Clique na imagem acima para mais informações! Votação até de 25 de fevereiro!

[Papo Gipsy] Papusza

por Sayonara Linhares | Texto de Janusz R. Kowalczyk

Papusza

Bronislaw Wajs, Papusza - poeta cigana que escreveu na língua Roma (dos ciganos). Ela veio de um grupo de etnia Roma Polaco (Roma, planície polaco). Ela nasceu em 17 de agosto de 1908 ou 30 de maio de 1910 em Lublin, morreu em 08 de fevereiro de 1987 em Inowrocław.


Vida na estrada
A caravana em  que nasceu e cresceu Bronislaw Wajs, vagou em torno das terras de Podolia, Volyn e nos arredores de Vilnius. A família Wajsów consistia-se principalmente de músicos, a maioria harpistas. Eles viajavam através de cidades e vilas, tocando em tabernas, feiras ou casamentos.
O futuro dela seria  decidido na  terceira noite após o nascimento. Os ciganos diziam que apareceria um espírito para alertar sobre o mal e o bem que ocorreriam na vida da criança que viria. Como a mãe estivesse com medo, foi acompanhada toda a noite por uma das matriarcas do clã.. O espírito lhe disse –palavras que  ninguém poderia repetir. Apenas sussurou: "Ou ela vai trazer muita honra  ou uma grande vergonha.
Levou a menina através da floresta para ser batizada na aldeia. Mas no campo, todos diziam que a menina era adorável e por causa desta beleza que a chamaram Papusza, que em romani significa 'boneca'. 
- Minha mãe me chamava de “bonequinha”. Eu era saudável,  pequenas mãos, torso magro. Eu era esbelta. Rosto bem corado, cabelo longo como de uma grande senhora, penteados em arranjou em tranças (Ela nunca os cortou, por toda a vida). Eu gostava de dançar, cantar, eu era muito alegre. Sempre com saias costuradas com flores, faces cor de cereja, ágil como esquilo. "
[Angelika Kuźniak, 
"Papusza" , Czarne Publish House.  Wołowiec,  2013]

Bronislaw Wajs "Papusza" com seu filho Tarzan, fotografia da coleção de George Ficowski, fot. Cortesia do Museu Regional em Tarnów


A futura poetisa foi uma das poucas mulheres ciganas que chegaram a aprender a ler e escrever – por si.

“Eu nunca fui para a escola. Eu queria aprender a ler, mas meus pais não se preocupavam comigo - Papusza lembrou anos mais tarde. - O padrasto ficava bêbado, jogando cartas, minha mãe não tinha idéia do que eu precisava aprender, do que era educar uma criança. (...) Pedi às crianças que iam à escola, elas me ensinavam umas poucas palavras. E assim foi. Em seguida, roubava  alguma coisa e eu lhes levava e assim fui ensinada. Eu morava perto de uma comerciante judia. Eu peguei um frango e eu dei a ela, e ele me ensinava a ler. E então eu li um monte de jornais e vários livros. Sou capaz de ler bem, mas escrever - feio, porque eu escrevi pouco, e eu li um monte ". 
Bronislaw foi casada quando tinha dezesseis anos com um homem 24 anos mais velho que ela, irmão de seu padrasto, Harper Dionísio Wajs. Durante a Segunda Guerra Mundial, ela  se escondeu dos nazistas com seu grupo nas florestas do oeste da Ucrânia. Depois da guerra, os ciganos das fronteiras polonesas  mudaram-se para os territórios recuperados e Papusza  também fez parte desse grupo.
Depois de anos peregrinando com as caravanas, ela se estabeleceu em Zagán em 1950. Por um longo período,  de 1954-1981 viveu em Gorzow Wielkopolski, one as caarvanas ciganas paravam por provisões. Em 1981, velha e doente, a poeta ficou sob os cuidados de uma família de Inowrocław.
Na comunidade de Roma, Papusza foi rechaçada, porque não cumpriu com o papel tradicional de uma mulher cigana. Rejeitada por causa da infertilidade, acusada de trair os segredos tribais, ela foi excluída da comunidade. Essa rejeição lhe causou uma série de transtornos psiquiártricos que a levaram a buscar tratamento periódico em instituições psiquiátricas.

Poemas
Fotografia de George Ficowski, primeiro à esquerda, com o violino: Charles Siwak, terceiro, sentado com a harpa: Dionísio Wajs, à direita, com um acordeão: Edward Dębicki de 1949 Foto cedida pelo Museu Regional em Tarnów.

Em 1949, Jerzy Ficowsky se uniu à caravana de Dionísio Wajs. Ficowski era um foragido da polícia, poeta aspirante, fascinado pelos costume e língua ciganas. Ele ouviu sobre Papusza  "Este é Bronka Wajsowa, a esposa do velho com o bigode grisalho, que eles chamam Papusza, ela faz canções ciganas e é  poeta!"  Rapidamente ele reconheceu o valor de canções e improvisações  literárias de Bronisława e a convenceu-a a divulgar sua escrita.
O princípio do conhecimento Papusza de Ficowski coincidiu com um divisor de águas para o período de ciganos poloneses de cima para baixo liquidação fim owski comunista-imposto. O motivo natural de criatividade Roma poeta tornou-se então um mundo perdido de liberdade e errantes campos. Em sua poesia, que decorre de canções folclóricas ciganas, ele comemorou o destino de seu povo, expressou seus hábitos e saudade.Seus poemas, sem um ritmo regular, às vezes se aproximando contos.
O início do relacionamento entre o dois coincidiu com uma crise e período de longo sofrimento imposto aos ciganos pelo regime comunista, o que trazia muita inspiração para os poeta ciganos.
Sua poesia, inspirada nas canções folclóricas ciganas, não tinha um ritmo regular e se aproximava muito da prosa. 
Ela fez sua estréia , traduzida do romani por Ficowski, na revista "Nova Cultura" em 1951.

Eu olho para cá,  eu olho para lá -
como as águas cálidas que a lua banha,
uma jovem cigana
num córrego perto da floresta

O que acontece?
Tudo desmorona.
Enquanto o  mundo está rindo. "
["Eu olho para cá, eu olho para lá" ("Dikchaw dar, caminhada dikchaw"), de 1951]
Após a publicação, em 1951, de seu livro de poemas Papusza se tornou famosa. Ainda assim, ele vivia modestamente,  mantendo a família através da leitura da sorte, com o marido doente e criando um menino que adotou, carinhosamente chamado Tarzan.
Embora amigos tenham tentado fazer com que ela recebesse algo pelos poemas publicados, isso era algo que ela nem cogitava.
Papusza nunca aprendeu a escrever corretamente. Ficowski tinha que decifrar rabiscos, manuscritos borradas, cheio de erros e palavras, em que faltavam sílabas inteiras.  Para que ela não se desistimulasse, ele nunca pediu ajuda para esse trabalho.
Toda produção literária de Papusza se resume a cerca de 40 poemas manuscritos. Deixou poucos textos em prosa descrevendo a vida cigana.

Desde 1962. Papusza pertence a Associação Polonesa de  Escritores. Seus poemas receberam traduções em  Alemão, Inglês, Francês, Espanhol, Sueco e Italiano.

