livros sobre yoga, de preferência com imagens de posturas que eu já aprendi para recordar e fazer em casa. Comprar esses livros novos acaba se tornando custoso, geralmente são caros, então eu busco em sebos mesmo.

Eu espero que vocês incorporem a prática de Yoga na vida de vocês! Se tiverem a oportunidade, busquem um professor – pode inclusive ser de tribal, temos diversos professores que também são formados ou têm um conhecimento sólido em Yoga – pois é sempre bom ter alguém para nos corrigir e orientar. Não ter um professor regular ou não ter dinheiro para entrar num curso não nos impede de fazer uma prática diária saudável – com todo o cuidado com nosso corpo, respeitando nossos limites e não colocando nossa integridade física em risco!

Beijos e espero vocês no mês que vem, com mais dicas!



[Perdido na Tradução] Episódio 4: " Exercício de Confiança"

por Raphaella Peting





 Note: The English version of this text is below this post.

Independentemente da idade, raça, credo ou cor, um dos traços comuns que nós como seres humanos partilhamos é a ânsia inerente de pertencer. Esta necessidade existencial, enraizados em nossa psique em uma idade jovem, segue em torno de nós em quase todas as fases de nossas vidas. Embora nós mantermos um forte senso de individualismo, como é óbvio, com muitos de nós nas artes, a ânsia de ser necessário por um coletivo ainda é proeminente.

Há muitos exemplos disso que nós experimentamos ao longo de nossas vidas. Da esperança de ser convidado a sentar-se à mesa das crianças populares no almoço durante a adolescência as instituições "gregas" de fraternidades e irmandades durante os nossos anos de faculdade e mesmo em idade avançada com os grupos sociais entre os idosos, a ânsia de pertencer continua para ressurgir periodicamente ao longo de nossas vidas. Quem sabe? Talvez esta seja uma coisa boa: um instinto de sobrevivência ... a correr com o rebanho. Embora a maioria de nós, sem dúvida, foram equipados com este instinto de sobrevivência, alguns são mais hábeis do que outros em assimilar no rebanho, bloco de lobo ou tribo. Eu, infelizmente, nem sempre tive a melhor sorte nesta área. Eu não falo muito, eu sou socialmente ansiosa e eu prefiro muito mais a companhia de animais, em vez de seres humanos. Na verdade, eu ainda acho que é mais fácil de confiar em animais do que em humanos. No entanto, ao longo do tempo, aprendi a arte da conversação ... pelo menos em Inglês.

A confiança é uma coisa engraçada. É uma parte necessária da vida. Ou dependendo do seu ponto de vista, um mal necessário. Não é difícil ver por que a confiança é virtude difícil de adquirir. Quando damos nossa confiança a alguém estamos expostos; vulneráveis à dor e rejeição. Mas quando funciona, a recompensa vale a pena o risco. E isso, senhoras e senhores, me leva a minha próxima tarefa: fazer amigos como um adulto. E não apenas amigos ... mas AMIGOS NÃO DANÇARINOS! Agora, alguns de vocês podem pensar que isto é “mamão com açúcar”. MMmmmm... mamão. Mas aqui, eles jogam por um conjunto diferente de regras. E além disso, eu estava muito mal equipada para a missão.

Permitam-me estabelecer o cenário pra você: uma introvertida, socialmente difícil gringa propensa a ataques de pânico com uma má compreensão do dialeto local, tentando "fazer amigos" em um país estrangeiro?!  Sim, mesmo  só duas dessas características sozinhas são uma receita para desastre! E posso lembrar-lhe que todo esse cenário está fora da zona de conforto do estúdio de dança? Isto significa que não posso usar nenhum truque incrível de dança como quebra gelo.

Durante minha busca humilhante de fazer amigos civis, também conhecido como amigos não-dançarinos ou ANDs, houve várias lições que aprendi sobre a maneira como coisas funcionam por aqui em respeito à etiqueta social:

Lição nº 1: A definição de "operando em horário brasileiro".

Esta frase (explicado a mim por um local) é usado para descrever uma situação em que alguém faz planos com você, mas quando o tempo planejado está chegando, ela te chama para dizer: "Eu ainda estou chegando! Eu apenas estarei 30 minutos atrasada ". Em seguida, uma hora depois, você recebe uma outra chamada ou texto ditado: "Estou quase lá!" No entanto, na realidade, essa normalmente significa que a pessoa não deixou seu apartamento ainda, mas ela está quase pronta e vai provavelmente passar mais 2 horas antes dela chegar. No início, isso era incrivelmente frustrante, mas você se acostuma com isso. Olhando pelo lado bom, eu estou raramente atrasada para um evento. Também, quando eu visito os EUA, eu estou tão Zen. Brasil expandiu significativamente meu limite de paciência.

Lição nº 2: A praia é quartel general.

Durante o fim de semana, praticamente todo mundo se encontra na praia antes do resto das atividades que eles planejaram para o dia. Se você tentar organizar um encontro mais tarde durante a tarde, provavelmente não vai acontecer. Além disso, tentar encontrar alguém na praia por chamar no telefone dela, não vai acontecer. Geralmente, se você não sabe ainda qual barraca eles estão, você está sem sorte. Mas quando os planos dão certo, a praia é muito divertida! As pessoas são tão ativas aqui e há tantas opções de atividades para fazer! Você pode praticar stand up paddle , jogar futvôlei, surfar e ficar bronzeado, tudo isso no mesmo dia! Já estive em muitas praias em todo o mundo, e eu posso te dizer com certeza que existe algo extraordinário sobre as praias do Rio ... uma energia vibrante. Então, mesmo quando eu não podia achar minha amiga na praia, um pouco tempo de meditação sobre areia morna ao lado das refrescantes e salgadas ondas do mar era um excelente prêmio de consolação.

