Clique na imagem acima para mais informações! Votação até de 25 de fevereiro!

[Retalhos de uma História] Tahia Carioca


por Ju Najlah


"Todas morremos e vivemos pela dança" 


Nascida com o nome Abla (bint) Muhammad Karim, Tahia Carioca (Ismaïlia, 1915 - Caïro, 1999) deixou sua família em Ismália após uma discussão com seu pai, Mohamed Karim, quando contava de apenas 12 anos de idade e pegou o trem para o Cairo.  Aos 31 anos já era considerada uma lenda da Dança Oriental. Herdou de seu pai o amor pela arte e os muitos casamentos. Seu pai casou-se 7 vezes e mais tarde Tahia dobrou esse número! 

Ela dançou na maioria dos estados árabes e fez várias participações em filmes egípcios, com famosas estrelas do cinema árabe, tais como o cantor e compositor Mohamed Ahdelwahab e Farid Al Atrache. Lançou sua carreira cinematográfica em 1935, tendo sido "La Femme et le Pantin" o seu primeiro filme. Fez mais de 120 filmes no decorrer de sua vida. Participou também de peças de teatro e de novelas. O cinema e televisão fizeram de Taheya uma pessoa bem conhecida pelos árabes.

Estudou na Escola de Dança Ivanova e, posteriormente, estudou na Mohammed Ali Street, no Cairo, lugar equivalente a Broadway. Foi nomeada Carioca por sua conexão com a dança brasileira, o samba.  Depois de ficar fascinada por ritmos brasileiros, ela perguntou ao derbaquista se ele poderia executar semelhante batida em sua tabla. Assim como Mohamed Abdelwahad fez em suas composições, Tahia introduziu ritmos latino-americanos em seu show. O samba era utilizado por Tahia para executar seus passos no início de sua carreira, durante a década de 1930, quando ela dançava no Badia's Massabni Casino. A partir daí ela se tornou conhecida como Tahia Carioca e o percussionista como Zaki Carioca. 

A concorrência no Badia's Cabaret era dura, especialmente contra Samia Gamal que também dançou lá no início de sua carreira.

A  performance de Tahia era,  normalmente, de 20 a 25 minutos, no máximo. Mas sua  fama cresceu rapidamente entre 1930 e 1940, de tal forma que o Rei do Egito, Farouk, convidou-a para dançar em seu aniversário. Seu estilo era totalmente diferente do de Samia.

Tahia era uma mulher muito forte e determinada mas com uma dança delicada. Possui uma técnica bastante sofisticada. Essas características fizeram o seu sucesso no difícil mundo da dança do ventre, àquela época no Cairo. Ela era, sem dúvida, uma das melhores bailarinas do Egito. Sua dança era fluida, com emendas perfeitas que dificultam saber onde começa e termina determinada sequência. Possuía uma postura de braços delicada e expressiva. Utilizava pouco espaço para executar seus movimentos, mas sem perder a dinâmica da dança. Sua expressão era meiga, sempre com um sorriso nos lábios. Ninguém conseguiu alcançar sua virtuosidade, seu jogo de palavras, gestos e seu jeito irônico de flertar. Extremamente audaz, recusou-se a dançar para o ditador turco Kamal Ataturk,   o qual proibiu de entrar na Turquia, também recusou-se a dançar para Nazli, rei do Egito.

Longe dos palcos, a bailarina estava a frente de seu tempo, era ativista política e se envolveu  em diversas causas, o que custou, inclusive, a sua liberdade, tendo sido presa durante a guerra, quando exerceu um importante papel - foi  responsável por grandes ajudas e donativos.




Tahia Carioca foi casada 14 vezes. A lista dos seus homens estão incluídos o renomado ator Rushdi Abaza, o cantor Muharram Fuad e, assim como Samia Gamal, ela também foi casada com um americano convertido ao Islã. O casamento não durou por muito tempo. 

Em 1963, abandonou a dança e montou um grupo de teatro. Sua primeira peça foi sobre a lendária bailarina Shafiqa La Copta, que é reconhecida como primeira bailarina de dança do ventre a se apresentar em público, em Paris, em 1917. Mais tarde, nos anos 70, ela retornou ao islamismo ortodoxo.

Tahia tornou-se um ídolo para russos, americanos, alemães, ucranianos, italianos, armênios, holandeses e franceses. Todos ficaram atraídos pela sua inigualável mestria. Tahia Carioca provou ser uma fonte de inspiração para uma geração inteira de novas bailarinas.

Faleceu em 20 de setembro de 1999 com a idade de 79 de um ataque cardíaco. Diziam que ela tinha metade de sua inteligência nos pés e a outra metade na cintura.

Vídeos:







Fontes:
MAHAILA, Brysa. Por que amar Taheyya Karioca, in Shimmie, a sua revista de Dança do Ventre, ano 2, nº8





Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...