"Falorykta" ou penalidade
Família Bronisława Wajs fotografia "Papusza" da coleção de George Ficowski, fot. Cortesia do Museu Regional em Tarnów

A misteriosa palavra "falorykta" na língua dos ciganos é um julgamento, condenação, a pena para revelar os segredos para pessoas de fora da sua própria cultura. Papusza tinha medo de rejeição por parte dos ciganos, o que significava que ela não se considerava um poeta, mas apenas como uma leitora da sorte.
Nos anos do pós-guerra, no ambiente cigano, vigorava uma restrita proibição para conceder aos estrangeiros qualquer informação sobre as tradições ciganas, rituais, proibições costumeiras e língua cigana. Após o aparecimento em 1953. do livro "ciganos poloneses", em que Ficowski descrevia suas crenças, leis morais e compilou um pequeno dicionário de romani, o amigo de Papusza foi acusado de traição.
Depois disso, voltaram muitas acusações contra ela, numa pressão que acabou por afetar sua saúde mental. Mas a amizade com Ficowski se manteve.
Devido às acusações, ela foi excluída da comunidade cigana, longe da qual viveu seus últimos trinta anos. Só seu marido não a abandonou.
Ficowski disse que ele teve a grande sorte de conhecer Papusza e passar à história como seu descobridor. Papuszae teve a infelicidade de se encontrar com ele.
Excluida da comunidade cigana, ela parou de escrever. Os últimos de seus poemas foram publicados em 1970. Muito do que ela escreveu antes, queimou junto com cartas de amigos, entre outras coisas.
“Se eu não tivesse feito a estupidez de ter aprendido a ler e escrever,  eu teria talvez sido feliz "- ela disse no final da vida. 

Papusza - vida após a vida
Bronislaw Wajs fotografia "Papusza" da coleção de George Ficowski, fot. Cortesia do Museu Regional em Tarnów
Em 1974. Maja e Ryszard Wojcik fizeram o documentário filmado "Papusza", escrevendo seu próprio roteiro e convidando como consultor Ficowski.
Em 1991, foi realizado outro documentário "História dos ciganos", escrito e dirigido por Greg Smith com música de John Cantius Pawluśkiewicz . Ele inclui, entre outros, memórias da própria  Papusza, de George Ficowski, de sua irmã Janina Zielinska, de seu filho Wladyslaw (Tarzan) Wajs e de seu médico Maria Serafiniuk.
Em 1994, no  Blonie Park Amphitheater  da Cracóvia se realizou uma estréia do poema sinfônico compostoo por John Cantius Pawluśkiewicz, intitulado "Harp Papusza", em língua romani, uma ópera com um grande elenco de estrelas com Gwendolyn Bradley no comando. A peça dirigida por Krzysztof Jasinski , um especialista dos grandes espetáculos ao ar livre.
Em 2013, foi lançado o filme "Papusza", escrito e dirigido por Joanna Kos-Krauze e Krzysztof Krauze.
 

[Resenhando-AC] “Dançar é só o começo”

por Janis Goldbard



No dia 30 de Outubro de 2015 começou o 1º Seminário de Dança do Acre, o “Seminário História da Dança no Acre”, que foi até o dia 07 de novembro.

A história da Dança no Acre é muito antiga como todos podemos imaginar,  já que o homem através de sua relação com a natureza dançava em busca de uma aproximação com as divindades.

Apesar de a dança já estar estabilizada como um segmento organizado e representado desde 2008, somente se separou das Artes Cênicas na câmera setorial a dois anos. Nesse meio tempo até a data presente, o movimento foi agregando a todos os bailarinos, professores e pesquisadores da dança para se unirem  e tomarem  mais consciência  das ferramentas possíveis e disponíveis para poderem elevar a um grau cada vez mais alto a dança do estado.


Link da entrevista- globo:



A programação foi extensa e foram nove dias de trabalhos: palestras, mesas redondas, apresentações e oficinas; tudo voltado para os amantes, estudantes da dança e para aqueles que possuem intenção de se aproximar das políticas públicas que possam auxiliar a realizar um projeto de dança.

E por falar nisso, esse projeto foi resultado do Prêmio Klauss Vianna de 2014 o qual Valeska Alvim, em sua generosidade, transformou-o em um prêmio coletivo e idealizou esses nove dias de muita informação e que com certeza será um divisor de águas na história da Dança no Acre. Profissionais renomados de outros estados estiveram presentes nas mesas redondas,  representantes da área de cultura do estado, representantes do MODA (Movimento de Dança do Acre), incluindo a classe de artistas presentes debatendo para buscar soluções, caminhos e melhorias para valorização de uma dança mais representativa no Brasil.


Entre eles: 
Karla Martins -  Diretora Presidente da Fundação Elias Mansour de comunicação; 
Neyla Maria – Representante do Minc no Acre;
Elderson Melo - Historiador e doutorando da USP;
Rodrigo Forneck – Presidente da Fundação Garibaldi Brasil;
Fabiano Carneiro - Coordenador de dança de dança da Codança Funarte;
Regina Cláudia - Historiadora e pesquisadora em dança;
Valeska Alvim - Professora da UFAC e doutoranda da UNB;
Christian Morais - Bacharel em Arte Cênicas e professora da Rede Pública

O seminário vem também com uma proposta de engajar pesquisas e investigações que visam, além de reunir pessoas que fizeram e fazem parte da história da dança no estado, aproximar os municípios e organizar para que a capacitação e a profissionalização da Dança aconteça o quanto antes.Esse processo todo visa também “compor afetos, traçar alianças e descobrir caminhos” para que a Dança do Acre seja vista, estudada e registrada.

“Registro e memória” foram um dos temas abordados durante o seminário e há pouquíssimos registros da dança feita aqui no estado; e se há, ainda está disperso. Em algumas modalidades quase não se sabe nada além de não ser encontrado nada em bibliotecas ou em museus.

No caso da dança do ventre, apesar do grande número de imigrantes do Líbano e da Síria terem se estabelecido no Acre no final do século 19, não se tem registro de nenhum(a) descendente dando aulas ou mesmo se apresentando, o que é ,no mínimo, curioso. Há restaurantes árabes e libaneses,  mas  bailarinas dançando? Nenhuma! Não há registrado nenhuma bailarina/dançarina que tenha feito algo artisticamente  para ser mostrado em público o que me leva a imaginar que somente entre eles se dançava e a dança não era vista como um meio de expor a arte e a cultura deles como meio de aproximação com o povo e a cultura local, ao menos aqui no Acre.

Entre as minhas colegas Professoras que nasceram aqui ou que estão aqui a um tempo em se tratando de registros da Dança do Ventre, há muitas informações vagas e nenhum registro e ou  pesquisa feita. Uma pena por um lado, mas, por outro, um campo  rico e vasto para pesquisadores e investigadores. 



Uma pesquisa séria da Dança do Ventre feita aqui na região é um assunto urgentíssimo a se tratar. Por que se faz necessária essa pesquisa? Resposta: para o reconhecimento da dança do ventre no Acre, para uma organização e uma melhoria no nível da dança, o que vai ser bom para todo mundo não somente para as professoras.