Lição nº 3: Crescer uma pele grossa.

A observação mais aparente que eu fiz na minha tentativa de fazer ANDs aqui como um estrangeiro é que ... é “fracking” difícil!  Não importa o quanto de esforço que eu dei para tentar fazer um amigo local fora do mundo da dança, ele simplesmente não aderiria. E cada vez que eu fiz conexão com um outro estrangeiro no Brasil, era apenas uma questão de tempo antes que eles retornassem ao próprio país e eu estava sozinha novamente. Eu me senti como a voluntária em um abrigo de animais ... ou casa para idosos. Então depois de meses falhando miseravelmente nisto, eu finalmente perguntei ao meu primeiro e único AND brasileiro na época o que eu estava fazendo errado. Eu não entendi. Eu estava fedendo? Eu estava emitindo uma vibração desconfortável ou algum tipo de mau cheiro de desespero?  Eu sei que não sou a imagem de uma socialite, mas nunca foi tão difícil fazer amigos antes disso. Felizmente, o amigo que eu tinha escolhido para confiar, tinha passado a maioria de seus anos de faculdade nos EUA e ele pôde  explicar a situação para mim.

Ele explicou que em sua maior parte, muitos brasileiros tendem a ficar com o grupo coeso de amigos que eles estabeleceram durante a adolescência, porque é comum para eles ficarem morando relativamente perto da área em que eles cresceram.  Mas nos EUA, tendemos a criar fortes amizades ao longo de diferentes períodos em nossas vidas, porque é comum as grandes distâncias para mudanças de vida significativas ou fases como mudar para a faculdade ou uma transferência de emprego em um estado novo.  Como um resultado, os norte-americanos são pré-condicionados a serem mais receptivos a possíveis amizades e, consequentemente mais acolhedores.

Há também a possibilidade que ele apenas se sentiu mal por mim, consciente do fato de que eu não tive sucesso em fazer amigos aqui e ele queria proteger meus sentimentos. Por motivos de preservar algum senso de dignidade, eu escolho a primeira opção.

De fato, um traço comum entre dançarinos em nosso gênero particular de dança do ventre muitas vezes encontra algum tipo de dificuldade durante a adolescência, e às vezes até a idade adulta quando tenta se ajustar em um grupo (fora da comunidade de dança). Assim, não é difícil perceber que a razão de muitos de nós foram atraídos para o enraizado, caloroso abraço da Comunidade de Dança Tribal no primeiro lugar.




Quando empossado na Tribo, aqueles de nós que previamente evitava funções sociais agora tinha uma grande quantidade de amigos. Do ponto de vista antropológico o traço que eu mais admiro sobre a nossa pequena comunidade é o fato de que temos nossa própria língua. Dentro do nosso grupinho existe uma maneira em que podemos ter uma conversa inteiramente sem a palavra falada através de nossa própria língua de sinais especializada conhecida como ATS. Independentemente do país ou dialeto, nos possuímos a capacidade de comunicar entre si por meio da linguagem universal da dança. Isso é uma coisa muito poderosa.

É incrível o que pode ocorrer quando os indivíduos com os mesmos ideais e aspirações unem-se para criar arte e compartilhar conhecimento. Muitos de nós devemos muito e sentirmos um imenso senso da gratidão a madrinha da American Tribal Style, Carolena Nericcio, pelo dom da conversa através da improvisação. Esta poderosa forma de expressão feminina nos deu uma liberação criativa e uma irmandade extensiva através do seu impacto global. Tanto assim, que hoje existe um número crescente de dançarinos que adicionaram uma segunda língua; uma forma adicional de dança do ventre improvisação conhecida como UNMATA ITS. A criança cérebro do  UNMATA ITS, Amy Sigil, tem uma forte presença internacional e continua a crescer. E a partir de agosto de 2015, eu finalmente fui capaz de trazer essa forma inebriante de Improvisação Tribal e uma de suas professoras, a encantadora April Rose, aqui ao Brasil pela primeira vez! Foi trabalhoso e muito planejamento, mas completamente valeu a pena!

Pertencer a esta manada de dançarinas tribais me deu tanto. Em particular, ela me deu um senso renovado de confiança no vínculo feminino e as virtudes da irmandade.  Enquanto que previamente tenha evocado sentimentos de jantares de família desconfortáveis (especialmente durante os feriados), acompanhada por algumas críticas indesejáveis sobre minha aparência externa ou escolhas do estilo de vida, agora existia um sentimento de aceitação.

Como eu havia mencionado antes, fazer amigos nunca foi uma habilidade que eu tinha dominado, especialmente estabelecendo amizades femininas. Por causa da minha natureza calma, amor ao ar livre e ódio geral de qualquer coisa rosa ou "de garotinha", a maioria dos meus melhores amigos eram normalmente masculino. Talvez a razão está conectada ao fato de que eu cresci em uma casa com 3 irmãs que estavam constantemente gritando umas com as outras. Que é sem dúvida por que eu evito confrontações como a praga! Então é justo afirmar que eu tive minha cota de drama feminino em uma idade jovem. A mais jovem de 4 meninas, eu era sempre o recipiente de algum esquema desagradável. No entanto, do lado positivo, lutar com minhas irmãs por todos aqueles anos, quando eu era mais jovem intensificou minha habilidade natural na prática do Jiu Jitsu.