Na verdade, eu penso que  no caso aqui do estado, seria melhor ainda para as praticantes que almejam se profissionalizar ou mesmo melhorar sua técnica na dança, pois, como em toda cidade pequena, as possibilidades de se atualizar na própria modalidade é mínima e quando não,é caríssima ou se tem de fazer cursos a preços elevados quando alguém de fora ministra ou se tem de viajar para fora. Em alguns casos se para de dançar ou fica estudando sozinha como muitas que vejo; e ainda há aquelas que se sentem a vontade fazendo a mesma coisa a vida toda com a mesma professora, mas isso teria de ser opção da bailarina e não imposição, como acontece em lugares que não se tem um curso profissionalizante de dança.
  
Na proposta da Mostra de Pesquisa Coreográfica  que aconteceu no dia 31 de outubro,
às 19:00h, foram convidados alguns representantes das modalidades existentes e que possuem representatividade no estado, como Dança Contemporânea, Balé, Dança de Salão, Popping dance, break dance e Dança do Ventre.

Como trabalho com a expansão, estabilização e pesquisa do Tribal Fusion desde 2012, através de oficinas, worksopps e aulas regulares, fui convidada a representar a Dança do Ventre com o Tribal Fusion , pois se entende entre meus companheiros de dança, que Tribal Fusion também é Dança do Ventre.

A minha proposta foi juntar alguns fragmentos de coreografias baseadas na minha pesquisa antes da minha viagem a Índia e pós-Índia. Processo maravilhoso, cada vez me encanto mais com a dança indiana e meu sonho é poder estudar dança indiana clássica e bollywood. Então foi prazeroso, gostoso, divino e gostei da composição porque eu tenho sim um grau de criticidade que todos nós temos de ter, mas, além de tudo, eu sei  como é difícil dispor de tempo, disciplina, aulas regulares, elementos facilitadores como uma boa sala, espelho, ar condicionado e etc para construir e criar uma dança de nível elevado.


Nome Coreografia: Índia em 4 Tempos
Coreografia: 1ªparte –Janis , 2ªparte- Janis, 3ªparte – Sharon kihara e 4ªparte- Janis


  • A 1ª parte escolha da introdução veio por insight. Eu tinha planejado outra introdução, mas essa combinou melhor com a proposta; além de mostrar que é possível dançar algo brasileiro colocando elementos de dança indiana.
  • A 2ª parte foi experimento com técnicas de kuchippudi, dança clássica indiana que aprendi na Índia; claro que transportado de certa forma para o fusion, já que a técnica ainda está sendo aprimorada.
  • Na 3ª parte resolvi colocar um pedaço da coreografia da Sharon Kihara porque ela é uma inspiração pra mim e essa coreografia dela é simples e complexa ao mesmo tempo. Eu senti que ela me deu uma firmeza no meu propósito e uma leveza pois sempre quando a estudo ela está sorridente e leve.
  • A 4ª parte e última foi a minha primeira coreografia inspirada na Índia as quais usei recursos que já estavam em minha maneira de sentir e fazer dança, claro que pesquisei, mas sabe quando captamos um movimento espontaneamente? Foi assim, tentei lembrar todo movimento que eu gostava e sabia fazer, depois coloquei na coreografia.




Foram várias as fontes de pesquisa desde Bollywood, kuchippudi, katak , jazz; além de aulas regulares no projeto “Expressões Contemporâneas” criação e visibilidade que vem transformando minha maneira de criar, de dançar e de pensar dança.

Como eu pontuei, “Dançar é só o começo”, pois o estudo e a pesquisa vem logo em seguida. Todas as grandes bailarinas do ventre e/ou de outros estilos que eu conheço possuem isso fortemente arraigado em suas criações, pois de outra forma só seria um corpo que balança.

A história da Dança no Acre vem de muuuuuito longe, mas aqui estamos nós (tribalistas) fazendo nossa parte,  agregando valor e novas maneiras de se pensar a Dança do Ventre no Acre.


Pesquisa:

siria-e-libanesa

  

Entrevista #39: Shabbanna Dark


Nossa entrevistada do mês de novembro é a bailarina Shabbanna Dark de Brasília (DF)! Shabbanna é grande adepta ao dark fusion e suas vertentes. Desta forma, ela nos conta sobre sua trajetora na dança, seus gostos pela subcultura, contracultura e rock'nroll! Confira!

BLOG: Conte-nos sobre sua trajetória na dança do ventre/tribal;como tudo começou para você?
Boa noite Aerith, obrigada pelo convite. Será um prazer compartilhar um pouco da minha história.

A dança me encontrou !!! Entrei de cabeça na da dança do ventre muito novinha. Sempre tive um universo paralelo e me sentia diferente das outras crianças. Com muito custo consegui convencer minha mãe e troquei todas as atividades pela dança do ventre (engraçado é me lembrar do ônibus escolar que ao invés de me deixar em casa, parava direto nas aulas de dança depois da escola). Cada movimento era diferente e foi onde me identifiquei mesmo tendo poucas meninas da minha idade na turma.


Shabbanna aos 11 anos no Ballet  (Colégio JMJ) 1999 Foto:Acervo pessoal

De tanto passar na frente da sala de aula acabei sendo atraída pelo estilo por causa dos ritmos que me transmitiam mais mistério e liberdade. Nessa época, eu já tinha passado por outras modalidades de danças, aulas de piano e teclado na Escola de Música Fermata.

Tive meu primeiro contato com o estilo no SESC - em Taguatinga – DF e comecei a fazer dança do ventre aos 12 anos em 2000 com a professora Rosilene Santos que iniciou muita gente por aqui. A Rosi deu aulas para muitas outras profissionais e bailarinas aqui em Brasília. Quando a conheci, senti por ela uma admiração, respeito e afinidade profunda. Era como se ela entendesse que eu não era desse planeta também (risos). Eu me apaixonei pelo jeito das aulas, pelas dinâmicas, conteúdos, estilo e por aquele ambiente que me fazia ter a sensação que eu realmente queria aquela dança para o resto da vida.

Aos 12 anos com a professora Rosilene Santos 2000 Foto: Acervo Pessoal

Parei de frequentar as aulas por um tempo e quando não me reunia com algumas colegas pra ensaiar eu dançava em casa sozinha ‘’todo santo dia’’. Foi assim que fui crescendo e desenvolvendo consciência corporal, aos poucos.

Eu coloquei na cabeça que era a Dança do Ventre que eu queria fazer e deixei os outros cursos pra viver a aventura que virou profissão. Dito e feito!

Aos 18 anos,  eu convivia com um instrumentista e isso me ajudou a ter mais musicalidade. Em 2008, tive a oportunidade como recepcionista em um estúdio de Brasília; aos 20 anos, foi quando ouvi falar da dança do ventre gótica conversando com uma aluna de lá. Eu já vivia um estilo de vida diferente dentro da cultura gótica, mas ainda não conhecia essa dança de fusão.

Então eu comecei a dar aulas particulares do básico de dança do ventre primeiro para uma vizinha e depois para amigas que quiseram montar grupos de aula e ensaios. Quando vi, tinha um espaço de estúdio em casa. Dessa forma fui desenvolvendo, pois a gente também aprende muito ensinando.

Somente por volta dos 20 anos mesmo que eu comecei a me aproximar do Tribal Gothic Fusion. Aos 21 fui convidada por dois produtores(Glaucio de Agnes e Maurício de Andrade) para dançar minha primeira dança de fusão em uma festa gótica. Foi quando tudo começou.

Aos 23 anos tive oportunidades onde aprendi muito, em uma academia e um estúdio de Dança do Ventre no Gama. E por ai foi! Algumas pessoas, professoras, pesquisas, muita observação e trocas... Horas e horas dançando sozinha e acompanhada, estudando movimentos no tempo livre, treinando passos e sequencias totalmente apaixonada e persistente. Tudo isso foi e é muito importante. Continuo até hoje.


BLOG: Quais foram as professoras que mais marcaram no seu aprendizado e por quê?
Eu falo com muito entusiasmo! Não me esqueço de ninguém. Costumo dizer, parafraseando, que sou como um mosaico das pessoas que passaram por minha vida me ajudando nesse caminho para que eu adquirisse identidade própria.

Rosilene Santos (minha primeira professora de Dança do Ventre) , que me acendeu a vontade de lecionar e ministrar aulas.


Com Paula Braz em Brasília - Muita emoção nos bastidores do espetáculo Marbruk produzido pelo Ayuny Stúdio 2012


Eu não posso deixar de citar a Paula Braz (Cia Shaman Tribal), que me deu os primeiros conhecimentos teóricos e práticos no Tribal Fusion  Foi a primeira pessoa que entrei em contato em 2010 para vir dar aulas particulares para mim aqui em Brasília (até então Brasília ainda era carente de técnica específica; mas tudo cresceu e ela acabou montando workshops que reuniu outros autodidatas do estilo). Fazia aulas quando ela vinha dar cursos em módulos aqui na capital.

Livia Bennet do Basirah Dança Contemporânea. Fiz aulas com ela quando eu estava cursando Licenciatura em teatro e foi uma inspiradora diferencial. O meu primeiro contato dentro da dança contemporânea foi com ela. A Lívia me incentivou a superar alguns obstáculos tanto emocionais como físicos. Eu estava passando por um momento delicado da minha vida e as aulas dela me transmitiam força e inspiração. Tenho diários de bordo dessa época até hoje.

Fiz workshops com outras profissionais que sem sempre serão inspirações pra mim, entre elas: Nanda Najla (MG), Kilma Farias (Cia Lunay PB), Renata Violanti (RJ) Karine Xavier-(RJ) Carol Schavarosk (RJ), Rhada Naschpitz (RJ) Thalita Menezes (BH), Marcelo Justino (SP) Ariellah Aflalo (USA) e Paola Blanton. (MK/USA/UNESCO).

BLOG: Além da dança tribal você já fez ou faz mais algum tipo de dança? Há quanto tempo?  Fale um pouco sobre isso
Fiz dois meses de oficinas de Kempo indiano (movimentos de animais) com Júlio César Pereira, diretor da CEDANCOMG (Companhia experimental de Dança Negra Contemporânea Mário Gusmão), no Centro de dança em 2010 e depois em 2013, enquanto seguia o semestre na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes.

Em 2012, fiquei um tempo no Ballet Adulto estudando com Giselle Castro, integrante do Ballet Brasil e, infelizmente, não pude continuar com ela, na época dávamos aula no Guará.

Atualmente, faço aulas regulares de dança contemporânea com Iago Gabriel e me dedico aos estudos do Ragga Dancehall com Glenda Andrade; esta é uma dança muito forte, rica, mutável que nasceu no fim dos anos 70 das tribos de rua jamaicanas e também traz conceitos de fusão cultural. Comecei a estudar com eles nesse ano de 2015 aqui na Backstage Dance Center.


Dança Contemporânea no Espetáculo Cinema no Teatro Unip (Asa Sul - Brasília)


BLOG: Quais foram suas primeiras inspirações? Quais suas atuais inspirações?
No Tribal (eu me deparei primeiro com a ‘‘linha mais extrema da coisa’’:) Comecei a estudar como autodidata o trabalho da Sashi Ascend Tribal que foi a primeira bailarina que encontrei quando pesquisei sobre o Gothic Bellydance, em 2008; depois eu fui ver vídeos da Rachel Brice e outras bailarinas, como Kami Lidle, April Schaile, Ashara, LadyFred (Fredérique) e Shakra Dance Company (devido a fusão com  industrial, hip hop e as influências do afro). Depois, aprofundando-me nas pesquisas, conheci, em seguida, a origem do Tribal Fusion, o ATS® com Carolena Nericcio e outras trupes.

Do Dark ao gótico me deparei com os vídeos/ dvds da Ariellah Aflalo e pude estudar com ela quando veio pro Brasil em 2011. A Zoe Jakes foi uma grande inspiração, porque antes de ver os vídeos dela eu já acreditava na possibilidade da dança Tribal com música ao vivo e banda de Rock além dos sons mecânicos.


Open Stage no Gothla Brasil 2015 com Ariellah Aflalo

No Brasil, as primeiras inspirações foram Daniela Fairusa e antigo Grupo Anúbis do DJ Christian Anubis de SP, Renata Violanti –RJ e Bety Damballah - PR . E eu conversava muito com elas sempre por e-mail nos tempos do Orkut. Paula Braz foi a inspiração maior, (minha primeira professora de tribal fusion), Nanda Najla e Kilma Farias são pessoas que guardo no coração com muito carinho. Tenho grande respeito pela Joline Andrade, infelizmente não estudei com ela.

Carol Freitas - DF continua sendo uma inspiração. A vida deu um jeito de juntar a gente (hahaha). Quando eu descobri o Tribal, ela já dançava dança do ventre com rock nos pubs de Brasília. Hoje ela é uma grande amiga que compartilha muitas coisas pessoais e profissionais.

Minhas inspirações geralmente seguem o fluxo de tudo que eu vivo. Se eu vejo arte psicodélica ou até mesmo uma situação na rua e me tocar, vira dança.

Na dança, sou influenciada por quase todas as artes. Gosto do Teatro pós-dramático de Hans – Thies Lehman; “Teatro da Crueldade” de Antonin Artaud; leio William Blake, Isidore Ducasse, Charles Bukowski, Hermann Hesse, Voltaire; e estudo os grandes Berthold Brecht e Eugenio Barba (incluídos  na minha monografia). Amo Neil Gaiman e vivo das influências do cinema, dos diretores, como Tim Burton; da dança Butoh de Kazuo Ohno, Rudolf Von Laban, dança moderna expressionista de Mary Wigman e da linguagem incomum de dança – teatro da Pina Bausch.

Além das músicas étnicas que escuto para os trabalhos, curto muito pós-punk ska, música clássica e experimental em geral, Dubstep ,Trip Hop, downtempo, entre outras doses homeopáticas e saladas culturais.

Gosto de Yann Tiersen Sopor Aeternus, Win Mertens, Meredith Monk, Diamanda Galas, Sisters of Mercy, Peter Murphy, Smiths, Cure, Merciful Nuns, Madness, Amon Tobin, Nine inch Nails, Skrillex, Gotan Project,Tangothic, Tangueto e Beats Antique.