A minha experiência na comunidade tribal, me deu a oportunidade de reexaminar a definição de "irmandade".  Não apenas o significado, mas a fonte de sua força.   Eu atribui isso a dois fatores. O primeiro é que, enquanto os membros da família biológica são determinados aleatoriamente em algum tipo de sistema de loteria genealógica, nós escolhemos a nossa família tribal por nossa própria vontade. Esta ação demonstra um ato de boa fé e permite uma maior sensação de confiança. Ou seja, você não tem a obrigação de cuidar um do outro, você escolhe. A segunda razão é a força das matriarcas ou líderes em nossa família tribal.

Há muitos pilares da nossa comunidade tribal que contribuíram para o significado profundo que tem em nossas vidas. E como qualquer mãe, ela desempenha vários papéis. Na minha experiência, os dois papéis mais importantes são a capacidade de incentivar a importância da educação continuada nesta forma de arte delicada e liderar pelo exemplo, em regime de prática e etiqueta da dança.

É importante manter esse sentido de unidade e direção não só durante os bons tempos, mas nos momentos de dúvida também. Ou, no caso mais recente, quando esse nível de confiança que trabalhamos tão diligentemente para manter é violada.  Quando as ações não previstas daqueles que realizaram em tão alta consideração resultam em uma enorme sensação de violação sentida por nossas irmãs de dança.  O incidente infeliz que eu refiro é a situação desanimadora envolvendo Tribal Fest e a mágoa e violação da confiança que se desenrolou no rescaldo de alguns comentários intensamente brutos e depreciativos. Provando mais uma vez que a caneta, ou neste caso, o teclado, é mais poderoso que a espada. E esta lesão em particular nos corta profundo.

Mas eu não estou aqui para cultivar novamente feridas velhas. Estou aqui para dizer que a males que vem para bem.   O bem que eu refiro é o exemplo de alguns dos pilares da nossa irmandade e da dignidade e graça em que tratadas a situação.  Por exemplo, a carta de acompanhamento de Rachel Brice explicando a "Public Statement Regarding Tribal Fest® " foi também um exemplo estelar de liderança.  Em um esforço para lançar alguma luz sobre a situação e resolver as nossas preocupações, ela polidamente explicou a situação em suas próprias palavras clarificando por que as pessoas afetadas tomaram a ação que elas fizeram e o que significou para nós. Além disso, Rachel também declarou: "Algumas pessoas vão sentir que este comportamento deve justificar a não-participação no festival, e alguns não. Cabe a cada indivíduo fazer a sua própria mente sobre isso."  Eu pensei que este ponto foi muito benéfico para o processo de cura e pró-ativo no esforço para desencorajar a mentalidade chula. Classe à enésima potência. Kudos Srta Brice, kudos.

Além disso, sinto um orgulho imenso da enorme quantidade de apoio demonstrado por nossas irmãs de dança de todo o mundo prontas e dispostas a correr para o auxílio das pessoas lesadas e fazer o que é necessário para proteger a santidade e a sensação de segurança dentro de nossa comunidade. Embora eu não seja a favor das palavras de ódio que encheram a internet, arremessado esquerda e direita, em uma tentativa de chamar o culpado (você não pode lutar contra o ódio com ódio), posso simpatizar com eles. Muitos queriam que ele e os outros culpados pagassem por seus crimes e justiça não estava chegando com uma rapidez suficiente.   A frase, "você mexe com um de nós, você mexe com todos nós" vem à mente.

Como dançarinas, incorremos vários tipos de lesões ao longo de nossas carreiras. Algumas curam rapidamente, algumas requerem cirurgia e algumas nunca se recuperam totalmente. Depois, há as lesões mentais; as que podem ser tão dolorosas e prolongadas para reparar como a física. Uma lesão antiga do joelho tem muito em comum com uma quebrada do senso de confiança . Ambas possuem uma tendência a incendiar-se em intervalos inesperados, obstruindo a sua capacidade de funcionar corretamente, e ambas podem causar danos irreparáveis.

No entanto, é importante lembrar de não permitir que as ações incrivelmente estúpidas de uma pessoa ou grupo pequeno enfraqueçam nosso estado de bem-estar por afetar nossa capacidade de confiar nos outros no futuro. Com a força que possuímos, individualmente e como um, podemos voltar a partir deste. Vamos curar porque nós temos uma a outra e dependemos de nossas AMIGAS... nossas IRMÃS... nossa TRIBO.


Episode 4: “Trust Exercise”



Regardless of age, race, creed or color, one of the common traits we as human beings share is the inherent desire to belong.  This existential need, ingrained in our psyche at a young age, seems to follow us around in just about every stage of our lives.  Though we maintain a strong sense of individualism, as is apparent with many of us in the performing arts, there still exists a prominent desire to be needed or simply included by a collective. 