BLOG: O quê a dança acrescentou em sua vida?
Trouxe sensibilidade, lições sobre o ego e vaidade Acrescentou inspiração na minha vida porque sem ela eu não conseguiria acreditar nos meus sonhos. Com inspiração, tudo pra mim vira dança. Ela também trouxe espiritualidade, ligação com o sagrado, com as forças dos elementos da natureza, misticismos, autoconfiança, autoestima, mais disciplina, senso de individualidade e coletividade, mais consciência de inteligência emocional, compreensão e separação sobre ser a atriz, bailarina e a pessoa do dia a dia. E com isso veio o desejo de ser professora de dança e teatro.

BLOG: O quê você mais aprecia nesta arte?  O quê você mais gosta no tribal fusion? 
A liberdade de criação e possibilidades técnicas entre vários conhecimentos artísticos. A bailarina fusiona os sabores ecléticos para criar identidade própria. Sou apaixonada por todo esse hibridismo cultural.

BLOG: O que prejudica a dança do ventre e como melhorar essa situação? Você acha que o tribal está livre disso? O quê você acha que falta à comunidade tribal?
Esse é um assunto delicado, pois várias questões surgem desse cenário. Eu percebo que ambas saem prejudicadas pela falta de profissionalismo e estudo, em vários aspectos.
Eu amo a dança do ventre e amo o tribal e, sinceramente, eu acho que o que mais prejudica a dança do ventre são as disputas de egos e rivalidades que geram a auto sabotagem. Esses excessos são bem diferentes de autoestima.

E aquilo que a Lulu em uma das escritas dela trata alertando como ‘’A fase do estrelismo ‘’. O vírus que rola sempre com quem começa a aprender.Infelizmente, algumas pessoas se ‘’infectam’’ arrastando esse mal até a fase profissional. Esses hábitos atrapalham tanto que, às vezes elas nem chegam à fase profissional. Isso vem até mesmo do próprio professor, que infelizmente incentiva atitudes negativas dos alunos. Quando se torna, por acaso, um professor, acaba atrapalhando outros processos criativos.

Alguns artistas profissionais não conseguem identificar suas posturas negativas, passam da dança do ventre para o tribal fusion com atitudes individualistas, sem consciência dos conceitos e fundamentos do Tribal que Carolena Nericcio propôs. O ATS® é lindo, mas o mal não vem da dança do ventre, vem da mentalidade dos seres humanos. Não acho que o tribal fusion está livre disso, por se tratar de pessoas.

Por outro lado, sinto que o tribal tem maior energia de colaboração, mais ideologia, união e entendimento do que chamamos de manutenção dos ‘’clãs femininos’’, é muito mais um modo de viver do que só um fazer artístico. Há no Tribal Fusion uma força maior em relação à cumplicidade, as misturas e respeito em relação ao ‘’sagrado feminino/ masculino’’. Aspectos semelhantes com o intuito das danças circulares ritualísticas e várias tradições. E ele acaba sendo mais harmonioso e cooperativo quando atentamos para o ATS®.

A dança do ventre se isola muito de outras linguagens da dança e tenta passar a ideia de que apresenta uma única tradição e, estudando um pouco, a gente sabe que a dança do ventre que muitas aprendem e executam hoje já é uma adaptação de dançarinas ocidentais que chegou até nós. Então, ela não é só uma dança folclórica e tradicional pura, ela é uma dança híbrida em vários aspectos, mas, mesmo assim, se isola. Acho que é uma questão de consciência, porque com um pouco mais de flexibilidade e senso de responsabilidade social cada bailarina estaria mais consciente que tem um papel cultural importante no nosso meio e não teria somente um olhar comercial.

Em geral, observo que, às vezes, a dança também sofre alguns atropelos relacionados à gestão. Um gestor, além de ser um bom comunicador, tem que avaliar bem diferentes questões, ser um líder ético ao dirigir e motivar as pessoas, reconhecer, analisar e solucionar os problemas a enfrentar. Os recursos financeiros também são importantes em qualquer arte e negócio. Não é porque é arte que tem que ser desorganizado e pouco valorizado.

BLOG: Você já sofreu preconceitos na dança do ventre ou no tribal ? Como foi isso? 
Eu nunca sofri preconceito, mas a sociedade machista reage de forma muito diferente em relação às outras danças. Eu não falo só dos homens não, falo da reação de muitas mulheres que não tem entendimento artístico. Existe uma nítida diferença da posição do público vendo apresentação de Ballet e Dança do ventre. O Dark Fusion impõe uma presença de uma bailarina que não é tão passiva.

BLOG: Houve alguma indignação ou frustração durante seu percurso na dança? 
Não! Tiveram momentos bem complexos, mas nada relacionado a grandes frustrações ou indignação.

O momento mais complicado foi quando escolhi o tema da monografia relacionado ao Tribal Fusion, por ser um tema relativamente novo no meio acadêmico, principalmente no Teatroe, por isso, não tem muitas referências bibliográficas, nem bases de conceitos totalmente teóricos dentro do aspecto que eu queria falar. Desenvolver o trabalho de conclusão dentro do meu curso de Licenciatura Plena em Artes Cênicas não foi uma tarefa tão fácil, porque a faculdade não era de dança. Pensei: ‘’ Não vou desistir desse tema, sempre quis fazer estudo de caso ou escrever sobre aspectos do Tribal ’’. A indignação era mais quando eu sofria por antecedência quando pensava o tanto que seria ‘’frustrante’’ ter autonomia artística, desenvolver um trabalho fora de uma Faculdade de Artes e não poder ou não conseguir falar dele lá dentro. Tive dificuldades de escrita mesmo vivendo o Tribal Fusion 24 horas. Não queria reinventar a roda dos temas comuns já existentes.

Por fim, deu muito certo, não troquei de tema e não deixei as adversidades me pararem, entre vários problemas que tive, demorou mais saiu. (L) Eu tropecei muito, mudei a escrita e o discurso várias e várias vezes, fiquei estressada, bati com a cabeça na parede (hahahaha brincadeira) troquei de orientador, voltei pro meu orientador, corria fazendo mil coisas ao mesmo tempo e não podia parar o que eu fazia pra me dedicar só ao TCC porque vivo com a dança mesmo, tanto com aulas, como shows. É! Esse trabalho demorou. Não levou somente um semestre porque aconteceram muitas coisas com a Faculdade Dulcina de Moraes e principalmente fora dela enquanto eu desenvolvia as pesquisas e escrita. Eu não estava em uma maré de rosas, mas foquei e não sai frustrada de lá nem com a dança, nem com o curso. Não é um caminho fácil, mas estou contente com todos os momentos nesse percurso. A arte é uma bela e dolorosa jornada da persistência entre racionalidade e emoção.

BLOG: E conquistas? Fale um pouco sobre elas.
Muitas a nível pessoal. Mas em geral a dança me trouxe energia para seguir meu caminho mesmo se o momento de vida for complicado. Foi por causa da dança que eu quis me formar em teatro. No aspecto profissional, a maior conquista sendo professora e arte educadora é saber que como formadora de opinião, o pouco que estive presente, em cada sala de aula, foi um esforço e experiência que valeu a pena.

Semear e ver frutos. Ver um aluno desenvolver e continuar seu caminho a partir de um conceito que você passou é muito bom. Eu não dou mais aulas na cidade onde eu morava, mas o meu maior retorno é ver minhas alunas e amigas gostando do tribal, criando identidade própria na dança, fazendo solos e montando outros grupos.

BLOG: Como é ter um estilo alternativo dentro da dança? Como você se expressa na dança? Como você descreveria seu estilo? Conte-nos um pouco sobre isso.
Eu me sinto bem porque eu sou assim mesmo no dia a dia (hahaha) e não só no espaço cênico.  Eu sou contra cultural e acredito que o modo de se vestir vem de alguns grupos como um protesto e até hoje cria movimento, diferenciando em certos meios como contraposição as questões sociais. A forma como eu me visto vem com a atitude; também é uma forma de criar controvérsias e mostrar a face da insatisfação diante das coisas que também não concordo. Então, nada melhor do que juntar toda essa ideologia na arte. Arte como protesto, arte estética, arte de rua e tribo urbana. Se a arte é o meu maior meio expressão, então me sinto a vontade pra compartilhar um pouco do que sinto com o público. Danço o que sou na vida, mas também crio vários personagens, sendo que, muito do que já senti e vivi, se refletem até hoje no meu estilo de vida e vestuário.

Tenho estilo dark e gótico, tatuagens, piercings, cabelo colorido e acho esse universo fascinante. Acho que quase toda bailarina de Tribal Fusion hoje em dia tem um pouco do alternativo.  A reação do público gera impacto e sempre foi positivo por ser exótico e, até mesmo, obscuro e misterioso. Na dança, já experimentei outros estilos além do gótico e dark, que é meu forte, principalmente porque trabalho com dança, crio personagens, dou aulas, dancei/danço em lugares e acabo me adaptando bem apesar do rótulo '' Dark '', transito entre os estilos diferenciais sempre que uma oportunidade surge.

BLOG: Como era o cenário da dança tribal quando você começou em Brasília? Como está atualmente? Pontos positivos, negativos, apoio da cidade/estado, produtores, espaços e repercussão por parte do público, bem como pela comunidade de dança do ventre/tribal?
O tribal em Brasilia ainda é muito pequeno em relação as outras cidades, pois chegou aqui a poucos anos em comparação aos outros estados e antes fazíamos fusões de dança do ventre. Nas festas e pubs, Carol Freitas, eu  e entre outras bailarinas, gostávamos de fusão e fazíamos dança do ventre com rock, incluindo música gótica, mas ainda era experimental, depois aprimoramos no Tribal. Faltava técnica específica, além de estrutura necessária como palcos e espaços para receber bailarinas. O antigo Blues Pub, Mittelalter Taberna e América Rock Club foram um dos locais mais legais para performances e sempre nos receberam muito bem. Hoje temos outros apoiadores, a cena está mais forte, consolidada profissionalmente e as casas de shows possuem um bom espaço.

Sempre apoiei muito a cena independente aqui em Brasília. Meu trabalho com dança, além da cena gótica, geralmente é relacionado com bandas. Defendo muito a intervenção urbana, a revitalização de espaços e arte de rua em geral e sempre participo de eventos de estúdios de dança que produzem festivais onde se reúnem muitas profissionais. A cena em geral é boa, tanto no Rock, Gótico, Dança do Ventre e Tribal. Somos unidos aqui. Sou grata com todo retorno e apoio que tenho em relação ao meu trabalho.

Por outro lado, existe o Fundo de Apoio à cultura, FAC – GDF, CEAC e SISCULT, onde cada artista prova atuação artística na cidade entre cinco e dois anos, podendo ser contratado pelo governo para participar de algum evento. O ponto positivo é que quem tem cadastro também pode concorrer a editais, escrever e executar projetos recorrendo à verba destinada a cultura.

Hoje em dia, não só em Brasília, muitos artistas acabam tendo que ser produtores de si mesmos. Sabemos quase tudo que precisamos, mas cuidar de tudo sozinho não é uma tarefa tão fácil. Já trabalhei com bons produtores que sentem a boa repercussão da dança performática(como o  tribal) e sempre convidam para estar em festivais de rock. O público é receptivo e o retorno é positivo. Um dos trabalhos mais constantes e anuais tem sido com a produtora Kell Kill Mendonça.

BLOG: Anteriormente, você fez parte do Filhas da Lua com Walkiria Eyre e Carol Freitas. Conte-nos um pouco sobre a história desse grupo: a etimologia da palavra, seus integrantes, qual estilo marcante do mesmo, se ele sofreu alguma mudança estrutural  desde quando foi criado até agora e como é o processo de introdução de novos integrantes.



O grupo ”Filhas da Lua” que eu fazia parte começou com a proposta de mesclar as nossas técnicas de dança com aspectos teatrais; entrávamos em outras esferas e a fusão partia de vários conceitos. A ideia surgiu em 2010 e foi se consolidando com os anos. Fizemos votação pra escolher o nome, mas como somos muito místicas, resolvemos seguir de forma artística as relações com as fases da lua e faces da Deusa dentro da mitologia e o culto da Grande Mãe e daí veio o nome de “Filhas da Lua” !!!  O grupo começou de forma experimental e depois se consolidou com essa proposta inovadora. Somos muito ecléticas, juntamos um pouco de tudo que gostamos e nos nomeamos como um grupo de Vaudeville Avant-Garde Fusion.

Vaudeville vem da influência dos vários gêneros de entretenimento dos Estados Unidos nos anos 30, como burlas, tragicomédias e circos de horror. Avant-Garde do francês, significa “avançar”, “guardar”, “ultrapassar” as fronteiras do status do Fusion. Assim, fazíamos uma mistura de um pouco de cada técnica, estéticas conhecimentos artísticos para criar nossa própria identidade. 

Carol Freitas , Walkiria e eu apresentávamos com vários personagens dentro de enredos, a maioria das vezes com itens mágicos e acessórios de luta e dança, como arco e flechas, bola de cristal, espadas, punhais e véus. O mais marcante do grupo era justamente essa diversidade.

A Carol conheci anos atrás e a Walkiria no worshop da Paula Braz. Não tínhamos audição pra introdução de integrantes porque tudo surgiu de forma natural. Dançamos juntas em um espaço cultural com temática medieval por um tempo e assim começamos a ser convidadas pra participar de eventos em outros lugares. Dessa forma, começamos a fazer nossas próprias festas. Como nós três somos professoras de dança, surgiu a ideia de reunir outros profissionais convidados aqui em Brasília e foi quando criamos o Combo Fusion, que consistia em um final de semana de workshops para todas as nossas alunas, no qual tinha aulas de artes marciais, dança indiana, flamenco e teatro.

Atualmente, estamos nos dedicando aos nossos projetos pessoais. Pra saber um pouco mais do que foi o grupo Filhas da Lua e conhecer mais de cada profissional , dá uma passadinha lá no blog que ainda está no ar:  http://asfilhasdalua.blogspot.com.br/

BLOG: Conte-nos um pouco sobre o trabalho desenvolvido com seu grupo de alunas, o Melantha.