There are many examples of this we incur throughout our lives.  From the hope of being asked to sit at the “cool kids” lunch table during one’s adolescence to the “Greek” institutions of fraternities and sororities during our college years, and even the social groups among the elderly such as The Red Hat Society, the desire to belong continues to resurface periodically throughout our lives. Who knows?  Maybe this is a good thing: a survival instinct even… to run with the herd.  Although most of us have undoubtedly been equipped with this survival instinct, some are more adept than others at assimilating into the herd, wolf pack or TRIBE if you will.   I for one have always been challenged in this area.  I don’t talk much, I’m socially anxious and I much prefer the company of animals to humans.  Actually, I still find it easier to trust animals over humans.  However, I have learned the art of conversation… in English that is.

Trust is a funny thing.  It’s a necessary part of life.  Or, depending on your viewpoint, a necessary evil.  It’s not hard to see why trust is a difficult virtue to come by.  It leaves us exposed; vulnerable to hurt and rejection.  But when it works, the reward is well worth the risk.  And this, ladies and gents, brings me to my next task: making friends as an adult.  And not just any friends… NON-DANCER FRIENDS! (GASP!) Now, some of you may think this is a piece of cake. MMmmmmm, cake.  But here, they play by a different set of rules.  Not to mention, I was WAY ill equipped for the mission.

Allow me to set the scene for you; an introverted, socially awkward gringa prone to panic attacks with a poor grasp of the local dialect, trying to “make friends” in a foreign country?!  Yeah, even just two of those traits alone are a recipe for disaster!  And may I remind you that this whole scenario is outside the safety net of the dance studio?  That means no cool little “look what I can do” dance tricks to use as icebreakers. 

During my humiliating quest of making civilian friends, also known as non-dancer friends or NDFs, there were several lessons I learned about the way things work around here in regards to social etiquette: 

Lesson no. 1: The definition of, “running on Brazilian time”   
This turn of phrase (explained to me by a local) is generally used to describe a situation where someone makes plans with you, but when the time of planned arrival is approaching, they call you to say, "I'm still coming!  I'm just running 30 minutes late".  Then an hour later, you get another phone call or text saying, "I'm almost there!"  Now, in reality, that usually means that the person hasn’t quite left their apartment yet and it’ll probably be about another 2 hours or so before she or he arrives.  At first, it is unbelievably frustrating, but you get used to it.  On the bright side, I’m rarely late for anything.  Plus, whenever I go back home to the states, I am beyond Zen.  Living in Brazil has busted my threshold of patience wide open!

Lesson no. 2: The beach is home base
During the weekend, virtually everybody meets up at the beach first before the rest of the activities they have planned for the day.  If you try to arrange a meet up for later in the afternoon, it probably won’t happen.  Also, trying to find someone on the beach by calling that person’s phone is not going to happen.   Usually, if you don’t already know what barraca (beach stand) they’re at, you’re pretty much screwed.  But when plans do work out, the beach is so much fun! People are way more active here than they are in the US, and there are so many activities!  You can paddle board, play foot volley (an incredible combo of soccer and volleyball), surf and even get a tan all in the same day!  I’ve been to many beaches all over the world, and I can tell you, there is something extraordinary about the beaches in Rio… a vibrant energy.  So, even when I couldn’t find my friend at the beach, some much needed meditation time on the warm sand next to the cool, salty ocean waves was one fine consolation prize.

Lesson no. 3: Grow a thick skin
The most apparent observation I’ve made in my attempt to make NDFs here as a foreigner is that… it’s fracking hard! No, but seriously.  No matter how hard I tried to make a local friend outside of the dance world, it just wouldn’t stick.  And every time I made a connection with another foreigner in Brazil, it was only a matter of time before they left and I was all alone again.  I felt like the volunteer at an animal shelter… or an old folks home.   So after months of failing at this pretty hard, I finally asked my one and only Brazilian NDF at the time what I was doing wrong.   I didn’t get it.  Did I smell? Was I giving off a weird vibe or omitting some sort of stench of desperation?  I mean, I know I’m not “Little Miss Social”, but it was never THIS hard to make friends before.   

Luckily, being that my friend had spent most of his college years in the US, he was able to pin point the situation for me.  He explained that, for the most part, many Brazilians tend to stick with the close-knit group of friends they established during their adolescence as it’s common for them to remain relatively close to the area in which they grew up. Whereas in the US, we tend to create strong friendships throughout our lives as it’s common to relocate great distances for major life changes of the different phases in our lives such as moving away to college or a job transfer in a new state.   So, as a result, North Americans are preconditioned to be more receptive to potential friendships and in turn, more welcoming. 
Either that or he just felt bad for me, aware of the fact that I suck at making friends and he wanted to spare my feelings.  For the sake of preserving some sense of dignity, I choose the former.    As you can imagine, I gave up on this quest after about 7 months.  You can’t say I didn’t try!  Besides, it all worked out for the best anyhow as I tend to find normal people boring.  Interestingly enough, I am not the only one that finds it hard to play nice.

In fact, a commonality among dancers in our particular genre of belly dance often encounter some form of difficulty during adolescence, and at times into adulthood, when attempting to acclimate into a group (outside of the dance community of course).   So, it’s not hard to see why so many of us were drawn to the rooted, warm embrace of the Tribal Belly Dance Community in the first place.




Once inducted into the Tribe, those of us that had previously avoided social functions suddenly had more friends than they knew what to do with.   From an anthropological standpoint, I would have to say the trait I most admire about our little community is the fact that we have our own language.  Within our little circle exists a way in which we can have a conversation entirely without the spoken word through our own specialized sign language known as ATS. Regardless of country or dialect, we possess the ability to communicate with each other through the universal language of dance. That’s a very powerful thing.

It’s amazing what can happen when like-minded individuals come together to create art and share knowledge.  So many of us owe a great deal and feel an immense sense of gratitude towards the Godmother of American Tribal Style Belly Dance, Carolena Nericcio, for the gift of conversation through improvisation.  This powerful form of feminine expression has provided us with a creative outlet and an extensive sisterhood through it’s far reaching impact.  So much so, that today, there are a growing number of dancers who have added a second language to their belts; an additional form of improvisational style belly dance known as UNMATA ITS. The brainchild of Amy Sigil, UNMATA ITS has a substantial growing international presence. And, as of August 2015, I was finally able to bring this intoxicating form of International Tribal Style Improvisation AND the lovely April Rose down to Brazil!  It was a lot of work and planning, but well worth it!   

Belonging to this herd of Tribal Belly Dancers has given me so much.  In particular, it has given me a renewed sense of trust in the female bond and the virtues of sisterhood.  Whereas it had once conjured up feelings of uncomfortable family dinners (especially during the holidays) accompanied by some unwanted criticisms about one’s outward appearance or life style choices, there now existed a feeling of acceptance. 

As I mentioned before, making friends was never a skill I had quite mastered, especially when it came to creating female friendships.  Due to my quiet nature, love of the outdoors and general hatred of anything pink or “girly”, most of my close friends were usually male.  Maybe it has to do with the fact that I grew up in a house with 3 sisters who were constantly screaming at each other.  Which is undoubtedly why I avoid confrontation like the plague! The youngest of 4 girls, I was always the recipient of some unpleasant scheme. However, on the plus side, wrestling with my sisters for all of those years during my childhood increased my natural ability in the practice of Jiu Jitsu.     

My experience in the tribal community, gave me the opportunity to reexamine the definition of the term “sisterhood”. Not only it’s meaning, but the source of its strength.   I’ve attributed this to two factors.  The first being that, whereas biological family members are determined at random in some sort of genealogical lottery system, we chose our tribal family by our own free will.  This action I feel demonstrates an act of good faith, in turn allowing for an increased sense of trust.  In other words, you don’t have an obligation to look after one another, you choose to.  The second attributing factor is the strength of the matriarchs or leaders in our tribal family.    

There are many pillars in our tribal community that have contributed to the profound significance it has in our lives. And like any mother, she plays many roles.  In my experience, the two most prominent being the ability to encourage the importance of continued education in this delicate art form and to lead by example in practice regimen and dance etiquette. 

It is important to maintain this sense of unity and guidance not only during the good times, but in times of uncertainty as well.  Or in the most recent case, when that level of trust we work so diligently to maintain has been breached.  When the unforeseen actions of those we once held in such high regard result in an overwhelming sense of violation felt by our dance sisters.   The unfortunate incident I am in deed referring to is the disheartening situation surrounding Tribal Fest and the hurt and violation of trust that unfolded in the aftermath of some intensely gross and derogatory comments.  Proving once again that the pen, or in this case the keyboard, is mightier than the sword.  And it sure as hell cut deep. 

But I am not here to rehash old wounds.  I am here to draw attention to the silver lining on this cloud of shit.  The silver lining I am referring to is the example set by some of the pillars in our sisterhood and the dignity and grace in which they handled the situation.  For instance, RB’s follow up letter explaining the “Public Statement Regarding Tribal Fest®" was a stellar example of leadership.  In an effort to shed some light on the situation and address our concerns, she politely explained the situation in her own words clarifying not only why those affected took the action they did, but what it meant for us.  In addition, Rachel also stated, “Some people will feel that this behavior should warrant non-participation with the festival, and some won't. It's up to every individual to make up their own mind about it.” I thought this point was very beneficial for the healing process and proactive in the effort to discourage a mob mentality.  Classy to the nth degree. Kudos Miss Brice, kudos.

I also feel an immense pride from the sheer amount of support shown by our dance sisters from all over the globe ready and willing to come to the injured parties aid and do what is needed in order to protect the sanctity and sense of security within our tribal community.   Although I cannot condone the hateful remarks that flooded the Internet, flung left and right, in an attempt to call out the guilty party (you can’t fight hate with hate), I can definitely sympathize with them.  Many wanted him and the other guilty parties to answer for their crimes and justice wasn’t coming fast enough.  The phrase, “you mess with one of us, you mess with all of us” comes to mind. 

As dancers, we incur many types of injuries throughout our career.  Some heal quickly, some require surgery and some never fully recover.  Then there are the mental injuries; the ones that can be just as painful and time consuming to repair as the physical.  An old knee injury has a lot in common with a broken sense of trust.  Both have a tendency to flare up at unexpected intervals, hindering your ability to properly function, and both can cause irreparable damage.    

However, it’s important to remember not to allow the incredibly stupid actions of one person or small group to weaken our state of well being by affecting our ability to trust others in the future.  With the strength that we possess, individually and as a whole, we can come back from this.  We will heal because we have each other to depend on…  our FRIENDS… our SISTERS… our TRIBE.   



[TCB] Episódio #6: A dança tribal segundo as brasileiras

Clique na imagem acima para ouvir o podcast

Terceiro episódio de 2015 no ar, pessoal!