Melantha:  Shabbanna Dark, Jordana Nascimento, Jéssica Sampaio, Lilla AdhLyss, Camilla Rodrigues e Bruna Benes


A ideia do grupo Melantha surgiu em 2007 com uma amiga, Mila Cardoso. O Melantha é um grupo que se formou mais tarde a partir de algumas atividades da sala de aula e, como muitas alunas minhas gostam do estilo musical gótico e rock , foi se formando naturalmente. Começou quando muitas das minhas alunas ainda eram iniciantes, entre seis a oito meses de dança, a medida que foram desenvolvendo com nossas aulas no estúdio. Muitas vezes os nossos ‘’laboratórios’’ experimentais eram essas intervenções urbanas com tribal. 

A partir daí, surgiram shows onde eu as levava para experimentar os festivais de rock com prática de palco profissional mesmo.  Essa proposta é importante para muitas professoras, assim como para as bailarinas que se identificam com ambientes mais alternativos e almejam se apresentar no meio do Rock, onde qualquer profissional sabe que o palco não é ‘’tão fácil‘’, mas possível e muito gostoso de estar.

BLOG: Em 2011, você realizou uma performance o tanto quanto inusitada com “Pierced Wings”, semelhante ao utilizado pela bailarina Sashi, no Tribal Fest 6. Conte-nos como surgiu a idéia e oportunidade para tal tipo de apresentação. Como foram os preparativos para essa performance. Alguma curiosidade que gostaria de compartilhar sobre esse momento?




Foi emocionante porque entrei em contato com a Sashi na época para comunicar que eu estaria passando mais ou menos pelo mesmo processo de perfuração da Kavadi no Brasil.
Kavadi é usada em rituais indianos e danças devocionais pra Murugan filho de Shiva. Estes são ritos cerimoniais tradicionais carregados de mitologia e preparação adequadas à prática (https://en.wikipedia.org/wiki/Kavadi_Attam ).

Importante dizer que fui acompanhada e direcionada por uma equipe especializada na área de body piercings, modificação corporal, biomedicina e performance, através de Eduardo Bez (DF) e T. Angel (SP). O Bez projetou uma estrutura que comportava hastes de aço, que lembrava esteticamente o Kavadi, a diferença é que na Kavadi não há perfurações e nas minhas costas as hastes estavam transpassadas com 6 perfurações ao todo. 

Mesmo não seguindo nenhuma linha de trabalho diretamente relacionada ao espiritual, eles foram muito respeitosos e sensíveis ao meu motivo e todo significado contido na minha performance. Funcionou como ''divisor de águas'' em um momento pessoal bastante delicado que se uniu com o profissional / artístico. 
Resolvi quebrar paradigmas e para mim funcionou como fechamento de ciclo.


Sete dias antes do evento, dentro dessa preparação toda, eu perdi uma pessoa muito especial. Isso mexeu ainda mais comigo. Mergulhados em misticismo, Body art e celebração desses novos ciclos, unimos tudo isso a ideia de uma festa com edição especial de aniversário da Frrrk Guys Party, no Balaio Café, em Brasília e em uma sexta - feira 13 de agosto de 2011.Com a excelente discotecagem dentro do bom gosto musical dos amigos Boscox e Banda Blue Butterfly; tudo com apoio de F.maia - Fotografia / Gabi Cerqueira.




BLOG: Como você encara a fusão entre metal/rock e dança do ventre/tribal? 
É como um desafio musical mesmo, devido à leitura da música que tem que ser trabalhada a cada dia.  Eu escuto música toda hora, toda hora mesmo! Trabalho em uma escola de dança e quando eu chego na minha casa escuto mais música. Isso facilita a fusão, mas não é tão fácil coreografar e interpretar o rock. Principalmente os estilos mais extremos, como Black metal e Death metal, devido às quebras de ritmo, tipo de composição e até mesmo ausência de linha muito melódica. Na minha opinião, o Blues, metal melódico, Heavy metal, Trash Metal, hardcore, progressivo, entre outros, são em geral os mais fáceis e mais usuais entre algumas bailarinas que fazem esse tipo de fusão, por apresentarem arranjos mais claros e distinguíveis. Eu gosto de transitar por todos, independente da melodia, e transmitir com corpo a emoção através da linha da bateria, rifs, arpejos e vocal. A fusão dessas danças com o metal e rock é muito envolvente; é onde corpo e emoção precisam estar bem afinados.

BLOG: Você já se apresentou com algumas bandas. Qual a sintonia entre banda (música), bailarina (dança) e público? Como um público grande encara o tribal fusion? E qual a sensação de saber que através de você, pode ser a primeira vez que aquelas pessoas terão conhecimento da existência e contato com a dança tribal.




Aqui em Brasília já dancei com as bandas locais, como Signo X III e Stoner Babe. Bandas covers, como Harden (Alice Cooper Cover) Iron Wings ;e as outras autorais, como Blue Butterfly também são/foram parceiros.

Eu adoro as artes integradas e todo esse hibridismo contido nos trabalhos de dança com bandas de rock. Para mim a sintonia é perfeita. É muito gostoso acompanhar cada instrumento na íntegra do som ao vivo. Eu já escutei do público que é muito bom ouvir o que se gosta e ver o que se curte ao ver toda essa interpretação nas performances com a energia dos músicos ao mesmo tempo com a bailarina. Algo diferente e ousado. É Festa no Palco mesmo! ''Festa de Rock'', como a própria música da Patrulha do Espaço... rs !

É arrebatador. Tudo foi feito do modo mais profissional possível, mas curtimos muito no palco esse dia. A Patrulha é uma banda lendária e os fãs curtiram muito essa união de dança e Patrulha no palco. (coisa de outro mundo mesmo! Devem ter pensado ... rs.). Sou muito fã da Patrulha, por isso foi uma realização profissional e pessoal ao mesmo tempo, porque fui convidada a subir no palco pela banda nos bastidores. 


Outro feedback interessante foi quando dancei abrindo palco antes da banda Plebe Rude, como atração performática, em um show de inauguração do Amsterdam Street em Brasília, em 2014 (também acompanho Plebe Rude como fã há muito tempo).
Com Clemente Nascimento (Plebe Rude)

Nessa situação eu senti e aprendi várias coisas. Foi muito bom a experiência, pois no primeiro dia o público era mais jovem e a troca de energia do palco com o público foi muito forte. No segundo dia, a galera era mais maduram então percebi a reação vindo da galera da cena, mesmo os punks veteranos (rs),''fãs Plebeus'', ''das antigas'' dos anos 80 que estavam lá vibrando, esperando ansiosamente a Plebe entrar, aguardando o show. Nesse dia me permiti descer do palco e curti o show da Plebe bem de perto depois da minha abertura, na platéia mesmo, pois a casa tinha a estrutura de médio porte e, quando eu desci do palco, essa galera me cumprimentou de um jeito muito diferente, pois não conheciam a fusão tribal. Muito bom!

Às vezes o público tem a reação fervorosa e às vezes a apresentação é tão impactante que a galera fica meio atônita. Era algo muito muito novo, contemporâneo e contracultural em um dia de show de uma mega banda brasileira de punk rock coisa que os fãs nunca virão em dias de shows da banda. O Tribal faz isso: rompe fronteiras e status em várias situações. No meu ponto de vista profissional, levar o estilo dessa forma é algo muito importante e recompensador, mas remete uma responsabilidade enorme, sem dúvida. Dependendo do tipo de som e estilo de banda a reação do público depende muito da sua postura no palco, escolha de música que encaixe bem pra situação. A galera sempre recebe muito bem.