Inspiradas no programa " O mundo segundo os brasileiros" da Tv Bandeirantes, fizemos um podcast com três brasileiras que vivem em diferentes países e tem o tribal como estilo de vida! Ana Harff da Argentina, Isabel De Lorenzo da Itália e Mariana Vieira da Alemanha;além do bônus especial: nossa apresentadora Mariáh Voltaire que viveu 7 meses em Portugal! As quatro contam suas experiências nesse super bate-papo de quase 2 horas! Sim, esse podcast ficou um pouco mais longo por ser mais informativo, mas com certeza tem muita informação interessante!

E se você já viveu em algum país, não deixe de escrever uma mensagem nos comentários contando e compartilhando sua experiência(aqui ou lá no blog do podcast ;))!


Mais informações:

Página no facebook:

Blogger:

[Notícia Tribal] Adeus Tribal Fest®

NOTA DA AUTORA:
Pessoal, eu sei que a notícia está um pouco atrasada,mas esperei um tempo para ver como desenrolaria toda essa confusão. Acredito que o importante seja registrar a notícia no blog, pois muitas pessoas ainda não devem saber sobre o ocorrido, ou então, estão confusas sobre o acontecimento. Meu objetivo com o "Notícia Tribal" é trazer as informações de forma imparcial, cabendo, ao leitor, desenvolver seu próprio ponto de vista. Ainda virão textos e opiniões de colunistas sobre o assunto.

OBS: Reformulei o 11º parágrafo do texto, segundo esclarecimentos feitos por  Cibelle Souza. Obrigada pela melhor orientação, Cibelle =)



No dia 20 de setembro de 2015 (domingo), a bailarina Kami Liddle (EUA) postou em seu perfil pessoal do Facebook uma declaração pública divulgada no Tumblr em nome de várias vítimas do abuso que sofreram, envolvendo o nome do Tribal Fest® da Califórnia, realizado por Kajira Djoumahna e Chuck Lehnhard.

Inicialmente, a declaração não foi assinada para preservar a identidade das vítimas e para que estas compartilhassem em suas redes sociais da maneira que considerassem mais confortável. Contudo, atualmente, a declaração já se encontra assinada e você pode conferir que  todas ( ou a grande maioria) dos principais ícones da cena tribal internacional apoiaram a declaração. Entre os nomes mais conhecidos, que compartilharam e apoiaram esta atitude em detrimento do festival, estão: a própria Kami Liddle, Rachel Brice, Zoe  Jakes, Ariellah, Jill Parker, Heather Stants, April Rose, Sharon Kihara, Carolena Nericcio, Samantha Emanuel, Amy Sigil e muitas outras.

No dia em que a declaração foi publicada, todas as bailarinas se uniram e compartilharam em suas redes sociais anunciando que não iriam  mais lecionar e participar do Tribal Fest® em 2016. Além dos instrutores, muitos vendedores e dj's retiraram seu apoio e participação no evento.

O motivo de tal reboliço fora que um dos produtores do evento agiu de má fé ao ter criado e participado de um grupo privado no Facebook, expondo bailarinas e outros participantes do festival ao criar montagens de imagens das vítimas, ridicularizando-as, ofendendo-as com comentários machistas, sexistas e fazendo apologia à cultura do estupro.

Em defesa, as bailarinas, líderes e membros da comunidade tribal,dizem não poderem apoiar um evento em que um organizador menospreza e subjuga as mulheres através de esteriótipos machistas e, além, desumanos. Elas não querem apoiar um lugar em que não se sintam seguras para manifestarem sua arte.Tudo isso que aconteceu vai de encontro à toda a ideologia que elas acreditam dentro da dança e estilo de vida da comunidade de dança do ventre tribal. 

Através das redes sociais, as bailarinas justificaram também a atitude drástica de expor tudo isso publicamente. O motivo fora que elas, ao descobrirem o ocorrido, contactaram Kajira  três semanas antes do anúncio, pedindo explicações e posicionamento da organizadora. Como não obtiveram uma colocação por parte da organização do festival, avisaram-na que, dentro de 48 horas, estariam realizando o anúncio publicamente no Facebook.

Tudo isso gerou todo um exaltar de sentimentos e emoções de indignação por parte das bailarinas vítimas e apoiadoras que estavam manifestando-se nas redes sociais, o que acabou provocando certa confusão à comunidade tribal que tentava entender tudo que estava acontecendo.Diante de tal situação, no dia 21 de setembro de 2015, Rachel Brice posicionou-se de forma mais sóbria, representando a manifestação .

Kajira  realizou um anúncio publico no Facebook, em resposta à declaração, na terça-feira, no dia 22 de setembro de 2015. Neste, ela expõe que seu marido, Chuck  Lehnhard, foi o organizador envolvido em tais acontecimentos. Na mensagem, ela demonstra sentimento de tristeza e traição, dizendo que não sabia sobre o grupo e seu conteúdo. Ela também comenta ter tentado contactar as vítimas do ocorrido, contudo, segundo a mesma, apenas dois professores a retornaram. 

As ações imediatas que Kajira tomou diante das atitudes do marido foi de retirá-lo como co-produtor e membro da equipe do Tribal Fest®; sugeriu a criação da Bolsa de Estudos Tanya Tandoc, com o intuito de homenagear uma estudante de dança tribal que, segundo ela, foi vítima de violência doméstica. A bolsa tinha o objetivo criar um fundo para bailarinos impossibilitados de frequentar Tribal Fest® . O festival também iria contribuir para organizações de direitos da mulher, escolhidas por voto popular,cujas informações estariam disponíveis no site a partir do dia 01 de dezembro. 

No dia 22 de setembro de 2015, após a declaração de Kajira, Chuck posicionou-se em seu Facebook, assumindo e desculpando-se por todas as atitudes cometidas.

Após a declaração de Chuck, muitas contra-respostas foram publicadas, como de April Rose e Solstice Studio, as quais posicionaram-se dizendo que o autor principal de tais abusos teria amenizado a situação em sua declaração e  só não divulgaram as imagens do tal grupo secreto/privado por ser embaraçoso demais para às vítimas e toda a comunidade tribal. Além disso, tanto Solstice quanto Heather Fletcher Howard, professora de Tanya Tandoc, sentiram-se ofendidas pela ideia da Bolsa em seu nome. Tanya foi vítima de violência doméstica, sendo assassinada pelo ex-marido. Muitos acreditaram que Kajira usou de forma ruim a memória e sofrimento da bailarina em questão, por ter parecido ser apenas uma maneira de "tapar a ferida", apelando para o lado emocional das pessoas, já que a "homenagem" aconteceu apenas três meses depois do seu falecimento. Desta forma, esta atitude pareceu ser mais uma jogada de marketing de Kajira, do que uma retratação formal do evento.

Solstice aproveita, na mesma declaração, para criticar  a centralização de poder que os organizadores e o próprio Tribal Fest® construíram às custas de toda a comunidade. Desta forma, ela acredita que a comunidade tribal mundial é muito maior e mais forte que um evento para representá-los. Diante de tais colocações, afirma que, neste momento de fragilidade, a cena tribal precisa de novos líderes que a represente. Sua ideia consiste que estes líderes  formariam uma comissão, que seria votada anualmente,contendo representantes de todos os ramos da dança tribal,  como idosos e estudantes, com o objetivo de criar um novo evento anual, em que os professores e artistas serão selecionados por um comitê em vez de uma ou duas pessoas.   Neste novo evento,  as finanças seriam transparentes e devidamente re-direcionadas para aqueles que estão contribuindo mais para o evento (os professores) e para o que acreditamos como coletivo.

O desfecho de todo esse quadro aconteceu no dia 01 de outubro de 2015 por Kajira, que estivera escrevendo, entre os dias 27 e 30 de setembro de 2015, uma extensa mensagem contendo sua opinião diante de toda contra-resposta e últimos acontecimentos. Kajira sentiu-se injustiçada por todos estarem associando a figura de seu marido com a do festival, sendo que o evento e ideais do Tribal Fest® são dela.  Ao término da carta, anuncia que dedicará mais tempo aos cursos que ministra e, desta forma, ela encerra definitivamente as atividades do Tribal Fest® em 2015. Ela também comenta que após dois dias deletaria o grupo do Tribal Fest® no facebook. 

O Tribal Fest®, realizado em Sebastopol - Califórnia (EUA), foi o evento  pioneiro na cena tribal, reconhecido mundialmente e durou 15 anos de produção.

- Você pode acessar e ler o original em inglês de todos os relatos aqui citados através dos links abaixo:

[Estilo Tribal de Ser] Kuchi

por Surrendra



Quando conheci a dança tribal me encantei com aquela abundancia de joias das bailarinas. Naquela época, mesmo fazendo uso da internet, ainda era difícil achar informações sobre a origem dessas jóias. Depois de muita pesquisa, encontrei dois tipos de joalheria presente no vestuário das bailarinas tribais.

Mas hoje, apresento para vocês um pouco da joalheria Kuchi.



A história de  joalheria Kuchi , como todas as joias tribais, é rica com influências de muitas culturas.

Estas belas peças com vidro e sinos coloridos, originalmente vieram de tribos nômades chamada Pashtoon que vagavam as zonas fronteiriças do Afeganistão e do Paquistão, ao longo das rotas antigas entre as estações do ano, movendo-se montanhas à baixo no inverno e voltando para suas casas no verão . A própria palavra Kuchi é derivada de uma palavra persa que significa "a migração", em relação aos nômadas ou ciganos, e não descreve um determinado grupo ou pessoas, mas sim um estado de ser. Muitos povos ou tribos diferentes destas áreas foram classificadas como Kuchi, mas os nômades migratórios originais desta área são o Pashtoon.



A jóia desses povos errantes incorpora elementos de design de muitas culturas, incluindo as da Índia, Oriente Médio, Ásia Central e nas áreas tribais da ex-União Soviética. Nestas jóias são usadas moedas, sinos, e grandes pedaços de vidro colorido para produzir gargantilhas, colares, encantadoras pulseiras, pingentes, cintos, anéis, brincos, headpieces e mais. São confeccionadas completamente à mão, muitas vezes em projetos que levam anos para serem confeccionados. Estas peças, por vezes, incorporados beadwork (técnica que trabalha contas) ou bordado.