BLOG: Em 2014, você participou do clipe “Paranóia” da cantor Fiachra. Como foi participar de um projeto tão diferente? 




A experiência foi muito rica. Um momento importante de concretização do trabalho de um artista e amigo que acompanho muito. Foi especial e único, tive a satisfação profissional e pessoal de participar de mais uma proposta autoral em Brasília. Ainda mais vindo de um ser tão empírico, ousado e inusitado, além de ser cantor, dançarino e compositor. A Orbeat vídeos e o Fiachra fizeram uma excelente direção e produção.  Admiro a equipe de bailarinos que ele escolhe para estar com ele. Fiquei muito feliz com o convite também.




BLOG: Comente seu projeto com a banda de metal extremo Arandu Arakuaa, cantada em tupi guarani, cuja musicalidade mescla elementos indígenas e regionais do Brasil.


Com a Vocalista Nájila Cristina – Arandu Arakuá – DF 09/02/2014


O Arandu Arakua é uma banda que gosto muito, porque desde a primeira vez que vi, me chamaram a atenção devido a ligação com a natureza e a aproximação com temas naturais e o ar ritualístico. Tudo começou quando a vocalista me reconheceu em um show da banda e começamos a conversar, fomos nos conhecendo (ela ama dança do ventre) e se interessou em fazer duetos de dança comigo na banda. 



Logo depois, veio uma proposta de um clipe do Caio Cortonesi. A banda me enviou a música e pediu pra eu coreografar. Foi muito especial pra mim, mas por questões de tempo hábil e por motivos de produção, não cheguei a participar do clipe. Contudo, lancei o vídeo da improvisação e construção coreográfica em um ensaio no Youtube. Ainda não tivemos oportunidade de levar isso pra um palco de Brasília, mas danço ao som do cd.  

BLOG: Qual a sua relação com o gothic fusion? Como você encara  a cena gótica inserida na dança do ventre/tribal? Sob sua óptica, o quê é dark fusion?
Eu tenho uma relação de muito carinho e respeito pela cena gótica e a minha relação com o gothic fusion é forte. Eu sou apaixonada por esse estilo porque antes de conhecer essa dança, eu já curtia a subcultura. É muito satisfatório para eu ajudar a manter a cena em Brasília. É muito conceitual, amo pesquisar e pensar sobre isso até hoje.

Vou tentar resumir...Para mim é algo natural e não apelativo, pois vivo muito dentro desse movimento. Não concordo quando vejo a estética caricata, intenções pejorativas e formas estereotipadas. A minha relação com o gothic fusion parte da música, da literatura, do cinema e não só do ''visual '' e da ''roupa preta'', por isso eu sempre gostei das bandas precursoras inglesas e alemãs; na dança, não gosto muito do gothic fusion feito de forma caricata com bandas muito contemporâneas ou comerciais, aquelas que seguiram o caminho pop comercial da ''onda'' ''gothic metal'' inserido na mídia não me atraem. Sem dúvida, a cena gótica inserida na dança do ventre é bem diferente do que no tribal gothic fusion e dark fusion, prefiro estes dois devido a linguagem técnica e porque traz maior apropriação dos temas como caos, oposição, luxúria, lascívia, ira, etc. O comportamento subversivo e transgressor, maior empoderamento, liberdade de expressão, magia e ocultismo estão mais enfatizados no tribal.  Eu sou inclinada em levar a dança mais para o Tribal Dark, onde, no meu ponto de vista, tudo é bem mais forte, mais expressivo, mais impactante, teatral, intrigante e, até mesmo, 'suavemente agressivo '' (rs). Procuro dançar minhas verdades, fugindo do óbvio, aos sons de vinhetas, efeitos, ruídos, música industrial, dark ambiente, músicas que eu mesmo edito, do que dançar gothic metal comum. Estabeleceu-se nomenclaturas diferentes com aspectos similares... Tribal Dark, Tribal gótico, Gothic bellydance/ Dança do ventre gótica ..

Sob minha ótica, o Dark Fusion é muito mais intenso. Nos anos 80, o movimento Dark no Brasil veio fazendo oposição aos costumes metaleiros, através da música pós - punk e estética mais sombria, mais obscura. Na dança, hoje em dia, penso que nem tudo que se intitula ''Dark'' é gótico, mas um leva ao outro, assim como luz e sombras. Posso dançar Death metal ou Doom Metal, por exemplo e chamar de Dark Fusion sem relacionar diretamente ao gótico. Para mim, o Dark Fusion é a linha mais extrema que se estende ao Tribal Fusion, onde a teatralidade se faz mais presente. No meu ponto de vista, o gótico pode ser bem mais suave do que o Dark Fusion em questões de expressividade e estética.

BLOG: Quais seus projetos para 2015? E mais futuramente? 
Surpresa!!!  Na verdade, eu estou aguardando a conclusão de um projeto de teatro e ajudando na escrita e idealização de outros projetos de dança para 2016. Pretendo fazer outros estudos, dedicar a outras danças e fazer viagens para shows e workshops fora de Brasília.

BLOG: Improvisar ou coreografar? E por quê? 
Improvisar e coreografar! Dependendo do show ou situação. Principalmente quando se está no meio alternativo. Esse meio do rock e festas góticas é onde estou mais aberta às improvisações nos meus solos e passível de mudanças tanto na posição de palco, disposição da banda e público.

Penso que a coreografia é essencial para compreensão dos movimentos e limpeza destes. Para mim é um processo semelhante de plano de aulas, onde muitas vezes se monta uma aula para se organizar melhor e ganhar mais rendimento.

Quando eu estava na faculdade de Cênicas, li uma frase que define muito bem isso e que nunca mais esqueci, levo pra vida:

  ''Só improvisa bem quem prevê ações ''-  Gisela Wajskop, mestra em educação.

BLOG:  Você trabalha somente com dança? 
Sim! .Atualmente trabalho somente com dança, mas caminho entre outras artes também.
A dança é meu forte. Sou formada em Artes Cênicas, como dito anteriormente, sou Arte Educadora e tenho bases no teatro e na música, mas meu forte é a dança.

Eu estou atualmente em um projeto de teatro que foi custeado pelo Governo GDF. Com isso, acabei ajudando na escrita dramatúrgica porque esse processo foi colaborativo e dentro dele os atores também ajudam na escrita do texto, diálogos, atos, cenas e personagens.

Quando tenho oportunidade faço voz e violão a noite em parceria com músicos de Brasília e Pirenópolis. E em tempos relativamente livres eu customizo poucos figurinos.  

BLOG: Deixe um recado para os leitores do blog.
Acredite na força da arte, acredite em você, não se prenda em atitudes negativas de ego que leva a auto sabotagem. Aprenda a respeitar os seus limites e o das suas colegas de equipe, de trabalho.

Profissionalizar - se é preciso. Ter humildade também. Estudem outros estilos, com isso você cresce tecnicamente e a natureza se encaminha de fazer o resto. O universo vibrará ao seu favor.

Obrigada por lerem até o final.




Contato:
shabbannadancaeteatro@hotmail.ccom














LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...