Tal como acontece com muitas culturas tribais, os fabricantes de jóias eram, em sua maioria,  homens. Eles usavam os componentes da mais alta qualidade disponível ou que a família poderia pagar. Peças mais antigas foram feitas em boas notas de prata, sempre que possível, às vezes até 90% e mais, mas se o dinheiro não estava disponível ou a preços acessíveis, eles usavam outros metais mais convenientes . Estes podem conter níquel, cobre, estanho ou outros metais comuns. O metal era derretido para fazer novas peças que eram usadas pelas mulheres das tribos para cerimônias e finalidades diárias ou decorava seus animais para proteção e sorte. As mulheres, então, muitas vezes adicionavam estas peças à beadwork ou bordado. As jóias Kuchi modernas são feitas, principalmente, à partir de bronze com níquel e, talvez, uma pequena quantidade de outros metais diversos.



A joalheira Kuchi, como as jóias da Índia e em outros lugares e povos tribais, muitas vezes incorporava pedaços de vidro colorido transparentes, criados com cera de abelha e apoiados com papel alumínio para refletir a luz em todas as tonalidades do arco-íris. Espelhos brilhantes, fios metálicos, miçangas coloridas, pom-pons, cravos e outros materiais perfumados, tecidos brilhantes e vários tipos de pingentes e sinos, que também servem como amuletos para afastar os maus espíritos.


Ao longo dos séculos e, mais recentemente, estas tribos nômades tornaram-se mais povoada e não viajam  grandes distâncias. Guerras, secas, fronteiras e a pobreza forçaram os nômades à viajar cada vez menos. Nos dias atuais,  a maioria das pessoas, uma vez chamado como 'Kuchi',  estão agora se estabelecendo  em cidades e aldeias onde eles podem ganhar uma vida mais substantiva. Os jovens, também, não querem  viver uma vida semi-nômade e preferem viver em áreas onde podem encontrar empregos e uma vida social mais ampla. A fabricação de jóias agora é feita, quase que, exclusivamente,  para o lucro e o comércio com outras pessoas fora de sua cultura. Infelizmente, isto significa que a qualidade varia muito de artista para artista, um lugar para outro e até mesmo peça para peça.



Comércio com os EUA e outros países ocidentais fez as peças antigas originais ficassem escassas. Elas ainda podem ser encontrados, mas geralmente têm um preço elevado, especialmente se forem de prata. Peças colecionáveis ​​de boa qualidade ainda podem ser encontradas de vez em quando e novas peças são abundantes em variados preços e qualidade. A peça de qualidade, seja novo ou velho, pode ser reconhecido pelo design e qualidade na sua produção.  


Mais  imagens:








[Resenhando-SP] ATS® na Praça

por Maria Badulaques



Idealizado por Karina Christmas e Claudia Buzian o ATS® na Praça, edição São Paulo, ocorreu dia 30 de setembro no Centro Cultural Jabaquara.


O dia tava delicioso, no melhor estilo: um sol pra cada um, puro inverno senegalês...e nós lá, maquiadas (quase), figurinadas (quaseee), cabelos nos trinques (quaseeeeeee) e muita vontade de confraternizar (totaaaaal). Sabe aquele abraço que você recebe quando revê os amigos queridos? Assim foi a recepção calorosa (putz, bota calorosa nisso!!!!) e já entramos no  "TAMO JUNTOOO".




Acredito que Mamma C pensava em momentos de descontração como foi o ATS® na Praça quando idealizou os conceitos dessa dança. Afinal, é pra improvisar, agregar, relaxar e misturar. Dever de casa feito, a filosofia do ATS® tava totalmente impregnada na intenção de deixar rolar e tome música de tudo quanto é estilo que você imaginar, até a tal sofrência (kkkkkkkkk, que que é isso, genteeeeeeeeeeeeeeee).


Um pessoal parou pra olhar. Menininhas lindas entraram na roda e queriam sair  com os snujs emprestados por uma das dançarinas (rachei...), essas vão virar tribalistas, certeza!!!




Lá pelas tantas, afetadas pelo caloooor nababesco Karina e Monica resolvem puxar um duo de véu. E eis que surgiu o ventinho sa-vergonhooo e tome o (mal) elemento véu nas fuças das mininas. Lição, antes de usar o véu vejam se o clima favorece, mas se não favorecer as manas assistem rachando de rir e garantem um tempo mega-favorável, tempo de se divertir, sacou?!


Técnica? Sim, esteve lá, mas ninguém estava dando atenção, preocupado, julgando, atento a isso, o que percebi presente tempo integral foi o LET IT GOOOOOOOOO.




Nem só de ATS® vivem as loucas-por-ATS®. Rolou também a Dança Circular, com a focalizadora Sandra Carvalho, da trupe Gira Ballo e era o dia mundial da dança pela PAZ!!!! PERFEITO.


Ieba-tam-nam-nam. Embaladas por "vou ficar mais um pouquinho, só pra ver se acontece alguma coisa nesta tarde de domingo", agradecemos a benção de estarmos juntos, vivendo, dançando, celebrando. O que dizer? Foi mágico; me vi revivendo algo que já vivi, com toda certeza. A dança deve ter esse papel, sempre!!! É por momentos assim que percorro quilômetros nas estradas - integração.




Teve ainda piquenique, bolinhos, brindes. Amei! Já com saudade e vontade de quero mais.


Parabéns a todos que estiveram presentes, sei que voltaram pra suas casas com a energia recarregada e um baita bronze no rosto :) tcham!!!!!




Xeros no pulsante

Mais fotos











LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...